Aguarde...

Esse ano votaremos nos

Eleições

Candidatos que são servidores custam R$ 250 mil para Araraquara

Eles são ao todo 34 funcionários de diversas pastas da administração pública

| ACidadeON/Araraquara

Candidatos que são servidores seguem recebendo salário durante campanha (Foto: Amanda Rocha)
 
Os servidores da Prefeitura de Araraquara, que estão concorrendo a algum cargo nas eleições municipais deste ano, ficarão afastados por pelo menos três meses e irão custar aos cofres municipais em média R$ 250 mil. 

Isso ocorre porque os servidores precisam se afastar de três a seis meses, dependendo da função e do cargo pretendido, mas neste período continuam recebendo salário. 

Neste ano, 34 funcionários da Administração concorrem ao pleito, sendo 21 homens e 13 mulheres, que trabalham como professores, enfermeiros, psicólogos, engenheiros, dentistas, assistente social, procurador, gestor financeiro, entre outros.  

Segundo dados disponíveis no Portal da Transparência, o salário líquido desses servidores varia de R$ 300 a R$ 6.243, resultando em um valor mensal de R$ 83.427.  

As pastas em que há mais candidatos são as de Saúde e Educação. São dez em cada uma das pastas, sendo seis professores.
Também solicitaram afastamentos servidores das secretarias de Esporte e Lazer (4), Cultura (2), Desenvolvimento Econômico (2), Desenvolvimento Urbano (2), Gestão Financeira (2), Secretaria de Obras (1) e Procuradoria Geral (1).  

ANÁLISE
Os funcionários públicos são obrigados por lei a deixarem os cargos que ocupam para concorrem às eleições. O objetivo é de garantir que os servidores candidatos não tenham vantagens e evitem que usem da própria Administração pública em benefício pessoal.  

De acordo com o sociólogo Bruno Silva, os servidores públicos podem se afastar e continuar recebendo seus proventos por três, quatro ou seis meses antes das eleições, a depender do cargo que se está concorrendo. 

"Os pesquisadores Humberto Dantas (CLP e FGV) e Fernando Botelho (USP) estimam que os "candidatos servidores" custarão aos cofres públicos nestas eleições mais de R$ 1 bilhão, ou seja, praticamente meio Fundo Especial de Financiamento de Campanhas. Em 2016 sinalizam que esse valor já foi de cerca de R$ 700 milhões. Esse é um volume muito significativo de recursos e pode vir a sinalizar até mesmo utilização de candidaturas sem muitas possibilidades de vitória eleitoral. Aqui em Araraquara essa realidade também pode estar presente considerando os dados levantados pela reportagem do portal ACidadeOn. O que nós, cidadãos, precisamos sempre estarmos muito atentos é com o uso indevido dessa possibilidade prevista em lei que, claro, torna muito cômoda a situação do servidor candidato. Inclusive ficarmos atentos à promessas futuras relacionadas à essas figuras, como promessas de progressão de carreira.", finaliza Bruno Silva.

Mais do ACidade ON