Aguarde...

cotidiano

Clube 22 de Agosto deixou saudades e lembranças para os araraquarenses

Na década de 70, 80 o Clube 22 de Agosto foi um símbolo na cidade que reunia os jovens aos finais de semana em torno de muita diversão

| ACidadeON/Araraquara

Um clube que deixou saudades e lembranças para os araraquarenses (Página - 22 de Agosto, o mais querido)
"Falar do Clube 22 de Agosto é falar de vida, de saudade e é falar de uma época que marcou muita gente em Araraquara. Esse clube foi fantástico para a toda uma juventude que vivenciou a década de 70. Era um local de muitos encontros, de paquera e de casamentos. Tudo acontecia no 22 de Agosto".  

As lembranças do representante comercial Eduardo Soranso, de 57 anos, é a mesma de muitos que frequentaram o Clube 22 de Agosto nas décadas de 70 e 80. "Lembro como se fosse hoje. Eu e meus amigos conversando, sentados na areia da prainha ou na roda de samba que acontecia embaixo das árvores. Era uma delícia, todos os finais de semana estávamos lá. No final da tarde, íamos para a casa nos trocar e seguíamos para a sede social do clube, onde o som era comandado pelo Chiquinho", conta autônoma Silvia Regina Anselmo, de 54 anos. 

UMA PRAIA NA CIDADE

Pode até parecer difícil de acreditar, mas Araraquara tinha sim uma praia. Ela ficava onde ainda hoje funciona a sede de campo do Clube 22 de Agosto e deu um tom especial ao local até os anos 90.  

"A prainha ocupava muito espaço e o número de sócios era cada vez maior. Por conta disso, eles puseram fim a prainha e foram construindo as quadras, estacionamento e tudo mais", explica o historiador Hamilton Mendes.   

 
COMO TUDO COMEÇOU
Em 1959, o então o Clube Lago Azul contava com 12 mil metros quadrados e pouco mais de 200 associados. O local foi projetado por Olympio Ferreira, que sonhava em construir uma sede de campo para a Associação Atlética Banco do Brasil (AABB).
Para isso, Olympio adquiriu uma parte da fazenda de Eduardo Borges, localizada entre o São Geraldo e o Santana. Entretanto, sem acordo com a AABB, ele começou a construção de um pequeno clube, aproveitamento que uma nascente no local formava um lago. 

UNIÃO COM O 22
Nesta época, o 22 de Agosto era um outro clube, uma entidade social e esportiva em ascensão, que anos depois acabou absorvendo o Lago Azul e os sonhos de Olympio Ferreira.
Eduardo Soranso lembra que na década de 70 o clube era o top. Todo final de semana ele e os amigos tinham como destino o cinema e depois o clube.   


"O 22 contava com várias turmas que passavam as tardes nadando, conversando na prainha ou jogavam vôlei de praia. Mas a areia da praia deu lugar ao concreto e a famosa piscina do clube. A prainha artificial era muito boa, mas aquela água não era boa para a saúde. Com isso, eles fecharam a prainha e ficaram apenas com a piscina suspensa, que ficava logo acima do restaurante" conta o representante comercial, Eduardo Soranso, de 57 anos.  

Primeira sede social ficava na Avenida Portugal, no Centro (Página - 22 de Agosto, o mais querido)

SEDE SOCIAL
Antes de absorver o Lago Azul, o Clube 22 de Agosto contava com uma sede social. Fundada na década de 40, ficava no antigo Círculo Italiano, localizado na Avenida Portugal. "Quando a segunda Guerra Mundial estourou, o Círculo Italiano precisou mudar de nome e acabou sendo incorporado pelo Clube 22 de agosto", explica o historiador. 

Na década de 70, o clube passou para a sede mais conhecida e tradicional, localizada na Avenida Brasil. O prédio de três andares contava com uma boate no subsolo, um bar no térreo e um grande salão no primeiro andar.  

BOATES E DRINKS
"A noite tinha a boatinha, tape drink, que era show de bola na época. A discoteca seguia até às duas da manhã. Eles traziam lançamentos musicais, importavam músicas antes mesmo delas explodirem nas rádios de todo o Brasil. Lá muita gente conheceu o primeiro amor, que namorou, casou e até se separou, tudo dentro do 22. O clube quando fazia um baile, a gente se preparava um mês antes e, quando vinha banda grande, era uma loucura total", lembra Eduardo.  

O representante comercial conta ainda que a cada final de baile o destino era apenas um: o famoso Ditos lanche. Localizado em frente à sede social. "Era parada obrigatória". "Nessa época o garçom conhecia tanto a gente, que ele marcava o que a gente consumia e sempre pagava depois. Muitos amores surgiram ali, muitos viraram namoro e até casamento Ali também tinham grandes figuras como é o caso do Fefeu, Renatinho Spoto e Galizé, que marcaram época e deixaram muitas lembranças boas".   

Um clube que deixou saudades e lembranças para os araraquarenses (Página - 22 de Agosto, o mais querido)

CARNAVAIS
Ah, o carnaval! Se os preparativos para os tradicionais bailes do Clube, como do Havaí e Baile do Azul e Branco já faziam os jovens se prepararem por dias, o que dizer dos grandes carnavais do 22 de Agosto.  

Os grupos formavam bloquinhos, faziam as camisetas ou preparavam por meses a sua fantasia. "Foi uma das fases mais maravilhosas da minha vida. Todo final de semana eu estava na sede social e o carnaval era delícia. Passo de lá da frente falo para os meus filhos esse foi clube bom", ressalta Silvia.  

Mas as grandes festas e baladas chegaram ao fim, quando a sede social encerrou suas atividades e prédio foi a leilão. Até hoje, o prédio está abandonado.  


PAIXÃO
Eduardo conta que no ano de 1982, quando casou e teve filhos, deixou de ir ao clube, mas sua paixão era enorme e anos depois acabou voltando a ser sócio.  

"Muita coisa havia mudado. A sede social acabou fechando em 2013 e o clube era outro. Mas minha paixão era enorme e em 2014 foi criada a página Grandes Carnavais Clube 22 de agosto. Esse grupo começou com uma foto do clube e acabou crescendo. Fizemos um encontro no clube em 2015, mas depois a página ficou parada. Em agosto de 2019, o grupo estava meio perdido e voltei a colocar foto junto a Célia Delpasso. Decidimos fazer um novo encontro e, desta vez, 1200 amigos compareceram. Como o Saudades dos Grandes Carnavais estava misturando as histórias do 22 com a da cidade, optei por dividir o grupo. Fiz a página 22 de Agosto, o mais querido - com histórias e fotos do clube - e o Araraquara Encantadora, com fotos de Araraquara", explica. 


Mais do ACidade ON