Publicidade

lazerecultura

Sábado (13) é o penúltimo dia de apresentações do Festival Aldir Blanc

Música, dança e HQ's estão entre as atrações gratuitas; programação começa às 20 horas, no canal da Prefeitura de Araraquara no YouTube

| ACidadeON/Araraquara -

"Ecos de uma História em Quadrinhos- O processo de produção da HQ Ecos Humanos", por Eder Santos

O Festival Aldir Blanc, que reúne produções variadas de artistas de Araraquara, chega ao penúltimo dia de sua programação neste sábado (13). Música, dança e HQ's comandam as atrações gratuitas, a partir das 20 horas, no canal da Prefeitura de Araraquara no YouTube.

Os trabalhos apresentados são os seguintes: "Marina, uma Estrela que Brilha", por Nalini; "Odottemita no Brasil", por Monique Modolo Santin; "MARKERlinidade: resgate da masculinidade não tóxica através do yaoi", por Michele Delbon Silva; e "Ecos de uma História em Quadrinhos- O processo de produção da HQ Ecos Humanos", por Eder Santos.

Todos os trabalhos foram selecionados por meio do edital da Lei Aldir Blanc, que dispõe sobre ações emergenciais destinadas ao setor cultural a serem adotadas durante o estado de calamidade pública decorrente da pandemia da Covid-19. Esta iniciativa do Governo Federal, em Araraquara, conta com o suporte da Prefeitura de Araraquara - por meio da Secretaria Municipal de Cultura e do FUNDOARA.

Vale lembrar que, neste domingo (14), a programação do Festival Aldir Blanc chega ao fim, e as últimas atividades também poderão ser conferidas a partir das 20 horas pelo canal da Prefeitura de Araraquara no YouTube.

Festival Aldir Blanc - 13/03: apresentações

Marina, uma Estrela que Brilha", por Nalini 

Cantora/intérprete com mais de 30 anos de atividade, nesta apresentação Nalini apresenta grandes canções da artista Marina Lima.

"Odottemita no Brasil", por Monique Modolo Santin:  

Nascido na cultura japonesa, o Odottemita é um estilo de dança voltado para amadores que vem ganhando forças no mundo todo. No Brasil, a dançarina Monique, que pratica e ensina sobre o Odottemita há mais de 10 anos, traz um breve resumo introdutório sobre o que é o Odottemita, seguido da interpretação de coreografias conhecidas dentro desse movimento cultural. Para os amantes de cultura japonesa, de estilos de dança e de diversidade artística, essa é uma ótima oportunidade para descobrir algo novo e, quem sabe, até começar a participar desse movimento.

"MARKERlinidade: resgate da masculinidade não tóxica através do yaoi", por Michele Delbon Silva

O yaoi é um gênero de quadrinhos japoneses com foco nos relacionamentos homoafetivos masculino e, através dele, busca-se resgatar masculinidade não tóxica e não estereotipada usando-se conceitos de masculinidade medieval da literatura japonesa do século XI onde se valorizava o homem sensível, versado nas artes, sem medo de demonstrar sentimentos e de aparência andrógina.

"Ecos de uma História em Quadrinhos- O processo de produção da HQ Ecos Humanos", por Eder Santos

A exposição propõe a apresentação da produção de algumas páginas do álbum de história em quadrinhos "Ecos Humanos", desenhada pelo artista Eder Santos em parceria com roteirista Ciberpajé e lançada em 2018 durante o FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte/MG).  

Trabalho pelo qual o artista foi indicado ao "Troféu Ângelo Agostini" na categoria melhor desenhista de 2018. A exposição pretende mostrar todo o processo do autor na produção das páginas, os esboços de concepção das personagens, esboços de páginas, páginas a lápis e arte finalizadas.  

"Ecos Humanos" é também ambientado em um período que pode ser chamado de "Crepúsculo Pós-humano". O álbum traz uma narrativa completamente muda, estruturada em dois personagens transgênicos híbridos de humano e lobo guará. 

A história apresenta-nos um retorno à cultura arcaica de seres em pleno ocaso pós-humano. As tensões entre imanência e transcendência, segurança e êxtase, estruturam a narrativa visual sem palavras, configurando-se como um convite à reconexão cósmica.

Mais notícias


Publicidade