Aguarde...

ACidadeON Araraquara

Araraquara
mín. 20ºC máx. 36ºC

cotidiano

Inadimplência no 'Minha casa, Minha vida' cresce em Araraquara

Número de beneficiários com atrasos nas parcelas subiu 40% na cidade, neste ano; crise econômica figura entre os motivos

| Araraquara.com

Tribuna Araraquara
Após a demissão do marido, Fabiana ficou sem ter como pagar a parcela da casa (Reprodução/EPTV)


O número de pessoas com parcelas do programa habitacional “Minha Casa, Minha Vida” cresceu 40% nos últimos meses, em Araraquara, por conta da crise econômica. A perda do emprego tem sido um dos principais fatores para a inadimplência dos mutuários.

Há 3 anos, a dona de casa Fabiana de Jesus Martinez Ribeiro realizou um sonho de conseguir a casa própria. A parcela é R$ 36, mas há um ano o marido foi demitido da empresa em que trabalhava e as contas foram acumulando.

“Estamos sem condições. A minha mãe tem que ajudar a gente com comida e com fraldas para a neném. Às vezes, eu peço doação na igreja para poder comer porque senão não tem como”, contou. Agora já são 12 prestações em atraso. Além disso, ainda tem boletos de água, de luz e dos móveis da casa. “Era um sonho e virou pesadelo, tudo atrasado desse jeito, vem cobrança. A gente tem que pagar os móveis, a casa, mas estamos sem condições, não tem renda de lado nenhum”, desabafou.

Problema geral
No Estado de São Paulo, cerca de 30% estão em débito. Segundo o Ministério das Cidades, a partir de três meses de atraso os bancos já podem entrar na Justiça contra o devedor. Em São Carlos, a situação é parecida: 22,6% dos mutuários estão com parcelas com atraso de até 90 dias. Em Rio Claro, 19,3% estão inadimplentes.

Salário estagnado
Para o economista Sandro Gonçalves, os salários não acompanharam o aumento de gastos e esse pode ser um dos motivos para o crescimento da inadimplência.

“Toda aquela parcela que era destina a alimentação, vestuário, transporte e lazer consome uma parte cada vez maior do orçamento dessas pessoas, sobrando muito pouco dinheiro para o básico e muito menos para pagar uma prestação de residência”, explicou.

Renegociação pode evitar mais problemas
Para não perder o imóvel, uma saída é tentar renegociar a dívida. “Não deixar se alastrar por muitos meses o período sem pagar e procurar junto ao banco uma renegociação dessa dívida. Um a parcela mais barata e tentar retomar os pagamentos”, disse o economista.

A catadora Erica Resende pretende seguir esse conselho. Ela está com duas parcelas da casa atrasadas e tem medo que a dívida aumente ainda mais. “Vou tentar renegociar para não perder a casa. Deixo de pagar a conta de água, luz, cortar se tiver, mas a casa é preferencial porque a gente precisa dela”, disse.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Cadastrados

Nome (obrigatório)
Email (obrigatório)
Comentário (obrigatório)
2 comentários
  • Sérgio Saraiva
    08/10/2016 17:08:50
    - E foram esses cidadãos que votaram na DILMENTE DILMASCARADA e nas últimas eleições no Edinho/PT, pessoa essa que responde a inquéritos na Justiça e investigado pela Polícia Federal... Fazer o que né? - Quem planta vento, colhe tempestade é a vida, é a vida!!!
  • Sergio Araújo de Andrade
    07/10/2016 20:53:27
    Um assistencialismo barato e demagogo extremamente populista que só pode dar nisso com suas casinhas de pombo e marginalização de uma faixa de cidadãos.O que precisamos eh de bons e bem pago empregos para podermos ter dignidade.E não sermos subsidiados para enriquecer alguns com suas cadinhas de pombos às vezes menor que um sepulcro.Chega de esmolas, queremos empregos vem osgos.

Mais do ACidade ON