A gestão política da relação entre treinador e torcida

Nessa posição, recomenda-se que um treinador não expresse simbolicamente que sua equipe está negando fogo para enfrentar um oponente histórico

| ACidadeON/Araraquara -

Cumprimento entre Abel Ferreira, do Palmeiras, e Vitor Pereira, do Corinthians. (Foto: Vinicius Nunes/Agência F8/Gazeta Press)
 

Após a derrota por 3 a 0 para o Palmeiras, Vitor Pereira foi prontamente depreciado por estrangeiro, como se estivéssemos perante um sujeito alienado, quase ignorante, que escalou um "time alternativo" para um clássico porque ainda não havia compreendido a magnitude de um derby. Um sintoma do nosso narcisismo quando o tema é bola, por subentender que jogos entre Porto e Benfica ou Fernerbahce e Galatasaray são vividos como se fossem amistosos, de tradição inferior em comparação com as grandes rivalidades da nossa terra, sequer oferecendo preparo sobre o que seria treinar um clube como o Corinthians. 

Contudo, depois de somar quatro pontos dos seis disputados com o Boca Juniors na Copa Libertadores, a ferida aberta na peleja com seu maior rival já não arde tanto quanto antes.

Esse estigma já foi imputado também em Abel Ferreira. Pelo mesmo resultado, seu time perdeu para o São Paulo no Brasileirão passado, com o conterrâneo de Vitor Pereira se valendo do mesmo expediente ao poupar seus titulares para um duelo decisivo contra o Atlético Mineiro pela Libertadores, como foi para o Corinthians ao encarar o Boca Juniors. Àquela altura, houve quem afirmasse que, por ser português, alguém que já tinha conquistado a América contra um rival do mesmo estado não detinha noção da importância dos clássicos jogados em solo brasileiro.

Quando Dudu balançou as redes do Mineirão, garantindo o empate que levou o Palmeiras para a final continental -- em que se sagraria mais uma vez campeão --, o contorno dramático daquela derrota diluiu em um instante.

Portanto, para além da narrativa irracional, que atribui desconhecimento de causa para determinados profissionais por sua nacionalidade, existe também um argumento subjacente nessa posição que sugere que um técnico priorize a tradição em detrimento do planejamento estratégico concebido visando os objetivos finais da temporada.

Nessa posição, recomenda-se que um treinador não expresse simbolicamente que sua equipe está negando fogo para enfrentar um oponente histórico, como se assumisse, logo de saída, entrar enfraquecido em uma batalha que possui profundo significado cultural para a sua comunidade. Isso revela, em alguma medida, que o técnico inevitavelmente deverá tomar uma decisão que detém conteúdo político ao escolher os jogadores que estarão em campo, pela dinâmica de representação que enseja definir aqueles que interpretarão os anseios da torcida.

Todavia, a conquista do Campeonato Espanhol, as remontadas memoráveis na Liga dos Campeões e a possibilidade de somar mais um troféu europeu em sua galeria, fizeram a goleada sofrida pelo Real Madrid por 4 a 0, jogando em pleno Santiago Bernabéu, para um Barcelona ainda em reconstrução, uma passagem miúda para a história merengue na atual temporada. Da mesma forma, o gol de Betão que derrubou o São Paulo no Morumbi, em 2007, não se sobrepõe ao fato de que o Corinthians foi rebaixado no mesmo ano em que o tricolor foi bicampeão brasileiro, assim como a vitória são-paulina por 3 a 1, em 2012, antes da final do Mundial de Clubes, cai no esquecimento após a cabeçada de Paolo Guerrero tocar o fundo da rede defendida por Petr Cech.

Assim sendo, tendo em vista que os treinadores sempre serão medidos pela régua do resultado, mesmo que seja para fazer uma gestão política da sua imagem em busca de apoio dos torcedores, não há razão para que suas convicções sejam traídas, nem mesmo em clássicos. Afinal, como a história revela, o último capítulo continuará sendo o que realmente importa para a torcida.