Publicidade

politica

Reajuste parcelado dos servidores entra na pauta da Câmara

Mesmo após negativa dos trabalhadores, documento está na Ordem do Dia de sessão, nesta terça-feira (17)

| ACidadeON/Araraquara -

Proposta de reajuste parcelado dos servidores pode ser votado nesta terça-feira (17) (Foto: Walter Strozzi/acidade on)



Mesmo após negativa dos trabalhadores para proposta apresentada pela Prefeitura sobre reajuste salarial, vereadores de Araraquara devem debater o tema em sessão ordinária, nesta terça-feira (17), às 15 horas. O projeto de lei é o item 2 da Ordem do Dia de amanhã.

O documento prevê reajuste salarial para os funcionários públicos da Administração Direta e Indireta, em duas parcelas: 5% a partir de 1º de agosto de 2022 e 5% a partir de 1º de março de 2023. Outro ponto se refere ao piso do funcionalismo, que passa para R$ 1.302,64. 


Caso haja aval dos vereadores, o valor do auxílio-alimentação para R$ 440 a partir de 1º de maio; o valor do bônus alimentação para R$ 300 a partir de 1º de maio; e para R$ 330 a partir de 1º de março de 2023. Há ainda a possibilidade de dois atestados em um ano.

O projeto de lei modifica ainda, a partir de 1º de janeiro de 2022, o piso salarial dos docentes da rede pública municipal da educação básica em 33,24%, bem como promoção de classe do Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos (PCCV) de diferentes trabalhadores da categoria. 


A proposta completa pode ser conferida no site da Câmara (Clique e veja o projeto de lei completo). Há ainda outros nove itens que serão debatidos pelos vereadores durante encontro semanal (clique e veja pauta), nesta terça-feira, com transmissão ao vivo pela TV Câmara ou redes sociais.

SISMAR CHAMA TRABALHADORES
O presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Araraquara e Região (Sismar), Gustavo Jacobucci, convocou os trabalhadores para comparecer na sessão da Casa de Leis e manifestar a posição contrária ao projeto de lei apresentado pela administração municipal.

Os trabalhadores cobram da Prefeitura um reajuste salarial de 10% ainda que em duas parcelas, mas pago no ano de 2022; majoração do vale-alimentação para R$ 850 para todos os funcionários ativos e inativos, desvinculando de qualquer falta justificada.

Também é demanda dos trabalhadores a incorporação do prêmio assiduidade aos vencimentos; negociação dos dias de manifestação dos servidores nos dias 11 e 19 de abril e não execução da multa judicial e devida extinção da ação cautelar promovida pelo Município. 


A contraproposta do Sismar foi protocolada na última terça-feira (10), após assembleia geral dos trabalhadores rejeitarem a divisão do reajuste salarial em duas vezes. O encontro foi realizado em frente a administração municipal, porém, teve baixa adesão dos servidores.

"Não teve resposta até agora, então amanhã vamos acompanhar a sessão da Câmara. Convidamos todos os funcionários para acompanhar de perto, pois não concordamos. O que decidimos em assembleia, só muda em assembleia, nada é mudado fora dela", disse.

"É para acompanhar, até para os vereadores verem que não concordamos com esse projeto assim como foi noticiado por todos os portais de notícias da nossa última assembleia, a última decisão que teve", completou o presidente do Sismar.

Publicidade