Aguarde...

ACidadeON Araraquara

Araraquara
mín. 20ºC máx. 36ºC

cotidiano

Acusado de matar Camila Lourenço é condenado a 30 anos de prisão

Após cerca de sete horas de julgamento, Juiz aceitou as qualificatórias de feminicídio, motivo torpe e meios cruéis

| ACidadeON/Araraquara

Ao final do julgamento, amigos e familiares de Camila se reuniram em frente ao Fórum de Araraquara. (Foto: ACidade ON)
 

"Você matou Camila Lourenço? Sim, senhor". Este foi o diálogo mais importante do julgamento de Antonio Marcos Bueno, de 36 anos, condenado a 30 anos de prisão em regime fechado por matar com 22 facadas a jovem Camila Lourenço, de 33 anos, em 09 de abril de 2018.  

"A decisão foi positiva e dá a sociedade uma boa notícia. Mostra para toda a sociedade que relacionamentos não terminam com uma faca no pescoço. Diante da gravidade da infração e de todo o contexto que o crime foi cometido, creio que a pena foi justa", afirmou o promotor Herivelto de Almeida.  

O advogado Jose Roberto Nunes Júnior, que defende Antônio Marcos, entrará com recurso, pois acredita que a pena foi "deveras exacerbada". "Temos certeza que o tribunal terá uma visão mais técnica e apurada".   

Após julgamento, acusado foi levado pela Polícia para novamente à prisão. (Foto: ACidade ON)

Coração de mãe
Para a mãe de Camila, Isabel Cristina Lourenço, 59 anos, a sentença lavou a alma da filha. "Provou que ela não era culpada, como queriam que ela fosse a culpada pela própria morte. Agora minha filha irá descansar em paz e a gente vai recomeçar a nossa vida a partir de hoje". 

Ela ressalta ainda que há um ano vem matando "um leão por dia" para levantar da cama. "Ela era uma pessoa maravilhosa, estava todos os dias em casa. Ficar sem ela é muito difícil e me acostumar com isso, nunca. Não vou me acostumar, ela estará sempre no meu coração", conta.  

Julgamento no Fórum de Araraquara durou cerca de sete horas. (Foto: ACidade ON)

O julgamento
Nesta terça-feira (1) foram cerca de sete horas de um júri emocionante onde pais e familiares relataram como era o relacionamento do casal Camila e Antônio Marcos. 

Os impactos ficaram por conta dos depoimentos da mãe dela e dele. "O relacionamento deles era harmonioso, ela me apresentou como sendo seu futuro marido", disse Isabel Cristina Lourenço, mãe de Camila.  

A fala dela emocionou a todos os presentes, inclusive o réu, que chorou. Isabel acrescentou que nunca imaginou que essa tragédia ocorreria em sua família. "Minha filha era cheia de vida, um suporte para todos nos. Minha filha era meu braço direito e minhas pernas, uma pessoa maravilhosa. Ela saiu para ir até a Prefeitura, no meio do caminho recebeu uma ligação dele e não voltou". 

Na defesa de Antonio Marcos, sua mãe de 68 anos apresentou algumas contradições diante do primeiro depoimento prestado, na época, a polícia. Ela afirmou que o filho estava em casa quando Camila chegou agressiva e foi para cima dele. 

"Eles tinham um relacionamento bom e chegaram a morar juntos, mas mesmo depois que ele voltou para a minha casa eles continuavam se encontrando. Ela ia na minha casa quase todos os dias", afirma. 

Ela diz que tentou apartar a briga e chegou a ser golpeada por Camila, depois disso começou a gritar por socorro. "Quando eu fui atingida escutei ela [Camila] dizendo fui eu". 

Outra testemunha do assassinato foi a sobrinha de Antônio Marcos. "Fui chamada pelo barbeiro, ele disse que estava tendo uma briga na casa da minha avó. Corri para lá e quando cheguei fiquei em choque. A Camila estava deitada no chão do quarto e meu tio deu uma facada no abdômen dela. Eu tentei impedir, mas não consegui, então sai e fui pegar minha filha pequena que estava dormindo no quarto ao lado. Levei minha filha na casa da minha sogra e quando voltei Camila estava morta e meu tio não estava mais na casa", disse.  


Eu matei!
Quando questionado pelo juiz José Roberto Liberal, Antônio Marcos confessou ter matado Camila Lourenço. Convidado a explicar o que aconteceu, ele disse que estava na casa de sua mãe, quando Camila chegou nervosa. Segundo ele, a vítima checou as redes sociais dele e como não encontrou nada atirou o celular. 

Depois disso começou uma discussão e ela avançou com empurrões e mordidas.  "Até que caímos no chão do quarto e ela tentou me esfaquear. Eu vi sangue na minha mãe e fiquei muito nervoso. Só lembro da primeira facada, depois não sei o que aconteceu. Eu fugi por medo", disse ele. 

Brutalidade
A cena de Camila morta no quarto da casa da mãe de Antônio Marcos é algo que chamou a atenção da delegada Meirelene de Castro, que investigou o caso. 

"Quando chegamos na casa tudo estava ensanguentado, sangue por todos os lados. Foi impactante.", disse a delegada que foi a primeira testemunha a depor.   

Camila Lourenço, de 32 anos, foi morta no dia 09 de maio pelo ex-namorado

Falta que ela faz
A irmã de Camila, Valéria Lourenço, relatou a saudade que a família sente. Segundo ela, Camila era doce e acolhedora e ainda hoje faz muita falta. A jovem deixou o filho Yago de 14 anos. "Ela era muito presente e faz muita falta". 

Acusações
O promotor de acusação Herivelto de Almeida enfatizou o problema da violência contra a mulher. "O réu cercava Camila de todas as formas, na vida real e nas redes sociais e quando viu que o relacionamento estava no fim, a matou ". 

Também na acusação estava a assistente de acusação, Josimara Veiga Ruiz. Em nome da família de Camila ela disse que não aceita o argumento de legítima defesa.  

"Camila era linda e independente, mas Antônio Marcos não via ela assim. Ele via ela como sua propriedade", afirma Josimara, que pediu três qualificadoras para Marcos - feminicídio, motivo torpe e meio cruel.   

Defesa
O advogado de Antônio Marcos afirma que trata-se de um caso de legítima defesa. "Ele estava em casa, Camila contrariou o pedido da mãe de Marcos, que falou para ela não ir, e chegou enfurecida na casa dele", diz o defensor José Roberto Nunes Júnior. 

"Se ela não tivesse ido lá talvez estivesse viva", acrescentou.  

Detalhes
No julgamento alguns detalhes foram esclarecidos. Segundo a defesa, Antônio Marcos desferiu 22 facadas em Camila Lourenço, a maioria na região do abdômen, mas teve ferimentos em todo corpo. Na garganta havia um golpe com 12 centímetros de profundidade. 

No início do processo havia sido divulgado 10 facadas, mas as 22 facadas foram provadas após exame pericial. Esta prova foi importante para derrubar a tese de legítima defesa. 

Entenda
Antônio Marcos Bueno foi condenado por assassinar Camila Lourenço, de 32 anos. O casal estava terminando um relacionamento de seis meses. Camila foi até a casa de Antônio Marcos para terminar o relacionamento quando durante uma discussão foi esfaqueada. Ela morreu na hora.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Mais do ACidade ON