Aguarde...

ACidadeON Araraquara

Araraquara
mín. 20ºC máx. 36ºC

Política

Ex-prefeito fala sobre anulação de multa no valor de R$ 69 milhões à Prefeitura

Conselho Administrativo de Recursos Fiscais teria julgado improcedente autuação feita ao município e a Marcelo Barbieri por compensações do INSS

| ACidadeON/Araraquara



O ex-prefeito Marcelo Barbieri (MDB) convocou a imprensa, nesta terça-feira (11), para falar da anulação de uma multa à Prefeitura de Araraquara no valor de R$ 69 milhões referentes à compensação de contribuições patronais do INSS, pelo período de 2010 a 2016, que somaram R$ 166 milhões. A decisão teria sido emitida na última terça-feira (4) pelo Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF) e foi comemorada pelo staf emedebista da cidade.  

Segundo o advogado de Barbieri, Delorges Mano, o órgão considerou que havia uma cobrança em duplicidade, ou seja, teriam sido emitidas duas multas para uma mesma infração. Uma multa seria no valor de R$ 10 milhões e outra de R$ 69 milhões. Diante da situação, a Prefeitura teria recorrido e agora a multa considerada improcedente, uma vez que não aguardou o processo transitar em julgado. 

"Ele [Barbieri] teve uma atitude ousada, porém, responsável, pois foi feita com respaldo técnico. Ele identificou que o município pagava contribuições indevidas ao fisco, questionou isso junto a Receita e foi duramente atacado por seus adversários políticos. As decisões tomadas na gestão Marcelo Barbieri foram muito importantes para a cidade, beneficiando o atual prefeito e as futuras administrações", afirma Mano. 

Caso a ação fosse julgada procedente, o ex-prefeito poderia ser executado junto com a administração municipal, tendo suas contas e até mesmo seu patrimônio bloqueados. "O fato é que não existe multa, acabou. Se futuramente for feita outra infração, aí é outra conversa. Essas duas acabaram", disse Marcelo Barbieri.   

VEJA VÍDEO COM A FALA DO EX-PREFEITO E SEU ADVOGADO DELORGES MANO:


Procurada, a Prefeitura informou que entrou com liminar pedindo anulação das duas multas referentes ao INSS. Uma delas seria no valor de R$ 10 milhões e outra no valor de R$ 70 milhões. "Em relação à primeira multa, o Município conseguiu a liminar junto ao TRF regional suspendendo-a. Sobre a segunda multa, a Secretaria ainda não teve acesso ao acórdão com a decisão do TRF", diz a nota. 

A Prefeitura disse ainda que todas as vitórias que desonerem a municipalidade são positivas diante das dificuldades financeiras vivenciadas na administração municipal. 

Segundo Barbieri, as compensações foram importantes para que a administração pudesse realizar investimentos como creches, postos de saúde, reabrir a Maternidade Gota de Leite, recapeamentos asfálticos e atender outras demandas da população.  

Ex-prefeito, advogado e líder do MDB receberam a imprensa nesta terça-feira (11). (Foto: Walter Strozzi/ACidade ON)

Entenda a dívida da Prefeitura com o INSS
Para entender o imbróglio, é preciso voltar ao governo do ex-prefeito Marcelo Barbieri (MDB), em 2010, que avaliou na época a partir da contratação de um escritório de advocacia especializado, que da parcela paga pela Prefeitura ao INSS referente aos vencimentos dos servidores municipais, de 20%, uma parte não era devida, ou seja, não deveria ser paga pela administração municipal - a análise é de que tudo aquilo que é variável nos salários, como por exemplo, as horas extras feitas pelo trabalhador, não cabe recolhimento. A partir daí, o valor começou a ser descontado e pago apenas o considerado pelo Governo.  

Desta interpretação jurídica, segundo técnicos da Prefeitura, foram descontados R$ 166 milhões, até que a Receita Federal fez uma espécie de auditoria e autuou o município por não recolher os valores. Junto com isso, a administração municipal recebeu uma multa no valor de R$ 10 milhões e, depois uma de R$ 69 milhões - a primeira suspensa atualmente por liminar e a segunda, retratada neste texto. Acontece que, por causa dos débitos a Prefeitura poderia ficar negativada, sem a possibilidade de emitir um documento chamado Certidão Negativa de Débitos (CND), que permite ao Poder Público receber recursos federais e convênios.  

Barbieri contratou escritório de advocacia especializado para compensar INSS de 2010 a 2016. (Foto: Walter Strozzi/ACidade ON)


Em 2017, a Receita Federal criou uma espécie de Refis, abrindo a possibilidade do refinanciamento de dívidas de Estados e Municípios, estipulando benefícios como descontos de até 40% em multas de mora e ofício, 25% sobre honorários advocatícios, 80% sobre juros de mora e parcelamento em até 200 vezes.   

A partir daí, a Prefeitura criou um comitê com quatro funcionários técnicos de carreira para analisar e emitir um parecer em relação à entrada na renegociação. Do grupo, surgiu o parecer para que a Prefeitura aderisse ao programa e questionasse a dívida através de uma ação revisional, o que foi feito em julho e agosto, respectivamente.  

Com a confissão de dívida, a Prefeitura renegociou os débitos em 194 parcelas, ao valor mínimo de R$ 152 mil ao mês e dividiu a entrada em seis vezes de R$ 720 mil. Segundo os técnicos da administração, o valor hoje equivale a 0,5% da receita líquida mensal da Prefeitura.   

Vinicius Manaia e Rodrigo Cutigge explicam sobre a compensação do INSS. (Foto: Divulgação/Priscila Luiz/Secom)

Já a ação revisional segue aguardando uma decisão judicial, que dirá quais valores dos R$ 166 milhões foram descontados corretamente e, portanto, não precisam ser pagos através do financiamento ao qual a Prefeitura aderiu, uma vez que a totalidade da dívida foi questionada.  

Até o momento, segundo a equipe técnica, foram pagas 22 parcelas do Refis, o equivalente a R$ 6,8 milhões. O Procurador Geral do Município, Rodrigo Cutigge, explica que a Prefeitura neste momento vem pagando o parcelamento assumido junto a Receita Federal, no valor de R$ 176 milhões.  

"Atualmente o município está pagando as parcelas que foram comprometidas neste parcelamento, hoje no valor de R$ 153 mil, uma parcela reduzida, a Receita Federal ainda não elaborou os cálculos para estabelecer o valor da parcela, então a gente paga 0,5% da receita corrente líquida e com relação às verbas nós estamos discutindo na Justiça Federal, pois existe uma ação revisional, que está na fase de perícia, então nós estamos aguardando a conclusão dessa perícia e a decisão da Justiça para de fato reconhecer quais verbas são ou não devidas", explica Cutigge.

Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso."

Facebook

Mais do ACidade ON