ACidadeON Araraquara

Araraquara
mín. 20ºC máx. 36ºC

Economia

Cutrale é condenada a pagar R$ 2 milhões por revistar funcionários

Ação foi aberta pelo Ministério Público do Trabalho (MPT); empresa irá recorrer

| ACidadeON/Araraquara

Cutrale terá que pagar indenização por causa de revistas pessoais (Foto: Arquivo)
A Sucocítrico Cutrale, maior indústria de suco de laranja do mundo, foi condenada pela Justiça do Trabalho de Araraquara ao pagamento de R$ 2 milhões de indenização por danos morais coletivos por realizar revistas ilegais nos funcionários.  

O valor será destinado a uma instituição com relevância social, a ser apontada pelo Ministério Público do Trabalho (MPT). A empresa pode recorrer ao Tribunal Regional do Trabalho.  

Em nota, a Cutrale informou que recorreu da decisão e negou as irregularidades.  

Além da indenização, a Cutrale deve parar imediatamente de realizar revistas nos empregados que trabalham nas indústrias e propriedades rurais do Estado de São Paulo, incluindo a verificação do conteúdo de bolsas e sacolas, ainda que de forma reservada e visual. Caso descumpra a decisão a empresa deverá pagar uma multa de R$ 20 mil por trabalhador que for revistado.  

Revistas
O inquérito foi instaurado pelo MPT de Araraquara em 2014, em razão do recebimento de ofício pela Vara do Trabalho de Taquaritinga, noticiando que a Cutrale vinha realizando revista em bolsas e itens pessoais dos empregados com o objetivo de evitar furtos de suco de laranja.  

O MPT fundamentou seus pedidos com base na jurisprudência que ampara o entendimento de que a revista pessoal consiste em prática invasiva e inconstitucional, pois estaria agredindo a liberdade e a dignidade da pessoa humana ao se chocar com princípios da inviolabilidade de intimidade, vida privada, honra e imagem do trabalhador.  

Segundo o MPT, "em pesquisa eletrônica foram localizadas outras condenações da empresa por ter realizado a revista pessoal em propriedades rurais, de maneira mais incisiva. A revista acontecia diariamente nas mochilas dos trabalhadores, com o intuito de evitar que eles levassem laranjas para a casa".  

Ainda de acordo com o MPT, a Cutrale foi consultada sobre a possibilidade de firmar termo de ajuste de conduta (TAC) para evitar um processo judicial, mas recusou o acordo.  

Veja a íntegra da nota da Cutrale:
"A Cutrale esclarece que recorreu da decisão e que não realiza quaisquer práticas ilegais, intimidatórias ou constrangedoras no tratamento com seus mais de 19 mil funcionários, tais como revistas íntimas. Esclarece também que além dos treinamentos de rotina e da disseminação do código de conduta da empresa, em alguns casos infelizmente faz-se necessária a conferência visual dos pertences dos funcionários ao final do expediente para proteger o patrimônio da empresa. Tal procedimento é sempre realizado de maneira respeitosa e sem submeter os funcionários a qualquer situação humilhante."