Aguarde...

ACidadeON Araraquara

Araraquara
mín. 20ºC máx. 36ºC

Política

Farofino: Fiscais ambientais e de obras terão gratificação para apoiar combate à dengue

Medida foi discutida e aprovada pela Câmara nesta terça-feira e devem ter regulamentação em até 15 dias

| ACidadeON/Araraquara

Vereadores se reuniram nesta terça-feira (16) para sessão ordinária. (Foto: Divulgação/Câmara)


Araraquara contra a dengue
Em meio à epidemia de dengue em Araraquara - última atualização evidencia que 7.493 pessoas foram vítimas da doença na cidade -, a Prefeitura enviou à Câmara proposta que inclui os agentes de fiscalização ambiental e agentes de fiscalização de obras do Departamento Autônomo de Água e Esgoto (DAAE) na gratificação especial por desempenho que será paga aos trabalhadores que apoiarem no combate à dengue na cidade. Segundo o texto, a gratificação terá o limite de até R$ 1,2 mil e as regras para pagamento serão editadas nos próximos quinze dias. A medida foi inclusa na Ordem do Dia e aprovada pelos vereadores. 

Mais projetos
Entre os diferentes temas discutidos pelos vereadores, o de autoria do vereador Raimundo Bezerra (PRB) altera lei e passa a prever multas para shoppings, hipermercados e similares que não ofereçam cadeiras de rodas para utilização por deficientes físicos e idosos. Janeiro Branco e Semana Municipal da Enfermagem foram apresentados pelos vereadores Rafael de Angeli (PSDB) e Zé Luiz (PPS), respectivamente. Por fim, a Prefeitura foi autorizada a abrir créditos no orçamento municipal no valor total de R$ 336 mil.  

VEJA FOTOS DA SESSÃO ORDINÁRIA DA CÂMARA NESTA TERÇA-FEIRA (16) 


Não podia faltar
Não podia faltar 'mimos' em mais uma sessão da Câmara. E desta vez foram quatro pedidos apresentados pelo vereador José Carlos Porsani (PSDB) para dar nomes a ruas localizadas no Parque Residencial Jardim Ipanema. Mas, se engana quem pensa que o tucano ficou sozinho nessa. A Prefeitura também enviou, atendendo pedido da construtora, uma proposta nomeando as onze ruas do Residencial Volpi.  

Ainda rende
Uma fala confusa do vereador Toninho do Mel (PT) na última sessão ordinária da Câmara Municipal segue rendendo. Nesta terça-feira houve uma reunião entre o parlamentar, o setor de Comunicação e os tradutores de Libras para 'limpar as arestas'. Segundo apurado, existia uma pressão para que fosse aberta uma sindicância para apurar o ocorrido - um exagero com os profissionais. Durante o encontro, chamado por Tenente Santana (MDB) o vereador petista teria aceitado o pedido de desculpas dos funcionários e deve encerrar a polêmica, ao menos internamente.  

Amanda Vizoná, credenciada pelo PT, defendeu o vereador Toninho do Mel. (Foto: Divulgação/Câmara)

Tribuna Popular
O tema também rendeu na Tribuna Popular. Credenciada pelo Partido dos Trabalhadores, Amanda Vizoná falou sobre os ataques ao vereador Toninho do Mel nas redes sociais. "Enquanto educadora sempre partimos do princípio de que todo ser humano traz consigo um vasto conhecimento. A gente já entra em sala de aula sabendo que a gente precisa recuperar todo conhecimento prévio que um aluno traz, que são de suas experiências de vida, que as vezes são muito mais valorosos do que o conteúdo que a gente passa apostilado, aquele formal. Todo ser humano precisa ser respeitado", afirmou. 

Preconceito
Durante sua fala, Vizoná defendeu ainda que o episódio é uma das expressões de preconceito presentes na sociedade. Além disso, afirmou que a produção do vídeo acompanhado de uma charge do parlamentar possui alto custo de produção, o que reforça que foi 'encomendado' por um grupo político. "É uma produção que a gente sabe que custa em torno de R$ 3 mil, ressaltando não a atividade política do vereador, mas sua linguagem. Quem está gastando esse dinheiro todo para desqualificar o vereador enquanto pessoa?", deixou o questionamento no ar. 

Mais vídeo nas redes
'Encomendado' ou não, as críticas feitas pelos jornalistas que criaram o vídeo parecem não se resumir ao parlamentar petista. Isso porque, a recente publicação expõe dados do Portal da Transparência da Prefeitura que trata da transferência de recursos feita à Câmara de 8 de janeiro a 9 de abril. "Em apenas quatro meses a Prefeitura repassou ao Poder Legislativo municipal a quantia de R$ 6,8 milhões, que foram gastos com salários de vereadores, assessores, combustível, viagens, cafezinho, papel higiênico e outras mordomias. É muito dinheiro se considerarmos o trabalho pífio apresentado por vossas excelências", diz o narrador. Diante disso, fica a dúvida: qual o próximo tema?

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook