Aguarde...

ACidadeON

Voltar

Política

Assembleia do PCCV tem baixa adesão e termina sem deliberação

Convocados pelo Sismar, cerca de 50 trabalhadores se reuniram em frente à Câmara nesta terça-feira (26)

| ACidadeON/Araraquara

Assembleia dos servidores foi realizada em frente a Câmara nesta terça (26). (Foto: Walter Strozzi/ACidade ON)
 

Cerca de 50 servidores municipais se concentraram em frente à Câmara, nesta terça-feira (26) para discutir o Plano de Cargos Carreiras e Vencimentos (PCCV) da Prefeitura, Educação e Departamento Autônomo de Água e Esgotos (DAAE). 

Convocados pelo Sindicato dos Servidores Municipais de Araraquara e Região (Sismar), os trabalhadores ouviram diferentes falas de dirigentes da entidade sobre os pontos positivos e negativos das propostas que foram aprovadas na última segunda-feira (25) na Câmara. 

A expectativa era de que fosse deliberada greve da categoria, porém, ficou agendado um novo encontro dos servidores no próximo dia 10, às 18 horas, no mesmo local, em frente ao Legislativo.

Na análise do presidente do Sismar, Agnaldo Andrade, a Prefeitura fez uma manobra para confundir a cabeça dos servidores. Segundo ele, não houve tempo hábil para que trabalhadores e vereadores pudessem analisar o PCCV.

"Aquilo que aparentemente pode ser lucro para o servidor não chega a ser tanto assim. Algumas benesses tiveram, mas não tantas quanto eles querem propagar como se fosse a joia da coroa. E não é, pelo contrário, coloca o servidor em estado de precariedade, colocando em pontos como o da evolução atrelado a disponibilidade orçamentária. Ou é plano, ou não é. Ou é compromisso, ou não é. Não se pode ficar enganando os servidores assim", afirma Andrade. 

O presidente do Sismar disse ainda que alguns pontos do PCCV estão previstos para serem implantados somente no próximo mandato, depois das eleições do ano que vem. "Há um certo ponto de inconsequência administrativa, porque você não vai entregar uma bomba relógio ao próximo prefeito, que pode ser ele mesmo ou não ser. É uma questão de responsabilidade administrativa".  

Agnaldo Andrade, presidente do Sismar, falou aos servidores sobre pontos do PCCV. (Foto: Walter Strozzi/ACidade ON)

Entre os pontos do novo Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos estão a criação de um piso salarial para os trabalhadores no valor de R$ 1.298. Além disso, a Prefeitura regulamenta a jornada de trabalho - há um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) assinado junto ao Ministério Público. Mas, essas são consideradas meias verdades pelo Sismar. 

"O que aparentemente pode ser uma conquista, se fosse ver assim, já deveria ter sido implantada a anos atrás. Propusemos em 2018 um salário de R$ 1,3 e não colocaram. A questão dos 50 minutos [hora aula dos professores] foi promessa de campanha dele antes mesmo de assumir o governo. A questão é que ele dá com uma mãe e retira com a outra", defende.   

Agnaldo também comentou o posicionamento da Prefeitura que lamentou a saída do Sismar das negociações do PCCV dentro do Comitê de Gestão Democrática. "Não nos retiramos em momento algum. Foi solicitado em assembleia para que ele deixasse, pois estava tendo manipulação dos servidores no meio do processo. Chamamos audiência, foi o Sismar quem chamou. A Câmara atendeu nosso apelo, porque o Executivo não queria conversar. Se era o Sismar que estava ausente dos diálogos, nós sempre estivemos nas audiências públicas, que era uma obrigação do Executivo estar uma vez que o projeto é dele e não teve peito", afirma. 

Agora, os servidores devem fazer uma nova assembleia no próximo dia 10, às 18 horas, em frente a Câmara. "Devido os compromissos de final de ano e pouco tempo para absorver uma leitura crítica do PCCV nós achamos por bem dar um tempo maior e isso não é um ou dois dias. É uma semana, dez dias, então estamos marcando em dez dias para que todos tenham entendimento do que vão viver daqui pra frente e lido o projeto poderão votar de forma consciente", finaliza.



Comentários

"O site não se responsabiliza pela opinião dos autores. Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do ACidade ON. Serão vetados os comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. ACidade ON poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios deste aviso. Para mais informações, consulte nosso TERMO DE USO"

Facebook

Mais do ACidade ON