Especialistas comentam riscos do desafio da Baleia Azul

A série de desafios propostos aos internautas envolve automutilação e até suicídio

    • ACidadeON/São Carlos
    • Júlia Fernandes e Stella de Oliveira

O jogo da Baleia Azul se tornou um dos assuntos mais comentados do momento. E não por uma boa causa – mães, pais e especialistas de educação e meio social estão em alerta para a série de desafios propostos à internautas, envolvendo automutilação e, por fim, suicídio.

Em São Carlos, o primeiro caso foi descoberto na última sexta-feira, mas divulgado apenas nesta quarta-feira (19) em um desabafo emocionante da mãe de um adolescente, de 14 anos, nas redes sociais. Ela afirmou ao ACidade ON que o jovem foi vítima do jogo e cortou os dois braços.

A secretaria de educação de Boa Esperança do Sul, cidade a 40 quilômetros de Araraquara, está investigando a automutilação de seis crianças, entre 12 e 13 anos, em uma escola municipal. Elas foram encontradas na manhã desta quarta-feira (19), com os braços e as pernas cortadas por lâminas de apontadores.

Agora, procura ajuda de uma psicóloga da Prefeitura para ambos.

“O trauma foi gigantesco. Ele sempre foi um bom aluno e bom filho, mas, de uns tempos pra cá, começou a mudar de comportamento. Percebi que ele estava assistindo a muitos filmes de terror”. Esta, inclusive, faz parte de uma das fases do desafio.

LEIA MAIS

Baleia Azul: Seis crianças se automutilam em escola municipal

"A tal da Baleia Azul quase levou o meu filho"

Em protesto, jogo da "Baleia Rosa" estimula o bem-estar

Caso do Baleia Azul em São Carlos preocupa pais

Pedagoga

Juliana de Oliveira é pedagoga e, ao ser procurada para comentar o caso ressaltou: “trabalho diretamente com adolescentes e, ao ver a repercussão deste jogo, me sinto na obrigação de alertar os pais e responsáveis desse perigo, pois já está do nosso lado”.

“Uma criança ou adolescente que começa a mudar de comportamento requer atenção maior dos pais. Eles querem e precisam desta atenção. Portanto, é importante conhecer os filhos e observar a maneira com que vive o dia a dia. Por exemplo: ficar mais tempo dentro do quarto com as portas trancadas, deixar de freqüentar a casa de amigos”, ela diz.

Além disso, diz que é importante não deixar que a escola seja a primeira a perceber o que está acontecendo. Os responsáveis precisam ser os primeiros a perceber tais mudanças. E se for o caso, procurar ajudar profissional com urgência.

Especialista em Redes Sociais

Já o analista de sistema e especialista em redes sociais, Julio Cesar Gava, diz que a internet é uma ótima ferramenta para comunicação e socialização, mas, se não for bem administrada, pode levar a grandes prejuízos emocionais e profissionais. Assim, ele destacou algumas dicas:

1. Cuidado com o que publica a seu respeito: A exposição excessiva nas redes sociais podem facilmente mostrar qual seu perfil pessoal, facilitando para as pessoas mal intencionadas a fazerem jogos emocionais;

2. Não acredite em tudo que vê: existem muitas pessoas que criam perfis falsos somente para serem aceitas nas redes – isso ocorre principalmente entre crianças e adolescentes;

3. Não clique em links sugeridos. Algumas pessoas usam deste meio para enviar arquivos que danificam o computador, smartphone e tablets, roubam senhas de bancos ou se apoderam de perfis nas redes sociais;

4. Compras de bens e informações financeiras: isto nunca deve ser exposto, pois é janela aberta para pessoas más intencionadas. Lembre-se: todos hoje têm acesso à internet.


0 Comentário(s)

Seja o primeiro a comentar.