Os danos da retórica populista de extrema-direita sobre a democracia

Atualmente na berlinda, a democracia é um dos termos mais polissêmicos do vocabulário político.

| ACidadeON/Araraquara -

A democracia corre risco em um contexto de ascensão do populismo da extrema-direita? 
Atualmente na berlinda, a democracia é um dos termos mais polissêmicos do vocabulário político. A trajetória do conceito tem viagem de longa data e nem sempre teve o mesmo consenso sobre suas virtudes como adquiriu ao longo dos séculos XX e XXI. O século XX foi testemunha da generalização da democracia enquanto forma de governo, presenciando processos de democratização ao redor do mundo. Contudo, após um período de expansão democrática e de aproximação entre Estado e sociedade civil, crises de ordem política, institucional e representativa instauraram-se nas democracias contemporâneas e colocaram em questão a legitimidade do regime. Aliada a isso, as escaladas autoritárias de governos de extrema-direita aprofundaram o cenário de crise, valendo-se do desgaste das classes políticas, dos partidos e da própria atividade política.  

Essa crise da democracia representativa ocorre num contexto de ascensão do populismo de extrema-direita, o qual consiste num estilo de retórica política inflamada e anti-establishment, alimentada por demandas de um eleitorado que se sente excluído ou negligenciado pelas forças político-partidárias. Frequentemente, este fenômeno vem associado a elementos de outras ideologias como o autoritarismo, racismo, machismo, aversão a minorias políticas e ódio contra a esquerda em geral. Em sua retórica, busca sempre a construção de um inimigo a ser responsabilizado pelas frustrações coletivas e, mesmo quando se estabelece no poder, procura atribuir a culpa de sua incapacidade de lidar com problemas complexos aos segmentos forjados em seu discurso como "inimigos do povo".  

Afinal, quais os perigos do populismo de extrema-direita para a democracia? O quadro apresentado expõe, no limite, a suscetibilidade de instituições e grupos políticos minoritários. O efeito corrosivo sobre instituições democráticas promove a fragilidade e o desgaste institucional e, além de incorrer em problemas de governabilidade e desequilíbrio entre os poderes, tem efeito sobre a confiança política e a legitimidade do regime democrático. Em relação às minorias políticas, os impactos do populismo de extrema-direita são também perversos, sobretudo quando encontra solo fértil no tecido social, isto é, quando encontra lastro de acomodação em valores autoritários já arraigados na sociedade brasileira, marcada pelo racismo estrutural, elevados índices de feminicídio, crimes de homofobia, transfobia e outros. Isso afeta não somente o desenvolvimento de políticas públicas em favor dessas minorias, mas também intensifica formas de violência e segregação já incidentes sobre elas.  

Os efeitos indiretos, por vezes não mencionados, do discurso populista de extrema-direita são tão nefastos quanto suas ações diretas. O caso da criança de apenas 10 anos, vítima de abusos sexuais e engravidada pelo próprio tio, que teve sua identificação e o endereço onde faria o procedimento de aborto legal divulgados por uma militante de extrema-direita e foi constrangida por um grupo de fanáticos religiosos e conservadores, é um exemplo de como o discurso pode incitar a violência, mesmo que indiretamente. Outro exemplo recente é o caso do mestre Moa do Katendê (63 anos), vítima de homicídio por motivação política em outubro de 2018, na cidade de Salvador BA. O que faz com que pessoas se sintam legitimadas a constranger direitos assegurados constitucionalmente ou mesmo incitadas a praticar a violência explícita? O problema não são apenas os despachos burocráticos de quem ocupa cargos eletivos; a questão é que o discurso destes pode estimular comportamentos intolerantes, autoritários e violentos de pessoas comuns.   

OBS: O blog Multipli_Cidade é feito coletivamente e apresenta, semanalmente, textos inéditos de uma rede de pesquisadores vinculados ao Laboratório de Política e Governo da UNESP/Araraquara.