Publicidade

brasilemundo

Fachin suspende lei de RO que vetava linguagem neutra em escolas e concursos

Fachin suspende lei de RO que vetava linguagem neutra em escolas e concursos

| Estadao Conteudo -

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, suspendeu nesta quarta-feira, 17, uma lei de Rondônia que proíbe a chamada linguagem neutra na grade curricular e no material didático de instituições de ensino, públicas ou privadas, e em editais de concursos públicos.

Em análise preliminar, Fachin viu ofensa à competência privativa da União para legislar sobre diretrizes e bases da educação. O relator destacou ainda que a linguagem inclusiva expressa elemento essencial da dignidade das pessoas e considerou que a proibição questionada 'constitui nítida censura prévia'.

"Os graves vícios que maculam a norma impugnada tornam fortes os argumentos trazidos pela requerente para afastar a norma. O risco de sua imediata aplicação, calando professores, professoras, alunos e alunas, é imenso e, como tal, justifica a atuação excepcional deste Tribunal", ponderou o ministro em sua decisão.

A decisão liminar (provisória) se deu no âmbito de ação impetrada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino e será submetida a referendo do Plenário da corte máxima em sessão virtual prevista para começar no dia 3 de dezembro.

Ao questionar a Lei estadual 5.123/2021, a Confederação alegou que a lei de Rondônia apresenta preconceitos e intolerâncias incompatíveis com a ordem democrática e com valores humanos, a pretexto da defesa do aprendizado da língua portuguesa de acordo com a norma culta e as orientações legais de ensino.

Ao analisar o caso, Fachin registrou que a União editou a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e, embasado nela, o Ministério da Educação edita os parâmetros curriculares nacionais, que estabelecem como objetivo o conhecimento e a valorização das diferentes variedades da língua portuguesa, a fim de combater o preconceito linguístico.

Nessa linha, o ministro avaliou que a lei de Rondônia, ao proibir determinado uso da linguagem, atenta contra as normas editadas pela União, no legítimo exercício de sua competência privativa. "A pretexto de valorizar a norma culta, ela acaba por proibir uma forma de expressão", afirmou.

Já com relação ao conteúdo da norma, Fachin ponderou que o uso da linguagem neutra ou inclusiva visa combater preconceitos linguísticos, que subordinam um gênero a outro, e sua adoção tem sido frequente em órgãos públicos de diversos países e organizações internacionais.

O relator lembrou ainda que o Supremo já decidiu que o direito à igualdade sem discriminações abrange a identidade e a expressão de gênero. A corte máxima também entendeu que a identidade de gênero é a manifestação da própria personalidade da pessoa humana e, como tal, cabe ao Estado apenas o papel de reconhecê-la, nunca de constituí-la. "Proibir que a pessoa possa se expressar livremente atinge sua dignidade e, portanto, deve ser coibida pelo Estado", destacou o ministro.

Fachin também ressaltou que a lei tem aplicação no contexto escolar, ambiente em que, segundo a Constituição, 'devem prevalecer não apenas a igualdade plena, mas também a liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber'.

"As instituições de ensino são expressão máxima dessa garantia (do direito ao livre exercício do pensamento). O ingresso no espaço público está condicionado à educação participativa, inclusiva, plural e democrática que as instituições de ensino promovem. É na educação que o livre debate de ideias, o intercâmbio de visões de mundo e o contraste de opinião têm livre curso. Somente esse ambiente prepara as pessoas para reconhecerem o melhor governo, a melhor decisão, a melhor lei e o melhor argumento. Sem educação não há cidadania. Sem liberdade de ensino e de pensamento não há democracia", escreveu Fachin em seu despacho.

Publicidade

Últimas Notícias

Ministério Público de MG recorre de decisão que transfere julgamento de Brumadinho
Anvisa recomenda restrigir voos da África do Sul e mais 5 países por variante
Com variante do coronavírus, Europa e Ásia reforçam fronteiras
Reino Unido proíbe voos da África do Sul devido a novas variantes
TJSP decreta despejo de Naji Nahas de casa de 5 mil metros quadrados nos jardins
João de Deus é condenado a mais 44 anos de prisão por estupro de quatro mulheres
Fazendeiro recebe nova multa de R$ 1,45 milhão por maus-tratos a búfalos
Conass: Brasil registra 303 mortes e 12.126 casos de covid-19 em 24h
Portugal volta a exigir o uso de máscara e teste de covid-19 para viajantes
Reino Unido e França prometem aumentar cooperação após naufrágio de imigrantes
No segundo turno das eleições no Chile, um embate de radicais
Reino Unido e França prometem aumentar cooperação após naufrágio de imigrantes
África do Sul identifica nova variante do coronavírus com alto número de mutações
Por mim, não teria carnaval, diz Bolsonaro; cidades avaliam realização da festa
Justiça Federal em SE vai julgar ações sobre derramamento de óleo em águas do NE
Alemanha supera 100 mil mortes por covid-19 e tem recorde diário de casos
Delegado da PF é eleito vice-presidente da Interpol nas Américas
Mourão: ação de garimpeiros no Rio Madeira pode ter apoio do narcotráfico
IBGE diz que mortes por covid ainda serão incorporadas em próxima pesquisa
25% dos adultos da UE ainda não estão vacinados, diz Ursula von der Leyen

Publicidade

Viu Essa?

Juliette namorando o ex de Anitta? Entenda o caso
Confira o resumo das novelas: Malhação, Nos Tempos do Imperador, Quanto Mais Vida Melhor e Um Lugar ao Sol
Leonardo explica motivo de usar regata no casamento de Zé Felipe e Virgínia

Mais notícias


Publicidade