Saiba como ter conta bancária sem precisar pagar tarifas

Resolução 3919 do Banco Central garante ao correntista a isenção de taxas no uso apenas dos serviços essenciais

    • ACidadeON/Ribeirao
    • Gabriela Virdes

O orçamento está apertado e precisa enxugar os gastos? Então, saiba que escolher o tipo correto de conta bancária pode gerar uma grande economia. Até porque - o que muita gente não sabe - é possível ter uma conta corrente e não pagar tarifas.

Segundo a técnica da Proteste Associação de Consumidores, Renata Pedro, o cliente quando abre uma conta não é obrigado a pagar por ela, pois tem direito aos serviços essenciais (confira o infográfico), determinados pela resolução 3919 do Banco Central.

“Cada banco possui tarifas para cada cesta de serviços. É uma gama grande de pacotes, em que se encontram contas baratas e outras caras. Por isso, é fundamental conhecer seu perfil e buscar pela conta ideal e mais econômica.”

Dori Boucault, advogado especialista em direitos do consumidor e consultor financeiro, reforça que há serviços bancários gratuitos que o consumidor pode utilizar.

“O cliente não é obrigado a contratar qualquer pacote de serviços, e conta com a opção de ter conta corrente em qualquer banco sem precisar pagar taxas”, afirma. “Essa oferta é obrigatória, logo esses serviços não podem ser cobrados”, completa.

Perfil

Renata afirma que escolher a conta bancária correta não é uma tarefa fácil. “Antes é importante saber qual é o seu perfil, ou seja, quantos cheques, transferências e saques efetua. E, depois, escolher o pacote ideal”, frisa.

Se o cliente é do tipo que faz tudo por computador e detesta ir ao banco, a técnica da Proteste sugere a conta digital, modalidade isenta de tarifas para pessoas dispostas a fazer apenas transações por meios eletrônicos.

“Agora, quem não tem fácil acesso ou dificuldade em usar a internet deve entender seu perfil e buscar o pacote ideal para seu uso e bolso”, orienta Renata.

Para Boucault, a pesquisa sobre perfil, pacotes e tarifas é fundamental para saber se está ou não jogando dinheiro fora. “Em um mês, o custo das tarifas pode até não pesar. Mas, ao multiplicar pelos doze meses do ano verá que o valor é alto”, frisa.

Para evitar gastos desnecessários, o advogado indica ficar atento aos gastos e controlar a conta para não utilizar além do que o rol dos serviços essenciais oferece, pois assim será cobrado taxas.
“Uma coisa é certa. Se o consumidor não sabe quanto paga de tarifa pela sua cesta bancária e nem quais os serviços a que tem direito, provavelmente, ele está em um pacote errado”, conclui Renata. 

Arte / A Cidade

 

Tarifa é o pagamento de serviço

Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), as taxas e tarifas representam o pagamento pela prestação de serviços. “Os bancos são tanto prestadores de serviços, quanto intermediários financeiros. Isto é, além de serem remunerados pela concessão de crédito, auferem receitas por outras diversas atividades, como administração de recursos de terceiros, operações de comércio exterior e câmbio; cobranças e pagamento de empresas, indivíduos e entidades públicas.” Segundo a Febraban, os bancos seguem as regras do Banco Central no que se refere às cobranças tarifárias. “Dentro das normas, cada instituição determina os preços de seus produtos de acordo com sua estratégia comercial.” A federação lembrou que todos os clientes têm direito ao pacote de serviços essenciais, que é isento da cobrança de tarifas.

Variação de taxas é grande entre os bancos

A variação das taxas entre os bancos é grande. O que muitos não sabem é que é possível mudar a dívida ou financiamento de um banco para outro para aproveitar essas variações e taxas de juros menores e, assim, economizar: a chamada portabilidade de crédito. Segundo o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) é possível economizar a partir de linhas de crédito mais atraentes. Primeiro, o consumidor deve consultar as taxas praticadas pelos bancos, consulte a gerência e verifique se o banco aprova o cadastro. Percebendo que outro banco possui taxas de juros inferiores ao banco onde o já possui o crédito, o consumidor pode optar pela portabilidade. Mas, o Idec alerta que, antes de finalizar a portabilidade, é preciso se certificar que a operação de fato será benéfica.

Bancos dizem atender perfil

Ao ser questionado por seus tipos de contas e tarifas, o banco Itaú afirmou que “sempre oferece um amplo portfólio de produtos para que seus clientes tenham condições de escolher o que melhor atende suas necessidades, de acordo com aderência ao estilo de vida, necessidade de consumo e perfil econômico.” Já o Santander informou que “oferece orientações sobre as melhores alternativas de utilização dos serviços, conforme a movimentação usual e as necessidades financeiras dos clientes. Dentre as alternativas apresentadas, o banco assegura também as opções mencionadas na regulamentação do Banco Central, inclusive os Serviços Essenciais gratuitos.” A Caixa Econômica Federal listou seus tipos de contas como a poupança Caixa, conta corrente e a conta Caixa Fácil, sendo que na primeira não há cobrança de tarifa; na segunda as tarifas serão cobradas pelos serviços prestados ao depositante; e na terceira opção, modalidade de depósito à vista e que possui limite de valor para a movimentação, não foi informado se há ou não tarifas. O Bradesco e Banco do Brasil não se posicionaram. 


0 Comentário(s)

Seja o primeiro a comentar.