Publicidade

Auto ON

Aceleramos o maravilhoso Porsche 911 Carrera S conversível

O 911 Cabriolet acelera de 0 a 100 km/h em apenas 3,5 segundos e atinge a velocidade máxima é de 306 quilômetros por hora

| Auto ON -

Porsche 911 Carrera S Cabriolet
  
Vão passando os anos, as gerações e o superesportivo Porsche não para de aumentar a sua legião de fãs. O primeiro Porsche 356 surgiu em 1947 e foi produzido até 1965. Recebeu essa nomenclatura porque era o 356º projeto que saía do escritório de design de Ferdinand Porsche.    
 
Primeiro Porsche 911 Cabriolet
Mas foi em 1963, no Salão de Frankfurt, que surgiria o automóvel que mudaria a indústria dos modelos esportivos: o 911 Boxer, refrigerado a ar, de 130 cavalos que levava o modelo a impressionantes 201 quilômetros por hora. Como 911 era um número registrado pela Peugeot, passou a ser denominado 991 e em 1964 ganhava as ruas. Desde então, a cada geração, o modelo se supera e não para de registrar aumento nas vendas. Em todo o mundo, há filas de espera para adquirir qualquer modelo da linha. No Brasil, a espera pode chegar a quase um ano, ainda mais se for o modelo que avaliamos.

Divino

Na sua oitava geração, o 911 Carrera S Cabriolet é um daqueles carros dos quais você não quer sair de dentro. E se tem que parar, senta numa cadeira na garagem para ficar admirando. E cuidando.

A combinação do modelo que andamos da cor grafite com a capota vinho é simplesmente maravilhosa. 
 

O conjunto da capota vinho com a cor grafite deixam o modelo muito mais charmoso
As linhas da 8º geração deixaram o modelo com uma aparência mais forte e musculosa. As linhas vão se modernizando, mas não mudam. Mudar para quê? Não adianta, é uma obra de arte. Eterna.

Entrar no modelo, mesmo sendo um carro baixo, é muito fácil. Se acomodar, mais fácil ainda. Os bancos concha, com várias regulagens, são muito confortáveis e seguram muito bem o motorista. Atrás, dois bancos que têm dificuldade de acomodar até crianças muito pequenas. Servem como enfeite ou para carregar algum objeto.

Como é tradição nos modelos da marca alemã, a "chave" para acionamento do motor é do lado esquerdo do volante, ao contrário dos demais automóveis. Por quê? Simples. A resposta vem das pistas de corrida. Antigamente, principalmente nas provas de endurance, muito importante para as marcas, os bólidos ficavam de um lado e os pilotos do outro da pista. Quando o diretor de prova determinava a largada, eles corriam, entravam, ligavam os motores, engatavam e saíam. Quanto mais rápido melhor. Então, enquanto a mão esquerda girava a chave para dar partida no motor, a mão direita estava na alavanca de câmbio colocando a primeira. Depois que saíam é que os pilotos afivelavam o cinto de segurança. E a tradição das pistas foi transferida para os carros de rua e permanece até hoje.

Conforto

Mas vamos ao que interessa. O interior é primoroso, com acabamentos da melhor qualidade e muito bonitos. O painel espetacular, com o conta-giros ao centro e vários "relógios" circulares de informações em volta. A tela da central multimídia é de tamanho adequado e muito intuitiva, com vários gráficos em alta resolução. Como num cockpit de um carro de competição, todos os comandos estão perto das mãos ou no volante. 
 
O interior do Porsche 911 Carrera S é muito bonito e luxuoso
Ao centro, no console central, está o seletor de marchas, pequeno e que pode ser operado facilmente com um dedo. Porém, aqui vai a nossa primeira crítica (tem que ser metido): atrás do seletor, estão os controles do ar condicionado.

Na estrada, principalmente, onde estamos ainda mais focados, por duas vezes ao aumentar ou diminuir o ar, tocamos no seletor, que entrou em neutro. Isso é muito perigoso, pois deixa o carro sem "ação". O seletor de marchas poderia e deveria ficar para trás.

Veloz

Ao ligar o Porsche, começa a sinfonia. Mesmo quem não gosta de automóveis se encanta com a música, rouca, alta e maravilhosa que sai dos dois grandes escapamentos. No painel tem um botão no qual o motorista pode diminuir o som, mas para quê? Se não quisesse ouvir essa maravilha, não compraria um Porsche. 
 
O mesmo dinamismo desde 1964
Diferentemente dos demais esportivos, no Porsche é possível aliar o uso normal do dia-a-dia, com um desempenho mais agressivo numa estrada ou até numa competição nos fins de semana. Na Europa e EUA é muito comum os proprietários usarem o 911 para o uso normal na semana e disputarem corridas nos finais de semana. Mesmo assim, o 911 é durinho, firme

O motor de três litros, seis cilindros, boxer, oferece 450 cavalos e 54,1 kgfm de torque. A aceleração é simplesmente espetacular. Ao acelerar o corpo cola no banco. O 911 Cabriolet acelera de 0 a 100 km/h em apenas 3,5 segundos. E a velocidade máxima é de 306 quilômetros por hora (e olha que pesa 1.585 quilos). O câmbio é um PDK de dupla embreagem de oito marchas e a tração é traseira. 
 
