Aguarde...

cotidiano

Os segredos da longevidade de Dona Flor, que completa 107 anos

Dona Fiorinda mora em Araraquara, tem muita fé e com saúde comemora mais um aniversário

| ACidadeON/Araraquara

Dona Flor completa 107 anos neste dia 26 de junho (Foto: Arquivo pessoal)
 
Fé, bom humor e uma boa taça de vinho para manter a saúde. Estes são os segredos de dona Fiorinda Rogante de Goday, que neste dia 26 de junho completa 107 anos. 

Dona Flor, como é carinhosamente chamada, mora em Araraquara e figura entre os ilustres anciãos. 

Não dá para afirmar que Fiorinda é a mulher mais velha, mas poucas pessoas chegam a sua marca.  

Em 2010, quando o último censo foi realizado, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estimava que 129 pessoas de 95 a 99 anos moravam em Araraquara; e 25 tinham mais de 100 anos, sendo a maioria mulheres. 

"Ela é lúcida, tem uma boa saúde, não toma remédios. É uma pessoa que trabalhou a vida toda para criar sua filha e seus netos, um exemplo para todos nós", diz Vera Lúcia Perucci, neta da Dona Flor. 

MEMÓRIAS
O que dona Fiorinda viu ninguém apaga de sua memória.  

Ela nasceu em 1913, ano em que foi firmado o Pacto do Ouro Fino, onde os governos de São Paulo e Minas Gerais acertaram uma alternância na presidência do País, que ficou conhecida como política do café com leite. 

De lá para cá as mudanças foram enormes, da república à democracia. Na vida de dona Flor, muitas coisas também mudaram. 

Ela nasceu em Santa Lúcia, filha de imigrantes italianos que vieram para o Brasil para trabalhar nas fazendas de café. Fiorinda teve 10 irmãos, todos tiveram contato com os cafezais das fazendas de Luis Pinto Ferraz, cafeicultor da época. 

Após um período, a família se mudou para Dobrada e lá Fiorinda se casou com Paulo de Godoy. 

"Ele foi seu grande amor, mas o casamento durou apenas seis anos, porque logo ele morreu. Ela seguiu sozinha, com a única filha desta união, Aparecida de Godoy, minha mãe", conta a neta.   

Dona Fiorinda viveu com a sua filha Aparecida durante toda a vida (Foto: Arquivo pessoal)


DONA FLOR E SUA FILHA
Com a filha, Dona Flor se mudou para Araraquara. Logo, Fiorinha conseguiu um emprego, se casou e teve seus filhos, mas sempre próxima a mãe. 

Dona Flor fazia crochê para vender e também gostava de ajudar a filha, cuidando dos netos. 

No dia 27 de junho de 2017, um dia depois de seu aniversário de 104 anos, dona Fiorinda perdeu sua única filha. "Ela e minha mãe viveram juntas a vida toda e foi muito difícil", diz Vera. 
 
Dona Flor e seus netos, Vera e Paulo (Foto: Arquivo Pessoal)

Dona Fiorinda tem dois netos, Paulo Antonio Perruci e Vera Lucia Perruci, e três bisnetos, Gustavo Felício Perruci, André Vitor Roque e Daniela Cristina Roque.  

"Em 2015, dois sobrinhos dela, Antonio Rosa e José Bonavina se empenharam para reunir a família Rogante e assim homenageando-a com uma linda missa e um almoço maravilhoso quando estiveram presentes quase 200 pessoas", conta Vera. 

"Hoje ela mora comigo, é uma pessoa doce e muito querida por todos. Nosso maior orgulho é ela estar completando 107 anos com saúde", finaliza a neta.