Aguarde...

cotidiano

Macaco é visitante inusitado do bosque da Vila Velosa

Em Araraquara, o bugio foi apelidado de Chico e se tornou amigo dos moradores; biólogos alertam para cuidados

| ACidadeON/Araraquara

Macaco Chico fica na mata do bosque e ganha atenção e comida dos moradores da região (Foto: Rede Social)
 
Um visitante inusitado mais uma vez chama a atenção em uma mata, no Bosque Maçonico, na Vila Velosa, Zona Norte de Araraquara. É um macaco da espécie bugio, que vira e mexe aparece no local e até ganhou um apelido, Chico. 

O macaco anda por toda a praça, atravessa a rua, dá um pulo no supermercado que tem em frente, come na mão das pessoas e posa para foto.   

Macaco também já apareceu no supermercado, que fica em frente da mata (Foto: Rede Social)

"Ele é manso e todos por aqui o conhecem. Ele mora na mata, na praça, gosta de banana e de pão. Ele costuma pegar banana na mão das pessoas", diz o aposentado Carlos Cesar Pereira, de 57 anos.

AMIZADE
A micropigmentadora Selma Helena Diacomo, 47, mora há mais de 10 anos na região e diz que Chico chegou há cerca de dois anos na praça. Ela é amiga do animal e diz que tem um carinho especial por ele. "Alimentamos ele com frutas. Banana é a predileta dele. Apesar da espécie ser perigosa, ele é dócil, amamos o Chico", diz ela.  

Selma tem vídeos e fotos com Chico. "É meu animal de estimação, ele é dócil, uma graça", brinca.    


 
Não é a primeira vez que Chico chama a atenção na região. Em 2018, o ACidadeOn já relatou a visita do macaco no bosque. LEIA AQUI.

CUIDADOS
O biólogo Fernando Magnani diz que este macaco bugio é um animal silvestre e não é comum em áreas urbanas. "É um primata típico do cerrado", explica.  

Magnani diz que o animal se aproxima porque quer comida, mas é preciso cuidado, porque o animal pode ser agressivo. "A aproximação excessiva pode causar acidentes como mordida, atropelamento, excessiva dependência humana, doenças, ataques à cães e mais um monte de desgraças que já vimos acontecer em situações parecidas", diz ele.    



MONITORAMENTO
Simone Cristina de Oliveira, gerente de gestão ambiental e sustentabilidade do Departamento Autônomo de Água Esgoto de Araraquara (DAAE), explica que o bugio está sendo monitorado há três anos e sempre aparece na praça porque encontra um ambiente confortável, já que é alimentado.  

"É um animal que exige cuidados, principalmente no que diz respeito a alimentação. Vamos colocar placas informativas para que as pessoas não alimentem o animal, a ideia é que ele siga sua natureza e sai a caça de seus alimentos. Além disso, o animal pode ser agressivo e as pessoas precisam tomar cuidado", diz ele.

Mais do ACidade ON