Publicidade

cotidiano

Grupo voluntário que atende gestantes carentes pede ajuda

O Grupo voluntário Santa Clara passa por dificuldades devido a furtos e pandemia; voluntárias fazem enxovais há 34 anos para famílias carentes de Araraquara

| ACidadeON/Araraquara -

 

As voluntárias Nancy Michelutti Petroni e Elizabete Zanella ( Foto: Fernando Baldassari/CBN Araraquara)

 O Grupo voluntário Santa Clara, que auxilia gestantes em Araraquara e região, pede ajuda da população para dar sequencia nos seus trabalhos e continuar ajudando mães e bebês carentes.

A tosadora Gabriela Venceslau, de 22 anos, está gravida de cinco meses. Ela conheceu o trabalho do grupo através de uma amiga e ganhou um enxoval de presente. 

"Eu ganhei o enxoval, banheira, ajuda bastante como não tenho nada no momento, ajuda muito", disse. 

 Nancy Michelutti Petroni é voluntária desde 2014. Vice-presidente do grupo, ela contou que os trabalhos ocorrem há 34 anos e são voltados às gestantes carentes de Araraquara e região. 

"O grupo é voltado para auxiliar as mães gestantes, estamos há 34 fazendo esse serviço voluntário, não temos ligação com nenhum órgão, apenas nós. E fazemos esse trabalho voluntario com enxovais para recém nascidos de mães carentes da região", frisou. 

A voluntária Elizabete Zanella tem 75 anos e é uma das fundadoras do grupo. Ela contou que a pandemia da covid-19 trouxe problemas financeiros para o projeto que, para sustentar suas atividades, depende da realização de eventos beneficentes. 

"Para arrecadarmos dinheiros fazíamos chá, desfiles e agora está mais difícil porque não podemos fazer bingo, chá, nada", apontou. 

PREJUÍZOS E FURTOS
Não bastasse o prejuízo financeiro agravado pela crise sanitária, a sede do projeto tem sofrido com furtos. Nancy conta que eles atrapalham ainda mais o desenvolvimento das atividades. 

"Agora estamos enfrentando esses assaltos constantes de nossas fiações, em um ano e meio já fomos assaltadas seis vezes. Furtaram os fios e dessa e ultima vez até o bebedouro", comentou. 

Maria de Fátima Gallo, de 68 anos, também é voluntária no projeto e relatou as dificuldades enfrentadas. 

"É um sufoco, conseguimos construir um salão com apoio legal ao nosso trabalho mas já faz um tempo que temos sendo agredidas com esses furtos e ficamos sem condições de trabalhar, não temos um local seguro para o nosso trabalho, precisamos dar continuidade. Estamos em uma situação crítica", apontou. 

Diante disso, o grupo pede ajuda da população para reforçar a segurança de sua sede, que fica localizada na Rua Euclides dos Santos, 90, no bairro do Santa Angelina, em Araraquara. 

Material de construção e fios para instalação elétrica, além de mão de obra são necessários para o grupo continuar com o trabalho voluntário. 

Além disso, a doação de outros itens, relacionados ao trabalho de costura do grupo, como malhas, estamparias infantis, linhas para crochê e lã, fraldas descartáveis, máquina overlock, entre outros, são bem-vindos. 


COMO AJUDAR?
Quem se interessar em ajudar pode entrar em contato através do telefone 16 - 98205 7578


Mais notícias


Publicidade