Aguarde...

cotidiano

Polícia confirma morte de comerciante desaparecido em Araraquara

José Rossamano estava morando e trabalhando no Jardim das Hortênsias quando foi sequestrado; quatro suspeitos estão presos

| ACidadeON/Araraquara

Carro do comerciante foi encontrado queimado em novembro de 2019; o corpo foi encontrado em março deste ano, em uma estrada vicinal próximo à Motuca (Foto: Rede Social)
 
Após pouco mais de dois meses, o exame necropapiloscópico confirmou que o corpo encontrado em uma cova rasa, na vicinal que liga Motuca a Matão, é do comerciante José Domingos Rossomano, de 67 anos, desaparecido no Jardim das Hortênsias, em 16 de novembro do ano passado.  

O corpo estava em avançado estado de decomposição. Foi realizado o exame necroscópico e obtidas as impressões digitais. O material foi encaminhado para São Paulo. 

"No dia 2 de março foi encontrado um corpo em Motuca com as características da vítima e através das digitais, encaminhadas ao IIRGD [Instituto de Identificação Ricardo Gumbleton Daunt] foi comprovado que se tratava realmente de Rossomano", explica o titular da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), Fernando Bravo.

Ainda de acordo com o delegado, ao longo da investigação cinco suspeitos foram identificados, de modo que quatro estão presos e apenas um segue foragida.

"Começamos investigar em novembro e pela forma como foi feito, tudo indicava que teria sido feito pelo tribunal do crime de uma organização criminosa, porque constava que a vítima teria abusado ou feito convite para algumas crianças de cunho sexual. Nós conseguimos chegar nesta conclusão, pela forma como foi sequestrado e o carro dele, que foi encontrado queimado três dias depois. Tudo indicava que ele teria sido morto, até porque todos os seus pertences estavam na sua casa", ressalta. 

Com as investigações concluídas, o caso agora segue na Justiça.

RELEMBRE O CASO
José Rossomano desapareceu em 16 de novembro do ano passado, no Jardim das Hortênsias. 

Testemunhas teriam visto saindo em seu carro - um Pálio Branco - com outros dois rapazes, que carregavam galões de gasolina.  

O veículo foi encontrado, dois dias depois, incendiado no condomínio Satélite, em Araraquara.  

No carro não havia indícios de assassinato, segundo análise da perícia.

Mais do ACidade ON