Aguarde...

ACidadeON Araraquara

Araraquara
mín. 20ºC máx. 36ºC

cotidiano

Pesquisadores da Unesp de Araraquara são afetados pelo corte da Capes

Um estudante de Moçambique, da faculdade de farmácia, chegou nesta semana e está sem a bolsa prometida

| ACidadeON/Araraquara

Pesquisadores da Unesp serão afetados por cortes da Capes 
Um estudante de Moçambique chegou nesta semana na Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Araraquara para fazer pós-graduação em Alimentos e Nutrição, dentro da Faculdade de Ciências Farmacêuticas. Ele deixou seu emprego em outro continente para ser pesquisador no Brasil, mas chegou e já teve seus planos frustrados. Sua bolsa de estudos, no valor de R$ 1,5 mil foi suspensa Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), ligada ao Ministério da Educação (MEC).  

Assim como a bolsa do jovem de Moçambique, em toda a Unesp - presente em 24 cidades do Estado - foram recolhidas 189 bolsas de estudo, sendo 89 de mestrado, 97 de doutorado e três de pós-doutorado. Para se ter uma ideia, somente na Faculdade de Ciências Farmacêuticas, que fica em Araraquara e é uma das mais renomadas do País, 14 bolsas de mestrado, uma de doutorado e duas de pós doutorados foram suspensas.  

A suspensão das bolsas de pós-graduação (mestrado, doutorado e pós-doutorado) da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), ligada ao Ministério da Educação (MEC), poderá afetar pesquisas e interromper o avanço da ciência no país.  

"Vejo problemas a curto e médio prazo. Imediato é o impacto na vida individual de cada pessoa, em médio prazo, me preocupo com o futuro da pesquisa no País, como ficam as futuras gerações", diz a professora Juliana Campos, coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Alimentos e Nutrição.  

De acordo com a Capes, 3.474 bolsas de pesquisa serão retidas em todo Brasil. A medida afeta 3,4% do orçamento das universidades federais.  

Em Araraquara a Unesp tem matriculados mais de 4,4 mil alunos em cursos na área de humanas, ciência e saúde.  

Em nota, a universidade diz que o recolhimento destas bolsas ocorre em um período do ano em que existem muitas para serem atribuídas, após os processos seletivos realizados no primeiro trimestre.  

"A maioria destas bolsas exige dedicação exclusiva dos estudantes. Ou seja, os cortes atingem muitas pessoas que deixaram de lado o emprego e outros compromissos profissionais ou pessoais para estudar e produzir conhecimento. Há casos também de estudantes que já possuíam bolsas da Capes e não estão conseguindo reativá-las, após período de estudos no exterior", diz nota.
 
Preocupada com os danos que a medida pode causar à ciência do Brasil, a Unesp vai trabalhar em parceria com o Fórum Nacional de Pró-Reitores de Pós-Graduação e Pesquisa para que os cortes sejam revertidos.
Para a Associação Nacional de Pós-graduandos (ANPG), que critica a forma como o governo busca economizar recursos, a medida "fere de morte" o ensino superior do País e pode acabar "enterrando qualquer possibilidade de retomada do desenvolvimento brasileiro e de futuro".  

Entenda o que é a Capes
A Capes é uma fundação do Ministério da Educação (MEC) responsável por avaliar os cursos de pós-graduação, divulgar as informações científicas, promover a cooperação internacional e fomentar a formação de professores para a educação básica.  

Ela foi criada em 1951 e oferece, ao todo, quase 200 mil bolsas de estudo em 49 áreas de estudo para universitários da rede pública e privada: são 92.253 bolsistas na pós-graduação (no Brasil e no exterior) e 107.260 bolsista de programas de formação de professores da educação básica.  

Os valores das bolsas são de R$ 1,5 mil para o mestrado e de R$ 2,2 mil para o doutorado.


Mais do ACidade ON