Aguarde...

ACidadeON Araraquara

Araraquara
mín. 20ºC máx. 36ºC

cotidiano

Servidores municipais querem aumento de 7,25% no salário

Pauta de reivindicações com este e outros pedidos será enviada para a Prefeitura e segue em negociação

| ACidadeON/Araraquara

Servidores fecharam a pauta de reivindicações (Foto: Amanda Rocha)
Os servidores municipais estão enviando para a Prefeitura uma pauta de reivindicações, onde pedem, entre outras coisas reajuste de 7,25% no salário. O documento foi formulado em uma reunião realizada na última quinta-feira (11) e agora segue para negociação com o Executivo. Em Araraquara são cerca de seis mil funcionários públicos municipais.  

"Dos 7,25% que estamos pedindo, 3,75% são equivalentes à inflação, são perdas salarias acumuladas", explica Marcelo Roldan, diretor do Sindicato dos Servidores Municipais (Sismar).  

Roldan destaca que há quase um mês estão sendo feitas reuniões para discutir as reivindicações de cada secretaria. Destes encontros 61 demandas foram selecionadas para entrar na proposta enviada para a Prefeitura.  

Entre os pedidos dos trabalhadores estão, por exemplo, a manutenção do local de trabalho e a substituição de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs). "Algumas coisas são absurdas, os trabalhadores não deveriam estar pedindo equipamento de proteção, ainda mais em uma cidade do porte de Araraquara", ressalta Roldan.  

Nas reivindicações estão também adicionais para os trabalhadores do serviço de urgência e emergência e adicional de insalubridade para merendeiras. "Para se ter uma ideia cerca de 30% das merendeiras são afastadas por problemas de saúde causados pelo cumprimento da função na cozinha", diz ele.  

Roldan opina que a Prefeitura tem muitas outras prioridades e o funcionalismo público acaba sendo deixado de lado. "A Prefeitura gasta muito dinheiro com outras coisas e não investe no quadro de pessoal", diz ele.  

Outro lado
O prefeito Edinho Silva (PT) diz que está aberto ao diálogo com os servidores. "Vou dialogar com o sindicato como sempre faço e fazer as contas. Todo mundo sabe que a situação econômica do País está ruim, economia em crise, aumento do desemprego. Araraquara sente estes efeitos, teve queda na arrecadação e no repasse de recursos, mas vamos dialogar, sempre", finaliza.