Aguarde...

ACidadeON

Voltar

esportes

Torcedor eterniza paixão pelas Guerreiras Grenás em tatuagem

Reginaldo José Silva, 42 anos, é figura fácil na Arena da Fonte e homenageou o time bi campeão Brasileiro

| ACidadeON/Araraquara

Beto fez tatuagem em homenagem as Guerreiras Grenás e a zagueira Andreia Rosa. (Foto: Arquivo Pessoal)

"Vou levar elas para o resto da vida. Sempre que alguém perguntar vou ter prazer em falar daquele momento que vivemos na Fazendinha, um momento mágico. Foi feito de coração mesmo, em homenagem a todas elas, mas em especial a Andreia que vou levar como uma irmã".  

É assim que o autônomo Reginaldo José Silva, 42 anos, explica por que decidiu fazer uma tatuagem em homenagem às Guerreiras Grenás. Torcedor apaixonado, figura fácil nas arquibancadas da Arena da Fonte, Beto, como é conhecido pelos mais próximos, eternizou em suas costas o Bi Brasileiro Feminino da Ferroviária, conquistado em setembro, diante do Corinthians, em pleno Parque São Jorge, na capital.  

"Fiz em homenagem ao time feminino, para todas as meninas, por tudo que elas representam pra gente e pelo título Brasileiro, que eu estava lá, acompanhei de perto e nunca vou esquecer aquele dia. Nunca vou esquecer a imagem da Luciana [goleira] correndo em direção ao alambrado com os braços abertos. Aquilo vai ficar marcado pra sempre", define.  

 

Tatuagem é em homenagem ao título Brasileiro feminino e a zagueira Andreia Rosa. (Foto: Divulgação/Jonatan Dutra/AFE)

Mas, a lembrança vai além, pois retrata também a amizade que construiu com uma das atletas do atual elenco da Locomotiva Grená, a zagueira Andreia Rosa. Tanto que a tatuagem, além de uma bola e uma rosa, carrega também as letras A, R e o número 3, formando Andreia Rosa 3. E a explicação para Beto é simples: se identificou com a luta da jogadora.  

"Tudo que ela passou com a avó dela, eu passei também com a minha. Ela postava fotos da avó no hospital, dando comida, segurando a mão e ela inchada, igual eu fiquei com a minha. Passou tudo na minha cabeça e me identifiquei muito com a história dela. Essa menina merece, ela é sensacional", explica.   

Beto é figura conhecida das arquibancadas de Araraquara e também outras cidades. (Foto: Colaboração/Tetê Viviani)

Amor antigo
A história de Beto com a Ferroviária começa nos anos 1980. Simpático ao Palmeiras, o torcedor conta que frequentava o estádio com seu irmão e sua mãe para ver os jogos. Aos poucos o grená nas arquibancadas e o símbolo afeano seduziu seu coração.  

"Eu via essa camisa grená e eu sempre amei ela. Acho que o uniforme mais bonito do futebol é grená, não tem outra cor. Eu me apaixonei mesmo pela camisa, pela cor dela, pelo nosso distintivo e começou assim, nos anos 1980. Até perdi um pouco aquela coisa pelo Palmeiras. Porque vi que tinha um time na cidade e era legal torcer por ele", disse.  

E nem mesmo a fase ruim, os rebaixamentos fizeram o torcedor desistir da Locomotiva Grená. Beto confessa que o esquadrão do Palmeiras da década de 1990 chegou a seduzir. Mas, a paixão pela Ferroviária falou mais alto e chega a ser indescritível.  

"Não tem como, você vê a Ferroviária e é uma paixão indescritível, uma coisa que não consigo sentir pelo Palmeiras. Hoje em dia não tem como, sou afeano. Fiz até a bandeira lealdade eterna por causa disso. Não me conformo quando vem um time grande aqui e o cara que é araraquarense e afeano vai torcer para esse time".   

Beto presenteou Andreia com uma boneca, que segue a zagueira nas viagens. (Foto: Arquivo Pessoal)

Humildade e acessíveis
Um dos pontos que contribuíram para que o torcedor fizesse uma tatuagem em homenagem as atletas do time feminino da Ferroviária é a humildade e a facilidade de acesso. Segundo ele, algo impossível de ser visto no time masculino de Araraquara.  

"No dia que teve a final, fomos no jogo contra o Santo André no campo do Juventus. Assistimos de manhã o jogo do masculino e depois fomos pra Fazendinha. Aquele Sol de 40 graus, torrando ali e os caras não foram lá acenar a mão pra gente. Você não se sente parte do espetáculo quando é o masculino, ao contrário do feminino. Você tá lá na Arena, elas estão na arquibancada assistindo jogo, você pode conversar com elas", afirma.   

Bandeira de torcedor no vestiário das Guerreiras Grenás. (Foto: Reprodução Redes Sociais)

Gratidão
E o sentimento de gratidão é recíproco. É que apesar da surpresa em receber uma homenagem como essa, Andreia Rosa, zagueira da Ferroviária, disse que o gesto do torcedor chega a arrepiar, uma vez que as mulheres têm buscado conquistar cada vez mais direitos e isso mostra que estão conquistando espaço no esporte.  

"É um carinho grande, fiquei sem palavras de ver o amor. Eles foram até São Paulo assistir a final, foi tudo sensacional. Não tem preço e não há palavras para descrever. Foi um homem que tatuou uma homenagem ao futebol feminino. Até me arrepio, porque é uma grande dificuldade pra mulher conquistar os direitos dela", finaliza.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Mais do ACidade ON