Publicidade

cotidiano

Dia Mundial do Skate: cenário e desafios em Araraquara

Skatistas da cidade comentam sobre atual momento do esporte na cidade; falta de campeonatos e reforma das pistas são questionados

| ACidadeON/Araraquara -

 

 

Jeff Freitas é referência no skate da Morada do Sol; ele dá aulas no município (Foto: Amanda Rocha)

 

  

 

Atualização 21/06 às  18h22 para posicionamento da Prefeitura de Araraquara


Em 2021, o skate estreou nas Olimpíadas e o mundo viu o talento de garotos e garotas, como a brasileira Rayssa Leal, a Fadinha, com as suas manobras radicais em cima do shape. 

No dia Mundial do Skate, comemorado nesta terça-feira (21), uma galera de Araraquara se dedica de corpo e alma ao "carrinho" e também sonha alto. 

Uma das referências do esporte na Morada do Sol é Jeff Freitas, de 50 anos, skatista desde os seis anos de idade. 

Jeff dá aulas nas escolinhas municipais, na pista do CEU das Artes, no Jardim Indaiá, e na pista da praça Scalamandré Sobrinho, a pista da Ferroviária. Ele literalmente vive e respira o skate diariamente. 

"Para mim skate é estilo de vida, eu vivo skate. Nem ando de moto nem de carro, só de skate pela cidade", apontou.  

VEJA TAMBÉM  

Moradores de diferentes bairros de Araraquara reclamam de asfalto 

Músicos de Araraquara lançam canção infantil com Hélio Ziskind


Além de dar aulas, ele põe a mão na massa- e no cimento: arruma buracos nas pistas e orienta a galera sobre cuidados com o ambiente. 

"Eu dou aulas de skate, mas as pistas precisam estar em boas condições. No momento estou arrumando as pistas porque é preciso um lugar limpo e bem apresentado para que as crianças e adolescentes venham praticar", avaliou. 

Em Araraquara, há três profissionais que ensinam crianças e adolescentes de seis a 16 anos a se equilibrarem sobre as quatro rodinhas. 

 GAROTA SKATISTA

Concentrada e "remando" o seu skate, a pequena Isabella dos Santos Deliccio, de sete anos, praticava na pista da Ferroviária. Ela ganhou um skate de aniversário no começo do mês e começou a frequentar as aulas com o professor Jeff. 

"Meu sonho era andar de skate e no meu aniversário eu ganhei um e equipamentos. Meu pai andava de skate e eu fiquei interessada, comecei a ver notícias e agora faço aulas toda semana, já estou aprendendo", comemorou. 

Jeff disse que aumentou muito o número de meninas skatistas, desde as Olimpíadas.
"O skate teve mais visibilidade e credibilidade nas Olimpíadas, né. As meninas começaram a andar mais por causa da Fadinha e abriu os horizontes. O esporte não é só para meninos", apontou. 

Isabella começou a andar de skate esse ano e é aluna nas escolinhas municipais (Foto: Amanda Rocha)

ADRENALINA E DISCIPLINA
O skate é um esporte individual, onde cada skatista desenvolve um estilo e uma linha de apresentação. 

Segundo Jeff, a maioria dos skatistas locais é de street ( com obstáculos), já que a cidade não tem pista vertical pública. 

O balconista Bruno Coni Soares, 21 anos, o "Bigode" , começou a andar de skate para tentar algo diferente do futebol e refrescar a mente do dia a dia.
Ele anda todos os dias com amigos na pista da Ferroviária, e disse que o skate o ensinou a ter mais disciplina e persistência. 

"Para mim é um esporte de escape dos problemas do dia a dia, e acho muito importante para a saúde do nosso corpo e mente. O skate mudou tudo na minha vida, me faz ser quem sou hoje e, graças a ele eu adquiri disciplina e mais persistência", apontou. 

Para o professor Jeff, o skate ainda não é visto da forma que deveria, como esporte e educação. "Falta muito respeito pelo local que se usa, manter limpo, ter mais conscientização sobre o espaço e cuidar", frisou.   

 

Pistas precisam de reformas, o professor e skatista Jeff Freitas acaba reformando os locais com frequência (Foto: Amanda Rocha)

 

 REFORMA NAS PISTAS

Araraquara possui quatro pistas de skate: na praça do bairro Cecap, no CEU das Artes Indaiá, no Pinheirinho e a da Ferroviária. Porém, skatistas da cidade apontam abandono e falta de manutenção em alguma delas. 

"Na questão das pistas, elas precisam urgente de reforma. A cena do skate está abandonada na cidade porque não tem manutenção nas pistas, não tem reforma e nenhum evento. Eu vejo que falta muito apoio do governo municipal , inclusive para realizar campeonatos e reviver o skate em Araraquara", enfatizou o skatista Bigode. 

No esquema faça você mesmo, típico do universo do skate, o veterano Jeff acaba muitas vezes reformando por conta própria as pistas para praticar e dar aulas. 

"Minha função é dar aulas mas as pistas precisam ser melhoradas para a gente usar. No Pinheirinho precisa recapear o chão, já mandamos a demanda para o prefeito e está no orçamento participativo. No Cecap, a pista precisa de reparos, o chão está muito áspero e não dá para andar direito. Já a pista da Ferroviária é referência aqui e agora está arrumada, com luz novamente. Eu acabo indo atrás e arrumando mesmo", disse. 

O skatista mirim Eduardo Henrique Benedito, de 10 anos, assistia a reforma do professor na pista do Indaiá. Ele começou a praticar no começo do ano e já está "dropando" a rampa mais alta da pistinha. 

Skatista: Eduardo se prepara para dropar a rampa de pista no CEU das Artes do Indaiá (Foto: Amanda Rocha)
 

"Eu vi pela TV uns skatistas e me interessei. Comecei a andar desde o começo do ano e já consigo dropar. Eu tenho o sonho de participar de campeonatos e conhecer pistas de skate maiores", contou. 

Em breve, o professor skatista Jeff pretende correr atrás de patrocínio e realizar campeonatos na Morada do Sol. 

"Os campeonatos estão parados na cidade porque com a pandemia as lojas deram uma quebrada, e elas que geralmente patrocinam os campeonatos. Eu pretendo fazer novos campeonatos, sempre vou fazer o possível pela cena do skate", conclui.  

Em nota, a Prefeitura de Araraquara informou que a pista de skate do Parque Pinheirinho será reformada e que faz parte do projeto da obra da praça inclusiva do Pinheirinho, que está em andamento.  

" A pista e obra da praça inclusiva  foi eleita como prioridade em plenárias na temática das pessoas com deficiência do Orçamento Participativo (OP)", informou a prefeitura.

LEIA MAIS 

DIG aponta adolescente como autor de latrocínio em Araraquara

Publicidade