Aguarde...

Líder, vitórias, técnico e artilheiro: Ferroviária segue firme

Locomotiva chega à sua quinta vitória na Série D, com Paulo Roberto no comando, ressurgimento de esquecido e velho conhecido de artilheiro

| ACidadeON/Araraquara


Ferroviária segue firme na Série D do Campeonato Brasileiro 2020 
Muitos podem não se lembrar dele, mas recentemente Gleyson "Caveirão" reapareceu na Ferroviária. O jogador, contratado do São Caetano no início do ano, fez sua primeira partida oficial contra o Bangu, marcando inclusive o primeiro gol com a camisa grená. Em 17 de Janeiro, a contratação do atacante de 23 anos foi noticiada aqui mesmo, no Acidade ON, e seu primeiro jogo ocorreu exatamente 9 meses depois, diretamente do estádio Moça Bonita. Com a chegada de Paulo Roberto e a infeliz contusão do atacante Bruno Mezenga, o Caveirão teve passagens por Comercial e São Caetano antes de desembarcar em Araraquara. Porém, ele não é o único destaque da equipe araraquarense nesses últimos jogos.  

Com Paulo Roberto, a Ferroviária viu uma terceira drástica mudança em seu estilo de jogo, contando apenas a Série D. Com o uso de ataques verticais, ligações diretas com o ataque, um futebol que independe da beleza, por mirar o resultado, e principalmente, a utilização de dois volantes (Dener e Nando Carandina), Bruno Recife, Tony, Fellipe Mateus e Tiago Marques se tornaram os jogadores mais importantes do time.   

Com uma partida impecável, Bruno Recife foi um dos principais responsáveis pela segunda vitória da Locomotiva sobre o Bangu, nos presenteando com a liderança do Grupo A8.  Com um gol e uma assistência nos três jogos com influência de Paulo Roberto (Cabofriense e 2x Bangu), seu apoio ofensivo foi crucial, visto que o flanco mais utilizado pelos comandados do técnico, nesse último jogo, foi o esquerdo. Com a cobertura de Nando ou Tony em muitos momentos defensivos, o ala de 38 anos não precisou se preocupar com o espaço deixado no setor defensivo, pois era constantemente coberto pelos meias grenás. Agora, falando sobre Tony, o experiente maestro afeano é responsável pela articulação do jogo, realizou uma assistência dentre os 9 gols marcados nos últimos três jogos, porém, seu desempenho vem aumentado com a sequência da competição. Com a função de movimentar o jogo com seus passes curtos e longos, o maestro voltou a ser o Tony do Paulistão de 2019 e 2020.   

Adiantando mais, temos Fellipe Mateus, o armador que tanto faltou esse ano. Com excelentes passes e domínios, além de jogar mais pelo lado direito, o camisa 10 pode se deslocar livremente segundo as táticas do "Paulo-Robertismo". Com dois gols nos três mais recentes duelos, Fellipe viu uma drástica mudança em sua forma de jogar com a chegada do novo "mister", mudança essa que alavancou seu futebol e tornou-o o cérebro criativo desta equipe, ao lado de Tony, jogador com quem jogou em 2019 na Ferroviária e no Figueirense. Por fim, Tiago Marques, um velho conhecido, surge como principal esperança de gols nessa recente luta pela liderança. Com a contusão de Bruno Mezenga, o jogador, que soma sua 4ª passagem pela equipe de Araraquara, teve sua chance como camisa 9 e não decepcionou. Com três gols em três jogos, o atacante tomou o Bangu como sua principal vítima: em duas partidas contra os banguenses, Tiago anotou três belos gols, correspondendo ao "antigo amor afeano", o qual foi revitalizado este ano, depois de ser esquecido após uma saída conturbada em 2017, mesmo tendo marcado gols importantes como os contra a Ponte Preta, o ASA-AL, o Ituano e o Fluminense (em 2016).  

Nos últimos dois jogos, ambos contra o Bangu (final e início de turno) a Locomotiva enfrentou um time que joga no "Estilo Klopp de ser", porém, diferente do time que encantou a Europa e o Mundo, os cariocas possuem uma recomposição lenta, que acarretou gols marcados pela Ferroviária, pois seu estilo de jogo sabe se aproveitar dessas falhas de reconstruções lentas. O time, mandando seus jogos no Estádio Moça Bonita, conta com Miller, Anderson Lessa e Felipinho como seus jogadores principais. Inclusive, o gol marcado no primeiro jogo (3 a 1) foi pontuado pelo último citado, Felipe Pereira da Silva, ou só Felipinho mesmo. O estilo do time carioca se difere do outro clube nascente do Rio de Janeiro, enfrentado recentemente pela Ferroviária e que se tornará seu próximo adversário: a Cabofriense. Com muita movimentação ofensiva, entrada de um volante no meio da zaga para a criação de jogo e laterais que fazem seus importantes papéis ofensivos, o time de Cabo Frio receberá a Ferroviária mirando a liderança. O atual vice-líder, a dois pontos da equipe grená, vem de duas boas vitórias contra a equipe do Toledo, lanterna do grupo A7. Além disso, a equipe, que conta com Gama, Sillas e Willian como seus principais jogadores, precisa de uma vitória como essa para se tornar convincente perante os seus torcedores na Série D.  

Além desse próximo jogo frente a Cabofriense, a Ferroviária enfrentará Mirassol (C), Toledo (C), Cascavel (F), Portuguesa-RJ (F) e Nacional-PR (C). Com uma relativa melhora ao futebol apresentado no primeiro turno por Dado + Léo Mendes, a expectativa afeana é de manter essa liderança. Com um técnico que já conhece Nando Carandina, Branquinho e Dudu Vieira, a espera sobre os três jogadores, que vieram da melhor campanha paulista pré-paralisação e eram comandados pelo PR, é grande. Colocando minha opinião nessa finalização textual, creio que a Ferroviária possui elenco e capacidade para manter essa liderança e mais tarde, quem sabe, estrelar na fase de mata-mata.