Aguarde...

auto-on

Nissan Kicks: Traços asiáticos

Tome nota

| Auto ON

por Daniel Dias   
AutoMotrix 

Traços asiáticos

O Kicks reestilizado mostrado recentemente na Tailândia será mesmo a base das modificações do crossover produzido no Complexo de Resende da Nissan, no interior do Estado do Rio de Janeiro, a partir de 2021. O novo Kicks seria apresentado aos brasileiros no Salão de São Paulo deste ano, mas a mostra foi cancelada devido à pandemia do coronavírus. Para confirmar que a marca oriental incorporará as mudanças no Kicks nacional, ela registrou desenhos industriais do SUV tailandês na base de dados do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). As peças são iguais às do modelo asiático, com entradas de ar frontais maiores, para-choque, faróis e grade todos novos. Atrás, as alterações são mais discretas em relação ao Kicks vendido atualmente. A grande novidade do SUV será a versão híbrida e-Power, que deve chegar ao Brasil somente em 2022. As configurações "normais" seguirão com o motor 1.6 16V de até 111 cavalos.

Para ianque ver

Veículo mais vendido nos Estados Unidos há quarenta e três anos seguidos, a F-150, picape grande da Série F, teve sua nova geração apresentada ao mercado norte-americano, desenvolvida para ser a mais resistente e versátil de todos os tempos e a mais potente da categoria. "Desde 1948, os clientes da Série F confiam na Ford para ajudá-los a fazer o seu trabalho. A F-150 é nosso carro-chefe e produzida com o mais alto padrão para garantir que nossos clientes façam seu trabalho e continuem fazendo a diferença nas suas comunidades", explica o orgulhoso Jim Farley, diretor de operações da Ford. A nova F-150 elevará o padrão das picapes grandes, com a maior capacidade de reboque, carga útil, torque e potência da categoria, além de novos recursos para aumentar a produtividade, inovações em conectividade e um novo trem de força híbrido PowerBoost de 3,5 litros com gerador de força integrado, o Pro/Power Onboard.  

O novo 3.5 V6 tem 380 cavalos de potência e 48 kgfm de torque e um elétrico de 35 kW (47 cavalos). O propulsor a combustão está acoplado à transmissão automática SelectShift de 10 velocidades Nos EUA, a F-150 utiliza também motores V6 3.3, 3.0 e 2.7 e um V8 5.0. A picape híbrida tem uma autonomia total estimada de mais de 1.100 quilômetros e capacidade máxima de reboque de pelo menos 5,4 toneladas. A nova F-150 representa um grande passo da Ford na oferta de veículos conectados. É a primeira picape grande da América do Norte a vir de série com atualizações sem fio para todos os sistemas do veículo, incluindo desde suporte à manutenção preventiva até novas funções e recursos para melhorar o desempenho. A maioria das atualizações é concluída em menos de dois minutos.  

A picape vem de série em todas as versões com a nova central multimídia Sync 4, ajudando seus proprietários a se manterem conectados e produtivos, com um comando de voz mais natural, mapeamento em tempo real e informações personalizadas sob demanda. Sua tecnologia incorpora mais de dez anos de inovações do Sync, ajudando a reduzir as distrações do motorista com comandos de voz. "Consideramos nosso dever entregar não só o que os clientes desejam e precisam mas também o que eles nunca imaginaram ser possível. A nova F-150 será mais forte que nunca e, com atualizações completas de conectividade sem fio, abre um leque muito maior de aprimoramentos em potencial desde atualizações do sistema até a oferta de novos recursos", completa Craig Schmatz, engenheiro-chefe da F-150, produzida em Dearborn, Michigan, e em Kansas, Missouri. A nova geração da F-150 estará disponível no mercado norte-americano no segundo semestre deste ano. Pelo menos antes da pandemia de coronavírus, havia planos de a Ford importar a F-150 para o Brasil. Agora, provavelmente, foi parar em alguma gaveta.

Ofensiva elétrica

Já é possível de se encomendar na Europa o Volkswagen ID.3 First 100% elétrico, previsto para chegar às concessionárias em setembro, por 38 mil euros (cerca de R$ 225 mil). O carro ainda não tem previsão de ser importado pelo Brasil. "A ofensiva elétrica em grande escala da Volkswagen está iniciando seu caminho com o ID.3. Esse carro destaca a nossa missão de oferecer mobilidade com zero emissões, adequada para uma utilização diária e acessível para todos", destaca Ralf Brandstätter, diretor de Operações da Volkswagen. Pelo preço na Europa, a "acessibilidade para todos" é discutível. Todas as versões do ID.3 First contam com uma bateria de 58 kWh que alimenta um motor elétrico no eixo traseiro, com 150 kW de potência (204 cavalos) e um torque instantâneo de 32 kgfm. A autonomia varia de 300 a 420 quilômetros, conforme as condições de utilização. Graças à capacidade de carregamento rápido, feita em 30 minutos, o elétrico pode andar 290 quilômetros (pelo ciclo WLTP). A longevidade está assegurada, pois a Volkswagen oferece uma garantia de oito anos ou 160 mil quilômetros para as baterias do ID.3. Para sua ofensiva elétrica, a fabricante tem planejado oferecer veículos elétricos em todos os principais segmentos até 2022. A marca pretende se tornar líder mundial no mercado de mobilidade elétrica nos próximos anos e, para isso, investe em todas as marcas do Grupo 33 bilhões de euros (R$ 195 bilhões) em todo o mundo até 2024. Para 2025, a marca alemã estima produzir 1,5 milhão de carros elétricos.

