Aguarde...

ACidadeON

Voltar

cotidiano

Rachadura e erosão preocupa quem passa em ponte dos Machados

Via liga Araraquara a Ribeirão Bonito; Prefeitura diz que Defesa Civil monitora local e não há necessidade de interdição

| ACidadeON/Araraquara

 


Quem passa pela estrada Abílio Augusto Correa, na altura do bairro dos Machados, aqui em Araraquara, está preocupado com as condições da ponte. A Prefeitura afirma que a Defesa Civil está monitorando constantemente a estrutura da ponte, e que não há necessidade de interdição.  

Uma erosão embaixo da estrutura de concreto já começa a se formar e também tem rachadura. A falta de uma estrutura de proteção também preocupa quem passa por ali, já que a ponte fica a poucos metros de uma curva. A situação se agrava sempre que chove porque o nível do Córrego do Ouro aumenta e o trecho fica alagado.  

Rachadura preocupa quem trafega sobre ponte no bairro dos Machados (Foto: Milton Filho/CBN Araraquara)

A mesma água que inunda a Via Expressa sempre que chove com mais intensidade causa transtorno em outro bairro, que fica a poucos quilômetros dali e que muita gente desconhece: o bairro dos Machados, próximo a Unesp.  

Á água que cai na cidade aumenta o nível do Córrego do Ouro e é ai que mora o perigo. Além do ponto de alagamento, comum nesta época do ano, a pressão da água tem agravado a situação da ponte sobre o córrego, no bairro dos Machados.
Uma erosão embaixo da estrutura de concreto já começa a se formar. O comerciante Silvio Bastos tem um bar em frente à igreja e está preocupado com o problema.  

"Todo ano na época da chuva aquela cabeceira da ponte começa a afundar. Eles arrumam, mas a coisa é paliativa, não é algo definitivo. Eles chegaram a fazer um concreto no guard rail. Tiraram o guard rail quebrado e colocaram concreto onde a água vem e passa por cima da enchente, ela fica pressionando e a ponte está para cair", afirma.  

Além da erosão, a falta de uma proteção aumenta o risco de quem passa pela estrada Abílio Augusto Correa. Outro problema é uma rachadura que se forma no centro da ponte, que fica a poucos metros de uma curva. Para desviar desta rachadura, muitos condutores acabam desviando para faixa contrária.  

"Ela é muito estreita, passa um caminhão por vez, se passar dois, bate o espelho um no outro, pois é bem estreita. Em um dos lados ela afundou, aí os carros usam o outro lado e pode ter uma colisão até fatal, porque não tem visão por ser na curva", explica Silvio Bastos.

A sensação de perigo é maior para quem passa constantemente pelo local. O agricultor Matheus do Carmo Câmara, 35 anos, sempre morou no bairro dos Machados. Ele teme pela segurança dele e dos demais moradores do bairro.  

"Você pode ver que ela afundou né. Tem que passar devagar com o carro, porque tem a rachadura e é perigoso até cair no Rio do Ouro", teme. 

Segundo ele, o problema começou a aparecer há 7 anos.  "Vem, arruma de mau gosto e quando dá a chuva leva tudo embora de novo. Eles jogaram apenas concreto e asfalto, vem a chuva e abaixa tudo de novo. Não adianta nada o que estão fazendo", afirma.

A estrada Abílio Augusto Correa é importante porque leva Araraquara ao bairro dos Machados, ao Assentamento Bela Vista, ao distrito de Guarapiranga, e também a cidade Ribeirão Bonito.   

Trecho preocupa motoristas que acessam a via no bairro dos Machados (Foto: Milton Filho/CBN Araraquara)

O comerciante Antônio César Colombo mora no bairro dos machados há 30 anos e acompanhou de perto a deterioração da ponte.  

"Essa ponte é da época de carroças ainda. Nunca foi mexida, foram feitos alguns reparos, mas coisas leves. Nada que resolvesse o problema. Agora está em uma situação de calamidade, uma hora vai acontecer uma desgraça e vai ficar pior a situação", relata.

Ainda de acordo com o comerciante, a estrutura não comparta as mudanças da cidade.  "A ponte está cedendo, é muita enxurrada, pega a água de toda a cidade do Córrego do Ouro aqui. Então choveu vai alagando e água chega até a transbordar. Vai comendo por baixo e chega uma hora que vai acontecer o pior. Fizeram algo, deram uma recapeada nela, uns reforços, mas não resolve, a enxurrada é muito forte".

O medo de quem depende da ponte, como o comerciante Silvio Bastos, é que sem ela, até mesmo a renda, seja prejudicada.  "Eu dependo de fregueses que passam por aqui e vão a Ribeirão Bonito ou voltam de lá, ou de Dourado, porque é um dos desvios do pedágio de Boa Esperança, então sem ela fica difícil", finaliza.  

Fala, Prefeitura!
Em nota, a Prefeitura informa que a Defesa Civil está acompanhando constantemente a estrutura da ponte no bairro dos Machados e que engenheiros da secretaria de Obras e Serviços Públicos estiveram no local.

A avaliação é que a ponte, devido à ação do tempo, precisa de algumas intervenções, as quais serão feitas pelo setor competente assim que houver estabilidade climática. A avaliação técnica é que não há necessidade de interdição.