Publicidade

cotidiano

Fretadores realizam protesto durante visita de Rodrigo Garcia

Governador este em Araraquara para realizar o Governo na área

| ACidadeON/Araraquara -

Fretadores realizam protesto em frente ao Cear (Foto: Guilherme Leal/CBN Araraquara)
  

Fretadores de Araraquara e região aproveitaram a visita do governador Rodrigo Garcia (PSDB), na manhã desta segunda-feira (23), para protestar.

Os manifestantes colocaram faixas com os dizeres "Os fretadores de São Paulo Precisam de Apoio" e "Salve o fretamento do estado", nos ônibus estacionados em frente ao Centro de Eventos de Araraquara e Região (CEAR), onde o Governador realizava o Governo na área ação que visa intensificar relações institucionais entre autoridades do Governo do Estado.

Segundo a Associação Brasileira dos Fretadores Colaborativos (Abrafrec), três mil empregos estão em risco e 20 empresas ameaçadas de cassação. 

Fretistas realizam protesto em frente ao Cear (Foto: Guilherme Leal/CBN Araraquara)

"Estamos reivindicando que o governador nos ajude a não morrer, as empresas não fecharem. Durante a pandemia da covid nós quase fechamos e agora com a perseguição da Artesp, que quer nos autuar e apreender os veículos, dizendo que nós não podemos trabalhar da forma como estamos trabalhando, locando o veículo para aplicativo de viagens. Nós não vendemos passagens, somos transportadores que somos fretados por aplicativo, por pessoa física ou jurídica", explica Sidney Gazola, associado da Agrafrec.

De acordo com Gazola, a Artesp estaria afirmando que o grupo estaria vendendo passagem, mas os fretadores negam a venda de passagem. "O aplicativo compartilha uma viagem, é diferente de vender uma passagem. A empresa é simplesmente fretada pelo aplicativo. Há empresa que atende 100% no aplicativo hoje e corre o risco de fechar com essa caça às bruxas. Apoiamos a fiscalização, mas queremos que nos deixem trabalhar", conta.

Esta é a segunda manifestação da classe no estado em menos de uma semana. Na última sexta-feira, 20, representantes do fretamento estiveram em Presidente Prudente e receberam uma proposta do governo, que julgam insuficiente.



Publicidade