Aguarde...

ACidadeON

Voltar

cotidiano

Muriçocas invadem Araraquara com tempo quente e chuva

Conheça as diferenças morfológicas entre o Aedes e o pernilongo Cúlex, também conhecido como muriçoca

| ACidadeON/Araraquara

Conhecido como muriçoca, Araraquara enfrenta infestação de Culex (Foto: Divulgação)
 
Em época de estiagem intermediada pelas chuvas de verão, como a atual, é comum se observar pela cidade a proliferação maior de pernilongos, principalmente em bairros próximos a córregos ou em áreas de preservação ambiental.  

É que a exemplo do Aedes aegypti (mosquito transmissor da dengue), o Cúlex, que é o pernilongo comum, utiliza basicamente os mesmos locais para se reproduzir além das áreas já citadas, seus criadouros incluem materiais inservíveis descartados irregularmente em terrenos baldios.  

O coordenador de Vigilância em Saúde, Rodrigo Ramos, aponta diferenças morfológicas entre o Aedes e o pernilongo Cúlex: o primeiro é preto com manchas brancas e tem hábitos diurnos para se alimentar preferencialmente em domicílios. Já o pernilongo é marrom e tem hábitos noturnos, além de característica silvestre.  

Ramos explica que pernilongos não transmitem nenhum tipo de doença, principalmente no Estado de São Paulo. Porém, além do zumbido perturbador, sua picada provoca grandes incômodos, por ser doída e causar manchas vermelhas pelo corpo em crianças e idosos e principalmente em pessoas alérgicas.  

Araraquara tem várias equipes de agentes da Vigilância atuam contra o Aedes aegypti no combate à dengue, enquanto uma delas realiza ações de prevenção ao Cúlex.  

Vale destacar que no combate à dengue, os agentes realizam os trabalhos de casa em casa pela cidade, orientando a população e combatendo os criadouros com larvas.  

"Um dos fatores para o surgimento das larvas do pernilongo é a estiagem que provoca a diminuição da vazão dos córregos", reitera.  

Vale também destacar que no combate aos criadouros da dengue às vezes são aplicadas larvicidas, ou até inseticidas quando há confirmação de casos da doença.  

Ainda segundo Rodrigo Ramos, o larvicida biológico é aplicado com controle em pontos da cidade onde são encontradas maiores quantidades de larvas. "Mas é importante ter cuidados adequados na utilização do inseticida, como medida de saúde pública", orienta.  

Para Ramos, o mais importante é que cada cidadão vistorie seus próprios imóveis no combate às larvas e os locais de potenciais criadouros do mosquito, como bebedouro de animais, vasos de flores sem areia, parte inferior traseira das geladeiras, além de lajes e calhas das casas e inservíveis espalhados nos quintais.

Recomendações
"É preciso que a população cuide bem de todos esses locais, já que a preocupação tem que ser constante em relação aos dois mosquitos", enfatiza.  

O coordenador de Vigilância dá outra dica contra a proliferação dos mosquitos e também contra escorpiões: a utilização de telas nas janelas. "Trata-se de uma barreira mecânica que evita bastante o mosquito", assegura.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Mais do ACidade ON