Aguarde...

ACidadeON Araraquara

Araraquara
mín. 20ºC máx. 36ºC

esportes

Araraquarense que atravessou o Canal da Mancha faz bate-papo no Sesc Araraquara

Mário Pinto conta sua experiência "Travessias Aquáticas - Uma experiência no Canal da Mancha", nesta quarta (08)

| ACidadeON/Araraquara

 

 O araraquarense Mário Pinto é o 29º brasileiro a completar uma das travessias mais perigosas do mundo, o Canal da Mancha, uma parte do oceano Atlântico que separa a Grã-Betanha do norte da França. Na próxima quarta-feira o atleta conduz o bate-papo "Travessias aquáticas uma experiência no Canal da Mancha", no espaço garimpo do Sesc, às 20 horas. 

Na oportunidade, ele conta para o público sobre toda preparação (física e psicológica) e sobre as dificuldades e sensações únicas de cumprir este grande desafio.
O evento é gratuito.
 

Relembre a história de superação de Mário  

(Por Willian Oliveira)    

O Monte Everest das águas. Assim muitos nadadores definem a travessia do Canal da Mancha. O percurso, em linha reta, tem 34 quilômetros de largura e separa o norte da França do sul da Inglaterra. O araraquarense Mário Pinto, de 52 anos, é o 29º brasileiro a nadar esse trajeto que é considerado o mais perigoso do mundo. Devido a forte correnteza e a força da maré, Mário nadou incríveis 53 quilômetros para concluir a prova. Ele entra agora para o seleto grupo dos 12% que tentam e conseguem concluir o percurso.

Com o objetivo de vencer todos os limites do corpo e da mente o atleta levou dois anos se preparando para o desafio que completou no último dia 5 de julho. "Cheguei uma semana antes para treinar, me acostumar com a água, porque é um frio absurdo. Não consegui nadar na segunda-feira, na terça também não, por causa das situações adversas. Eu só soube quando ia nadar seis horas antes do início da prova", lembra o nadador.  

Mário largou em Dover, na Inglaterra, por volta das 3h30 da madrugada e chegou a Calais, no norte francês, as 15h35, concluindo a prova em 12 horas e 5 minutos. Calcula-se que sejam necessárias mais de 36 mil braçadas para concluir uma prova como essa.

"É uma sensação de dever cumprido, de meta conquistada, de estar com meu nome na história das maratonas aquáticas mundiais nesta que é considerada a travessia mais difícil do mundo", concluiu o atleta. Com o tempo oficial de 12h05, Mário Pinto conseguiu superar o tempo do primeiro brasileiro a atravessar o Canal da Mancha. Abílio Couto, em 1958, quebrou o recorde mundial ao concluir a travessia em 12 horas e 45 minutos.

A chegada foi marcada por muita emoção e torcida do treinador, dos amigos, e claro, da esposa. "Passa muita coisa na cabeça quando você chega. A emoção é enorme. É preciso sair da água, pisar na areia, ficar em pé e levantar o braço. Enquanto você não faz isso a travessia não é concluída. Eu tentei duas vezes e não consegui. Só na terceira vez eu consegui ficar de pé. Foi uma alegria muito grande", recorda Pinto.  

A mulher de Mário, Geórgia Affonso, estava na embarcação que o acompanhou pelo canal. Ela foi a responsável pelos registros fotográficos, mas principalmente por todo apoio que o atleta precisava para alcançar seu objetivo. "Geórgia foi imprescindível. Desde o primeiro dia ela me apoiou, integralmente", reforça Mário.

Na região, apenas 13 barcos estão autorizados a acompanhar atletas no Canal da Mancha. Cada um leva, no máximo, quatro nadadores, que são acompanhados por equipe especializada e seus treinadores. Devido as condições climáticas, que nem sempre são favoráveis, a travessia não ocorre todas as semanas.

Em agosto de 1988, a nadadora paulista Renata Agondi, de 25 anos, morreu ao tentar completar a travessia. A dificuldade e o medo em enfrentar o desafio não tirou do nadador araraquarense a oportunidade de curtir aquele momento único em sua vida. "O fato de estar ali, na água, era a coisa mais legal que eu conseguia imaginar naquela hora", lembra Mário Pinto.

A primeira pessoa a nadar os 34 quilômetros sem colete salva-vidas foi o capitão da marinha mercante britânica Matthew Webb, em agosto de 1875. Ele levou 21 horas e 45 minutos e percorreu 61 quilômetros.

Além da correnteza, que o tirou do caminho várias vezes, das cortinas de águas-vivas e das dores, a água gelada foi outro obstáculo a superar. Ao longo da prova, a temperatura do mar variou entre 12 e 15 graus. Para se proteger e evitar a hipotermia ele usou no corpo uma espécie de creme feito com uma mistura de vasilina e lanolina.

Nesses dois anos de preparação especifica para o Canal eu treinei muito na água, mas também me preparei muito mentalmente. Eu pensava em algo que meu treinador sempre me dizia, que eu tinha que começar e terminar. Então eu pensava em tudo que eu tinha passado, que eu tinha treinado, o cansaço, mas nadei com muita alegria, realizando meu sonho", contou Pinto.

Serviço

Bate-papo "Travessias Aquáticas: Uma experiência no Canal da Mancha"
Dia: 8/8, quarta-feira
Horário: 20h
Local: Garimpo
Classificação: Livre
Grátis



QUER CONTINUAR LENDO ESTE CONTEÚDO E MUITOS OUTROS? FAÇA SEU LOGIN OU CADASTRE-SE

Informe seu e-mail e senha cadastrados para ter acesso a todo conteúdo do site:

ainda não tem cadastro?
QUER LER ESSE CONTEÚDO? CADASTRE-SE

Informe seu Nome, E-mail e senha para se cadastrar no Acidade ON

Quero ser informado sobre promoções e ofertas do Acidade ON e seus parceiros
Aceito os Termos de Uso do Acidade ON

Veja também