Aguarde...

Economia

Substituir o arroz pelo macarrão é saída, diz economista

Preço do arroz assusta consumidores e economista dá dicas para quem quer economizar

| ACidadeON/Araraquara

Preço do arroz subiu 19% em agosto, segundo IPCA (Foto: ACidadeON)
 
Quem vai ao supermercado já deve ter percebido a alta dos alimentos. Itens como o arroz, óleo de soja, feijão e carne tiveram aumentos expressivos no mês agosto, segundo a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). 

O arroz, por exemplo, um dos itens básicos da alimentação do brasileiro teve alta de 3% em agosto e no ano soma alta de 19%.   

Ainda segundo o IPCA, no mês passado, o tomate teve alta de 12%; o óleo, 9%; leite, 3% e carne também 3%. 

"O preço do arroz está um absurdo. Eu tenho comércio e trabalho com alimentos e não vai ter como repassar para o cliente este aumento. Isso nos prejudica muito. Pagava R$ 16 no pacote de cinco quilos do arroz e hoje a mesma marca está R$ 23", diz o comerciante Luís Gustavo dos Santos, de 28 anos.

Para a dona-de-casa Marta Cristina Borges Mendes, 52 anos, o preço está um absurdo e pesando muito no bolso. "Não sei onde vai parar este absurdo", reforça.  

ARROZ
O presidente da Associação Brasileira de Supermercados (Abras), João Sanzovo Neto, explica que o aumento está ligado ao excesso de demanda, principalmente no exterior, e à falta de oferta. Na prática, isso significa que falta produto e, por isso, o preço aumenta.  

"É a lei de mercado, é oferta e procura. Se você tem menos produtos sendo ofertados, e no caso foi exportado, muitos dos nossos produtos estão sendo exportados, o produtor prefere exportar porque o câmbio está alto e tem uma receita maior do seu produto", justifica.

SUBSTITUIÇÃO
Para diminuir o impacto no bolso do consumidor, o economista Eduardo Rois Morales orienta os consumidores a substituírem o arroz por outros produtos, como o macarrão, por exemplo.  

"No mundo dos alimentos, os consumidores precisam fazer substituições. Ir para o macarrão, por exemplo, senão vai pesar bastante no bolso. Tem que fugir destes produtos para economizar", reforça.  

Sanzovo Neto também diz que a Abras deve promover uma campanha para estimular o consumidor a substituir o arroz pelo macarrão. Segundo ele, não há prazo para que o preço do produto seja reduzido no varejo.

"Vamos promover o consumo de massa, macarrão, que é o substituto do arroz. E vamos orientar o consumidor que não estoque (arroz)", diz.