Aguarde...

ACidadeON

Voltar

esportes

Time amador é alternativa para meninas que sonham com futebol

Há um mês e meio, cerca de 30 atletas treinam no Guerreiras Atleticanas e buscam espaço, respeito e profissionalização

| ACidadeON/Araraquara

 

"Eu escolhi futebol porque é uma paixão. Desde pequena eu jogo e é uma coisa que amo. Sempre assisto a jogos de futebol e é uma coisa mais forte do que eu. Ele me escolheu e eu amo jogar".  

É assim que Radija Gomes, de 17 anos, define o porquê escolheu, em meio a outros esportes, jogar futebol. A atleta amadora é uma das 30 meninas que treinam no campo do Jardim Nova Época, para o primeiro time de futebol feminino amador de Araraquara.   

Cerca de 30 meninas treinam no Guerreiras Atleticanas. (Foto: Amanda Rocha/ACidade ON)

Na cidade das Guerreiras Grenás, time de futebol feminino da Ferroviária, a modalidade vem crescendo e há cerca de um mês e meio, nasceu as Guerreiras Atleticanas, uma extensão do Esporte Clube Atlético Paulista - equipe amadora que disputa a Série C do Amadorzão da cidade.  

Lá, as meninas mantém vivo o sonho de se tornarem jogadoras de futebol profissional. Observadas por pais, colegas e o presidente do clube, Elias Silva, as atletas dividem os treinamentos com os meninos do Sub-17.    


Mas, as dificuldades vão desde a ausência de competições oficiais, até mesmo bolas e coletes para os treinamentos - técnico, tático e físico -, que acontecem de segunda, quarta e sexta-feira à tarde no campo do Nova Época.  

"Na realidade temos todas as dificuldades, desde bola, coletes, algumas coisas a mais para que possamos fazer um trabalho de qualidade. Mas, com o pouco que a gente tem dá pra fazer um trabalho adequado", relata o técnico do time, Ubiraelson Batista da Silva.   

Radija, de 17 anos, é meia e sonha se tornar profissional no futebol. (Foto: Amanda Rocha/ACidade ON)

Além de driblar os adversários dentro de campo, tem também as dificuldades que se impõe na vida de cada uma das meninas que decidem jogar futebol.  

Raissa de Oliveira, 18 anos, por exemplo, teve que escolher deixar a casa da mãe na vizinha São Carlos para ficar mais perto da Ferroviária, clube que defendeu nos últimos quatro anos.  

"Passei por muitas dificuldades, eu vinha de fora todos os dias. Aí logo que eu mudei pra cá [casa da avó] e eu ia a pé para o treino do Santa Angelina até a Vila Xavier. Aí eu consegui uma bicicleta e ia com ela aos treinos", relata.   

Guerreiras Atleticanas é alternativa para meninas que sonham jogar futebol. (Foto: Amanda Rocha/ACidade ON)

Para alguns, a distância que separa Raissa e Radija do sonho de se tornarem jogadoras de futebol profissional são apenas cinco quilômetros - do campo do Jardim Nova Época onde treinam até a Arena da Fonte. Porém, esse abismo é maior e exige superação e persistência.   

No caso da dupla, o clube amador pode ser encarado como chance de recomeço no esporte. É que ambas defenderam a Ferroviária nas categorias de formação, porém, acabaram dispensadas da Locomotiva Grená por estourar a idade.  

"Estou em preparação para me manter em forma, ajudar a equipe e não ficar parada, ter ritmo de jogo, aprender coisas, aperfeiçoar e estar preparada pra ir pra outro clube", projeta Raissa.   

Atletas recebem treinos técnicos, táticos e físicos ao menos três vezes na semana. (Foto: Amanda Rocha/ACidade ON)

Capital nacional do futebol feminino
Araraquara pode ser considerada uma espécie de capital nacional do futebol feminino. É que a Ferroviária tem sido referência na modalidade, encerrando a temporada 2019 entre as quatro melhores colocadas no Campeonato Paulista, tornou-se a única bi campeã Brasileira e vice-campeã da Libertadores.  

Mas, apesar de investir nas categorias de formação - time possui equipes Sub-15 e 17 -, a Locomotiva não possui uma equipe Sub-20. A ausência é causada pela falta de competições organizadas pela Federação Paulista de Futebol (FPF), obrigando o clube a profissionalizar as atletas que estouram a idade ou dispensá-las, como o caso de Radija e Raissa.  

Com isso, a dupla simpática, que sonha em se tornarem atletas profissionais seguem ao lado de outras 30 companheiras de time, em busca de apoio, respeito e profissionalização.  

Raissa disputa a bola com garoto do time Sub-17 do Atlético Paulista. (Foto: Amanda Rocha/ACidade ON)

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Mais do ACidade ON