Aguarde...

ACidadeON

Voltar

colunistas e blogs

A história dos clubes paulistas no Brasileirão de 2019

A classificação de São Paulo e Corinthians para Libertadores do ano que vem revela como nosso campeonato é nivelado por baixo

| ACidadeON/Araraquara

Corinthians e Santos ficaram no 0 a 0. (Foto: Daniel Augusto Jr./Agência Corinthians)
Findado o Brasileirão de 2019, vale a pena contar a história dos clubes paulistas na competição.  

O Santos praticou um modelo de jogo que consistia em ter o domínio da posse de bola para abrir espaços na defesa adversária, jogando com muita amplitude, com um jogador sempre atuando no limite da extremidade lateral do gramado.  

Com isso, o jogo se desdobrava na troca de passes em um determinado setor do campo, com o objetivo de atrair a marcação rival, para atacar a região oposta. Uma inversão de jogo acertada encontrava um atleta livre do outro lado, ao mesmo tempo que abria espaços na linha defensiva do oponente.  

O time também era muito eficiente ao realizar uma triangulação entre um meio-campista, um extremo e um lateral, para criar espaços livres nas costas dos defensores rivais.  

Eficiente em sua estratégia, o Santos de Jorge Sampaoli fez um campeonato acima do esperado, terminando a competição em segundo lugar.  

Para falar de Palmeiras, São Paulo e Corinthians, é preciso abordar as respectivas trocas de treinadores.  

Com Felipão, o Palmeiras atacava em transição rápida, buscando a recuperação da bola no campo de defesa adversário. Além disso, o time era muito forte bolas nas paradas, tanto que o lançamento lateral direto para a grande área se tornou uma marca registrada do time. Contudo, a defesa, que sempre foi sólida, começou a passar por maus bocados e que, aliada à falta de resultados depois da Copa América, levou à demissão de Luiz Felipe Scolari.  

Com Mano Menezes, o Palmeiras continuo sendo um time de ataque direto, mas que evoluiu em seu repertório ofensivo.  

Junto à transição rápida, o time alviverde ganhou o jogo apoiado como uma nova ferramenta, o que potencializou as jogadas em profundidade de seus atacantes.  

Entretanto, a recuperação que visava o título não aconteceu, e a expectativa desmedida interrompeu um trabalho que poderia ser promissor. A última vez que o Palmeiras começou e terminou o ano com o mesmo treinador foi em 2013, sob o comando de Gilson Kleina.  

No São Paulo, a principal dificuldade da equipe foi a baixa produção ofensiva.  

Com Cuca, o tricolor do Morumbi até conseguia se organizar para o momento ofensivo, chegando ao ataque com domínio da posse de bola. Entretanto, nem sempre ter a bola se traduz em volume de jogo. Sob seu comando, foram 21 jogos e apenas 23 gols marcados.  

A chegada de Fernando Diniz teria como objetivo a ampliação do repertório ofensivo do clube, o que não aconteceu. Na prática, o time mudou muito pouco. Com o atual treinador, foram 17 jogos e míseros 16 gols marcados.  

O ponto forte do São Paulo foi a defesa, a melhor do campeonato, que sofreu apenas 30 gols durante toda a competição.  

O São Paulo troca de treinador como quem empurra a poeira para debaixo do tapete. As vassouras são os conselheiros do clube.  

O Corinthians, por fim, foi oscilante em todo campeonato, vivendo um duro processo de involução quando comandado por Fábio Carille.  

Na busca por praticar um jogo mais propositivo, a equipe corintiana debilitou sua defesa e não conseguiu transformar em prática suas intenções ofensivas. Desse modo, o clube desequilibrou o seu jogo. Defensivamente, o time realizava uma marcação pressão inoperante, o que deixava um vazio entre seu meio-campo e a última linha de defesa; ofensivamente, havia pouca mobilidade no setor de ataque, em que o cruzamento na área aparecia como único recurso.  

Ao assumir o time, o técnico interino Dyego Coelho promoveu mudanças na estrutura da equipe e deu início ao trabalho de renovação que será conduzido por Tiago Nunes.  

De qualquer modo, o fato de São Paulo e Corinthians conseguirem a classificação para a Copa Libertadores do ano que vem revela como a alta competitividade do nosso campeonato é nivelada por baixo.

Mais do ACidade ON