Aposentada vive enclausurada e luta para retirar tumores do rosto

Rejane Aparecida de Carvalho Lopes sonha ter uma vida normal novamente

    • ACidadeON/Araraquara
    • Willian Oliveira
ACidade ON - Araraquara
Rejane convive com os tumores no rosto há quatro anos

 

Rejane Aparecida de Carvalho Lopes tem 60 anos e mora no bairro Yolanda Ópice, em Araraquara. Ela sofre de uma doença rara que faz crescer tumores benignos por todo corpo. Eles são muito parecidos com verrugas que machucam, incomodam e deixam a aposentada constrangida toda vez que sai de casa já que muitos estão espalhados no rosto e pescoço dela.

“São como pequenas bolas, mas vão se transformando até tomarem uma forma parecida com folhas dobradas. Chama muito atenção então eu tenho o sonho de poder tirar isso de mim”, diz a Rejane
Rejane ainda apresenta um quadro grave de asma o que a obriga a ficar quase que 24 horas por dia ligada a um cilindro de oxigênio. “Quando preciso sair levo uma bombinha de ar dentro da bolsa também para ajudar. São essas duas coisas que me faz ficar viva”, detalha.

Além do incômodo estético, os tumores são pesados e provocam muita dor. “Eu só quero ter menos dores no meu corpo, mas para isso eu sonho que algum médico possa me olhar e dizer que pode ter uma maneira de me fazer voltar a ser, nem que seja um pouco, como eu era”, pede Rejane.

ACidade ON - Araraquara
Rejane fica presa também a um cilindro de oxigênio devido a um quadro grave de asma

 

Rejane mora com o marido em uma casa simples do Yolanda Ópice e já passou por diversos médicos e até agora não conseguiu agendar a operação. “Só quero que esse sofrimento termine e que junto do meu

Prefeitura acompanha o caso

A reportagem do Portal A Cidade ON Araraquara procurou a Prefeitura para saber o que pode ser feito para melhorar a qualidade de vida da paciente. Em nota, a assessoria de imprensa do município informou que Rejane recebe todo apoio, atendimento e acompanhamento da rede municipal de saúde.

O texto diz que a paciente está em tratamento pelo Ambulatório Médico de Especialidades (AME) e justifica que a cirurgia para retirada dos tumores não foi feita ainda por uma decisão médica. “Pela paciente ser dependente de oxigênio os médicos decidiram que seria muito arriscado realizar a cirurgia”, diz a nota.

Em relação as necessidades sociais da paciente, a Secretaria de Saúde entrou em contato e Rejane será encaminhada ao CRAS da região dela.
Para você que quer ajudar Rejane mora na Rua Engenheiro Hermínio de Amorim Junior, 328, no bairro Yolanda Ópice . Os telefones para contato são: (16) 3322-0164 e (16) 99250-0738.
 


2 Comentário(s)

Comentário

Daniela

Publicado:

Bom dia, concordo com vc Júlio ela é portadora Neurofibromatose, como eu sou... Mas não tenho tantas complicações como ela, apenas esteticamente, q logo q nasci fui diagnosticada devido as manchas e a partir dos meus 19 anos começaram a nascer os neurofibromas, as " bolinhas".

Comentário

Júlio César

Publicado:

Pela foto e pela matéria escrita creio que essa idosa é portadora de Neurofibromatose, também conhecida como Doença de Von Recklinghausen, é uma doença genética rara que se manifesta por volta dos 15 anos e que provoca o crescimento anormal de tecido nervoso pelo corpo, formando pequenos tumores externos, chamados de neurofibromas. Geralmente a neurofibromatose é benigna. Sou portador de Neurofibromatose no meu caso só foi descoberto com 32 anos de idade é uma doença difícil de ser diagnósticada.