Aguarde...

Vacinas

Vacinação contra a covid-19 em Araraquara completa seis meses

Primeiras pessoas vacinadas foram profissionais da saúde e idosos; hoje 68% do público alvo tomou a primeira dose

| ACidadeON/Araraquara

Vacinação em Araraquara completa seis meses (Foto: Milton Filho)
 
Araraquara completa seis meses de vacinação contra a covid-19 nesta quarta-feira (21).  

A Vanda Marques dos Reis, de 51 anos, não esconde a alegria de estar vacinada contra a covid-19. Há seis meses, ela foi escolhida para representar os trabalhadores da saúde e recebeu a primeira dose da vacina aplicada em Araraquara. "Me senti bem honrada e agradeço a Deus e quem me escolheu para tomar a vacina", diz ela.

A Vanda e outras três pessoas foram vacinadas no dia 21 de janeiro. O evento, que teve a participação do governador João Dória, deu início a vacinação, após a chegada de 4 mil doses da Coronavac.

De lá para cá, quase 180 mil doses de vacina foram aplicadas. O ritmo, que antes era lento, acelerou com a chegada da AstraZeneca, Pfizer e Janssen.

A secretária municipal de Saúde, Eliana Honain, se mostra otimista com a vacinação. Atualmente, 68% da população adulta tomou a primeira dose de alguma vacina.

"A vacinação em Araraquara caminha muito bem e já vislumbramos um resultado bom, com menos complicações e menos óbitos em decorrência da doença. Acreditamos que até o meio de agosto vamos chegar a faixa etária dos 18 anos", diz ela.

EXPECTATIVA 
Em maio uma plataforma, que reúne pesquisadores de cinco instituições de ensino, incluindo a Universidade de São Paulo, projetava que a vacinação contra a covid-19 poderia seguir até dezembro do ano que vem em Araraquara. Agora, a projeção é ainda mais pessimista: abril de 2023.

O professor de matemática da USP, Tiago Pereira, explica o porquê desta piora: o atraso na aplicação da segunda dose e a cobertura vacinal dos grupos prioritários abaixo de 80%. "O que contribui para a conta e o atraso para a aplicação da segunda dose", explica.

Os cientistas projetam o fim da vacinação após uma cobertura vacinal de 80% da população acima dos 20 anos. Mas o professor de matemática da USP reconhece que dificilmente este percentual será alcançado. "Vale ressaltar dois fatores: que a vacina pode acelerar com a chegada de novas vacinas e os 80% é um número bastante alto pra ser alcançado", diz ele.

Em Araraquara, 2 mil pessoas não tomaram a segunda dose. No último sábado, apenas 20 compareceram após busca ativa. Isso representa 1% dos faltosos. Eliana Honain diz que a secretaria tem trabalhado para reverter este quadro e aponta o que pode explicar estes números. "Estamos buscando estas pessoas e descobrindo os motivos da não vacinação. Algumas pegaram covid neste meio do caminho e estão esperando o tempo certo para tomar a segunda dose", diz ela

ARMA COLETIVA 
A médica infectologista, Estela Cirino Catelani, avalia que a vacinação é a única arma capaz de reduzir agravamentos da doença, além de diminuir a transmissão do vírus. E a capilaridade do SUS é uma aliada. Em Araraquara, são nove pontos de vacinação.

"A partir do momento que tem grande número de pessoas que respondam a vacinação isso vai evitar a transmissão e proteger a todos", diz ela. 

Seis meses após o início da vacinação, a médica afirma que a desinformação ainda é um desafio. "É bom ressaltar que a doença é maléfica e não a vacina. A vacina tem muitos efeitos principalmente no âmbito coletivo", diz ela.

Até o momento, 123 mil pessoas receberam a primeira dose de alguma vacina. Mas apenas 48 mil completaram o ciclo vacinal com as duas doses ou a vacina de dose única. 

A vacinação que começou com os profissionais da saúde, idosos e outros grupos prioritários, deve chegar aos jovens com menos de 18 anos, em setembro. O Estado de São Paulo também já discute o início de um novo ciclo vacinal com a terceira dose no início do ano que vem. 


Mais notícias



Mais notícias do ACidade ON