Protocolar

A Jaguar Land Rover retomou a produção em Itatiaia (RJ) e fabricou o primeiro Discovery Sport seguindo as novas medidas de distanciamento social, higiene e saúde, para promover a segurança e o bem-estar dos empregados. O veículo brasileiro saiu da linha de produção após a recente pausa devido à pandemia da Covid-19. Assim como ocorreu na matriz, na Inglaterra, a Jaguar Land Rover Itatiaia retomou as atividades de forma progressiva, implementando diversas mudanças no processo e nos ambientes para assegurar a menor possibilidade de disseminação do coronavírus. "Produzir o Discovery Sport em meio à pandemia e oferecê-lo ao público mostra o quanto nos empenhamos no combate ao vírus e que estamos prontos a iniciar o novo normal. Nossos empregados são prioridade e, como uma equipe, faremos o possível para Stay Safe, Be Kind, Stay Well (algo como Fique Seguro, Seja Gentil, Fique Bem)", discursou João Mattosinho, diretor de Produção da Jaguar Land Rover Brasil.

Olho no motorista

A tecnologia de monitorização do estado e da atenção do motorista será obrigatória em todos os automóveis produzidos na União Europeia a partir de 2022. Conforme dados de vários organismos e autoridades de segurança rodoviária, a falta de atenção ao volante é uma das principais causas de acidentes de trânsito, juntamente com o excesso de velocidade. O inovador sistema "DS Driver Attention Monitoring" combina as câmeras de infravermelhos orientados para o condutor associado ao posicionamento do veículo e as condições de tráfego da rodovia para garantir que quem está atrás da direção permaneça sempre alerta. O dispositivo rastreia os movimentos dos olhos e do pescoço, ao mesmo tempo em que controla desvios repentinos na direção, fazendo soar um alarme para alertar o condutor se forem verificados sintomas de fadiga ou de distração. A tecnologia está disponível no DS 7 Crossback e estará em breve no DS 9. O sistema combina duas câmaras de infravermelhos localizadas sobre o volante e na parte superior do para-brisa.

O pior lado da crise

A Nissan retomará a produção nesta quarta-feira, dia 24 de junho, em Resende (RJ), porém, a marca japonesa reiniciará seus trabalhos na contramão dos apelos da Anfavea, com 16% a menos do quadro funcional, pois trezentos e noventa e oito empregados foram demitidos. Com esse corte, a Nissan se torna a primeira montadora no Brasil a demitir após a quarentena em decorrência do coronavírus. No Complexo, onde trabalhavam 2,5 mil pessoas, a empresa produz os modelos March, Versa e Kicks, e voltará em apenas um turno de trabalho. A marca oriental distribuiu a nota oficial: "A medida foi para garantir a sustentabilidade do seu negócio no país e a travessia deste momento de adversidade". Apesar de a montadora afirmar que não haverá novas dispensas, o sindicato dos metalúrgicos estadual teme por outras demissões, pois as de agora vieram sem qualquer aviso prévio. As demissões levaram em conta as projeções do mercado para este ano, que deve chegar a dezembro com a metade das unidades comercializadas em 2019.

Pneu inteligente

A Sumitomo Rubber Industries, dona das marcas Dunlop, Falken e Sumitomo no Brasil, trabalha no desenvolvimento de uma tecnologia que permitirá verificar a pressão do ar de pneus instalados em veículos autônomos. A partir dos resultados dessa pesquisa, será possível se chegar a um pneu inteligente que contribuirá para a mobilidade da nova geração, e em breve, uma sociedade livre de acidentes. Pelo menos, esse é o melhor dos cenários para um futuro não muito distante. A nova tecnologia prevê a instalação de sensores dentro dos pneus para observar a pressão e a temperatura interna durante o uso. Essas informações permitirão identificar se o pneu, e consequentemente o carro autônomo, estarão com algum tipo de problema. Os dados emitidos pelos sensores são enviados diretamente para o centro de controle de direção dos veículos. O estudo é feito em parceria com o Centro de Pesquisa sobre a Adoção de Sistemas de Transporte da Nova Geração (CRANTS, na sigla em inglês), com base na Universidade de Gunma, no Japão. A tecnologia faz parte da série de novidades que a Sumitomo Rubber Industries vem desenvolvendo para garantir mais segurança no trânsito e menor impacto sobre o ambiente.

Mais do ACidade ON