Publicidade

cotidiano

Direto do Zap: Adolescente espera há três anos por cirurgia de pólipo nasal

Os frequentes desmaios causados pela dificuldade de respiração afastaram a adolescente da escola e do convívio com os amigos

| ACidadeON/Araraquara -

Maria Cecília da Silva (de vermelho), de 14 anos, exibe os exames que fez nos últimos anos (Foto: Paula Cardoso/Jovem Pan Araraquara)
 
A adolescente Maria Cecília da Silva, de 14 anos, diagnosticada com pólipos nasais (crescimentos macios que se formam dentro dos seios nasais e do nariz), espera há três anos por uma cirurgia. De acordo com sua irmã, Larissa Evangelista da Silva, a doença evoluiu, e afetou a garganta o que provoca dificuldades na respiração e crises frequentes de desmaios. O problema afastou a menina da escola e do convívio com os amigos.

Preocupados com a gravidade das consequências da doença, e sem uma previsão para a realização da cirurgia, familiares da garota entraram em contato com a reportagem do A Cidade ON Araraquara e do Jornal Regional da Jovem Pan, e relataram o problema.

Segundo a irmã da paciente, há quase três anos Maria Cecilia também não frequenta a escola. "Ela até tentou continuar os estudos, mas, como passou a ter dificuldade de respirar e de falar, além dos frequentes desmaios, achamos mais seguro que ela ficasse em casa, até que ocorra a cirurgia e ela fique bem, podendo voltar a sua rotina normal", frisou. "Só não esperávamos que a cirurgia demorasse tanto."

Sabrina explicou que o nariz da sua irmã sangra com frequência e, muitas vezes, fica exposto ao nariz uma carne crescida. Além disso, quando Maria Cecília tem crises de sinusite - uma das consequências da doença-, o seu rosto fica muito inchado, o que causa muitas dores.

"Tem mais de dois anos que a minha irmã faz com frequência exames de sangue. Ela já não aguenta mais esta situação. A maioria dos exames e tratamento foi feito pelo posto de saúde, na Prefeitura. Só depois de dois anos a minha irmã foi transferida para o Hospital de Américo Brasiliense", relatou Sabrina. Ela disse que no mês de julho deste ano, Maria Cecília foi ao anestesista, entretanto, um dos exames apresentou uma alteração, o que provocou o adiamento da cirurgia, sem previsão de nova data.

Resposta do AME

Nossa reportagem entrou em contato com a assessoria do Ambulatório Médico de Especialidades (AME), que funciona no Hospital Estadual de Américo Brasiliense, para saber detalhes e providencias do caso. De acordo com o Hospital, a paciente iniciou os atendimentos médicos no Hospital em 08 de junho de 2018, na especialidade de otorrinolaringologia e, após atendimento do médico especialista, a paciente foi encaminhada ao médico anestesista para avaliação e agendamento cirúrgico.

O atendimento com médico anestesista aconteceu no dia 27 de julho, quando solicitou uma avaliação clínica detalhada para a realização do procedimento cirúrgico, com segurança. Uma equipe do Hospital entrará em contato com a paciente para entender melhor a queixa e sanar o problema o mais breve possível.

A assessoria também informou que o AME e Hospital Estadual Américo Brasiliense possuem um Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU), através de telefone, e-mail, Facebook e, pessoalmente, para sanar dúvidas, realizar elogios, reclamações ou sugestões. SAU (16) 3393 7834 ou email: sauheab@heab.fmrp.usp.br

Você também pode contribuir com nosso Jornalismo e do quadro Direto do Zap, basta enviar sua demanda através do (16) 99260 1301.

Mais notícias


Publicidade