Botão seletor dos modos de condução
No volante, um botão redondo permite que se escolha a maneira com que se deseja usufruir do modelo. São cinco modos de condução: Individual (no qual o motorista configura as suas preferências), Wet (mais adequado para pistas molhadas), Normal (mais confortável, dócil e com a suspensão mais macia), Sport (endurece a direção e a suspensão e fica mais agressivo) e a mais interessante, que é a Sport Plus (nessa posição o carro fica quase um modelo de competição, com reações mais ágeis, trocas de marchas mais rápidas e a suspensão dura. Um show).

Aliás, diga-se de passagem, a estabilidade do 911 Cabriolet, em qualquer situação e em qualquer dos modos de condução, é maravilhosa. O carro está na mão e sempre pregado no asfalto. Além do excelente acerto da suspensão (na dianteira é tipo McPherson com barra estabilizadora, independente e molas helicoidais e atrás tipo multibraço com barra estabilizadora, independente e molas helicoidais), conta com a ajuda dos pneus 245/35 R20 na dianteira e 305/30 R21 na traseira. Lógico que também tem a ajuda da eletrônica, mas é muito bem competente.  

Tudo neste carro impressiona, mas um dos destaques é a capacidade dos freios a disco (e enormes) de parar o esportivo. Mesmo nas velocidades mais elevadas, o 911 para em espaços curtos e sem qualquer desvio. E os números refletem isso: o modelo alemão freia de 60 km/h até a imobilidade em 12,4 metros. A 120 km/h a distância é de 48,2 metros.  

Andar nas ruas é absolutamente normal ou quase, afinal você está num modelo que é o sonho de boa parte de quem gosta e até de quem não gosta de automóveis: com toda a certeza, os olhares são de admiração ou inveja. Várias pessoas querem interagir com quem o dirige, geralmente com enormes elogios. Ainda mais quando se abaixa a capota. Aí começa o show. E que maravilha, que sensação de liberdade e de quanto é bom ter dinheiro. 
 
Porsche 911 Carrera S Cabriolet
A capota pode ser acionada com o carro em movimento de até 40 km/h e em menos de 12 segundos ela se abre ou fecha. E o melhor local para se usufruir dessa possibilidade é na estrada. Numa rodovia, como a Bandeirantes, o Porsche 911 está "em casa". Uma viagem de Campinas a São Paulo, para quem faz várias vezes por semana, torna-se monótona, chata. Com o 911 são momentos de puro prazer e felicidade.

E não precisa ir rápido. Logo vem o comentário: "hum já chegou?". Agora, se for acelerando, é muito melhor. Mas chega muito rápido.

Apesar de não ter muito espaço, o esportivo alemão tem um pequeno porta-malas de 130 litros na frente, onde é possível acomodar compras ou duas pequenas maletas. Dá para viajar com as roupas de um final de semana.

O consumo é outro destaque: na cidade fizemos médias superiores a 8 quilômetros por litro e na estrada de 12. Na estrada, acompanhando o tráfego, chegamos a fazer quase 16 quilômetros por litro a 120 hm/h.
Obviamente, esses números desabam quando se acelera. Cada vez que se pressiona o pedal da direita, a gasolina vai diminuindo rapidamente no tanque de 64 litros.

Certa vez, segundo alguns "historiadores", Soichiro Honda (fundador da Honda e que faleceu em 1991) disse que numa estrada com uma motocicleta você não só aprecia a paisagem, você faz parte dela.
Digo que com um Porsche 911 você também faz parte da paisagem. E da vida. E por fim: o 911 Carrera S Cabriolet é sem dúvida um dos esportivos mais espetaculares e agradáveis de dirigir do mercado mundial.


Nota

Durante o teste, na estrada, você tem que se acostumar a levar fechadas porque as pessoas estão adorando o 911 e tem os bobinhos querem te seguir. Na cidade, não é diferente, mas nos semáforos não há quem não olhe. Mas aconteceu um fato muito engraçado. Enquanto filmávamos e fotografávamos (tanto que perdemos alguns materiais), um jovem a bordo de um Mitsubishi Lancer preto, rebaixado, escapamento aberto, nos seguiu por mais de 20 minutos. Alterávamos o nosso trajeto e o rapaz atrás, com o celular na mão. É assalto? Sequestro? Aproveitamos uma avenida sem movimento e fugimos facilmente dele. Voltamos ao trabalho quando, de repente, ele reaparece. Chamou para uma disputa, lógico que ignoramos e reclamamos da perseguição. Ele deu um "ok" e foi embora fazendo muito barulho.

Mais notícias


Publicidade