Aguarde...

ACidadeON

Voltar

cotidiano

Acusado de matar Kênya queria moto de volta, diz polícia

Segundo delegado, Almir José, de 38 anos, esfaqueou a estudante após discutir por causa de motocicleta que ele emprestou para a vítima

| ACidadeON/Araraquara

 
O motorista Almir José Gomes Nascimento, de 38 anos, se entregou à Polícia Civil de Araraquara e assumiu o assassinato da estudante Kênya Regina Silveira de Oliveira, de 21 anos, ocorrido na última sexta-feira (9), no Centro de Araraquara.  

De acordo com o depoimento dado pelo acusado, a discussão que resultou na morte da estudante teria sido motivada por uma moto Kawazaki, que estava em posse de Kênya.  

"Ele comprou a motocicleta e passou para a vítima. Por conta de desentendimentos, eles terminaram o relacionamento e o autor do crime pediu a moto de volta. Eles marcaram o encontro, mas a vítima se recusou a devolver a motocicleta e deram início a uma discussão. Ele então deu as duas facadas no pescoço dela", afirma o delegado Fernando Teixeira Bravo, titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG).   

Fernando Bravo (Amanda Rocha)
Investigação
Segundo Fernando Bravo, as investigações começaram no mesmo momento que o crime aconteceu. "No mesmo dia do homicídio nós já começamos a realizar diligências pelo Centro e conseguimos identificar que Almir teria marcado encontro com a vítima naquele estacionamento para pegar a moto de volta", explica. 

A DIG conseguiu o mandado de prisão temporária ainda no final de semana, mas o advogado teria procurado a Polícia Civil, afirmando que ele se entregaria. "O advogado afirmou que ele estava arrependido, pois era trabalhador e sabia que havia feito coisa errada. Agora vamos seguir nas investigações e verificar as informações colhidas", ressalta.   

Jovem é esfaqueada no Centro de Araraquara (Fotos: Amanda Rocha)

Arrependimento
De acordo com o advogado Rafael Matheus Viana de Souza, Almir estaria arrependido desde o dia do crime. "Almir se entregou espontaneamente, pois optou por dar sua versão ao delegado e nenhuma pergunta ficou sem resposta. Ele está arrependido desde o dia do crime", afirma o advogado. 

Ainda de acordo com o advogado, Almir assumiu o crime e afirmou que não pretendia ficar foragido. "Ele entrou em contato com seus defensores e se apresentou. Almir sabia que entraria como um homem livre e ficaria preso", finaliza o advogado.  
 
O acusado irá responder por homicídio qualificado, por motivo fútil e sem chance de defesa da vítima.  

Vítima de feminicídio vinha sendo perseguida por rapaz (Foto: Reprodução EPTV)
Relembre o caso  
A estudante Kenya Regina Silveira de Oliveira, de 21 anos, foi morta com duas facadas no pescoço, na última sexta-feira (9), após discutir com o suspeito, em um estacionamento localizado no Centro de Araraquara. 

A jovem morava em um prédio próximo e alugava uma vaga no estacionamento localizado na Rua Expedicionários do Brasil, para guardar sua moto, uma Kawasaki com placas de Itápolis. 
 
VEJA VÍDEO:  

 


Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso. Para mais informações, consulte nosso TERMO DE USO"

Facebook

Mais do ACidade ON