Aguarde...
22/05/2020

Bolsonaro cita detenção em praça durante reunião com ministros

Um dos trechos de um vídeo de reunião ministerial realizada há um mês, pivô de investigação sobre possível interferência política na Polícia Federal (PF), trouxe a tona outro assunto de repercussão: a detenção de uma mulher em praça pública.  

Ao defender o armamento das pessoas para dar garantia de que não vai aparecer alguém para impor uma ditadura no Brasil, sem citar Araraquara, o presidente da República fala sobre o cumprimento de decretos que determinam o isolamento social durante a pandemia.  

"É fácil impor uma ditadura aqui, um [...] de um prefeito, solta uma [...] de um decreto, algema e deixa todo mundo dentro de casa. Se tivesse [povo] estaria na rua.", disse, ao pedir para ministros que autorizassem o uso de armas pela população.  

Em outro momento da reunião, Bolsonaro menciona a luta política que está colocada entre Governo e oposição no País, por causa da pandemia. O presidente da República pede aos ministros que se posicionem mais e diz que seguirá indo a qualquer lugar do Brasil, por causa de seu direito de ir e vir.  

“Prefeitinho lá do fim do mundo, um jaguapoca de um prefeito manda prender. Tem que a Justiça se posicionar sobre isso. Tem que se posicionar sobre isso abertamente. Não admitimos prisão por parte de prefeitos por decreto. Tem que falar, não é pra ficar quieto. E todos os ministros têm que falar isso aí, não só a Justiça não”, prossegue.  

O encontro entre ministros ocorreu no último dia 22 de abril e teve o sigilo de seu conteúdo retirado, nesta sexta-feira (22), pelo Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello. O próprio presidente da República, em suas redes sociais, divulgou o vídeo do encontro.  

EDINHO LAMENTA FALA
Ao ACidade ON, o prefeito Edinho Silva (PT) lamentou a fala do presidente da República. “Em um momento como esse, o que se espera de um líder é que ele construa a unidade do país contra o coronavírus, que defenda a vida e não a violência armada”, afirma.  

RELEMBRE A DETENÇÃO
No último dia 13 de abril, uma mulher foi detida em Araraquara na praça dos Advogados, na Vila Harmonia. Na oportunidade, ela disse que fazia exercícios matinais quando teria sido impedida de ficar na praça pública pela Guarda Civil Municipal. Já na versão da Prefeitura, a GCM teria pedido para que ela se retirasse do local, fechado por causa do decreto, se negou e agrediu uma agente.  

O caso ganhou repercussão nacional e o próprio presidente da República menciona Araraquara em ao menos outras duas oportunidades: na posse do ministro da Saúde, em 17 de abril e depois, no dia 19 de abril, em um ao vivo que fez em frente ao Palácio do Planalto.

Comentários