Publicidade

brasilemundo

Ex-conselheiro de Trump, é intimado em investigação sobre invasão do Capitólio

Ex-conselheiro de Trump, é intimado em investigação sobre invasão do Capitólio

| Estadao Conteudo -

O comitê da Câmara dos Estados Unidos que investiga a invasão do Capitólio, em 6 de janeiro, intimou na segunda-feira, 22, o antigo aliado de Donald Trump, Roger Stone, e Alex Jones, o dono do site Infowars, considerado um dos principais influenciadores da extrema-direita americana. Ambos são acusados de envolvimento no comício chamado de 'Stop the Steal', que resultou no ataque em 6 de janeiro.

O comitê pediu que Stone e Jones testemunhem em 17 e 18 de dezembro, respectivamente, e fornecessem ao painel os documentos solicitados até 6 de dezembro.

O deputado Bennie Thompson (democrata do Mississipi), presidente do comitê, escreveu que Jones participou da coordenação do comício que precedeu o ataque ao Capitólio, junto com sua promoção das falsas alegações de fraude eleitoral usadas por Trump e encorajar as pessoas a viajarem a Washington para o comício de 6 de janeiro.

Thompson cita a aparição de Roger Stone em comícios em 5 de janeiro na frente da Suprema Corte e no Freedom Plaza, em Washington, como motivo para a intimação, junto com seu uso dos "Oath Keepers como guardas de segurança pessoal, vários dos quais estiveram supostamente envolvidos no ataque ao Capitólio e em pelo menos um deles foi indiciado". Os Oath Keepers são uma milícia armada americana de extrema-direita.

Os papéis que as figuras de extrema direita desempenharam na invasão do Capitólio em 6 de janeiro - e seus laços potenciais com aqueles que cometeram violência no motim - também estão sendo investigados pelo Departamento de Justiça e pelo FBI. A investigação está em andamento.

Os investigadores têm trabalhado para determinar se Stone e Jones, o responsável pelo site InfoWars e pelo podcast de mesmo nome, devem enfrentar acusações criminais em potencial por influenciar os invasores do Capitólio por meio de suas redes e ações.

Em um comunicado, Stone disse que ainda não recebeu a intimação, mas negou qualquer responsabilidade pela violência em 6 de janeiro.

"Eu disse várias vezes que não tinha conhecimento prévio dos eventos que aconteceram no Capitólio naquele dia", afirmou ele. "Qualquer declaração, reclamação, insinuação ou relatório alegando, ou mesmo implicando, que eu tive qualquer envolvimento ou conhecimento sobre a prática de quaisquer atos ilegais por qualquer pessoa ou grupo em ou ao redor do Capitólio dos EUA ou em qualquer lugar em Washington em 6 de janeiro de 2021, é categoricamente falsa."

Stone, um confidente de longa data de Trump, ampliou as falsas afirmações do ex-presidente dos EUA de que a eleição de 2020 foi roubada e repleta de fraudes eleitorais nas semanas que antecederam o ataque.

Registros e documentos revisados pelo The Washington Post mostram que Jones e Stone promoveram grupos extremistas como os Proud Boys e os Oath Keepers e têm ligações com indivíduos que já foram acusados pelo governo de coordenar e planejar o ataque ao Capitólio.

Jones espalhou inúmeras alegações falsas sobre uma variedade de tópicos ao longo dos anos, e os tribunais decidiram recentemente que ele deve pagar indenização por perdas e danos em ações movidas por famílias de oito pessoas mortas no tiroteio em massa de 2012 na Escola Elementar Sandy Hook, depois que ele disse que o ataque foi uma "farsa". Jones não respondeu a um pedido de comentário do Washington Post.

Taylor Budowich, um atual porta-voz de Trump, também foi intimado na segunda-feira e foi convidado a produzir documentos e comparecer para um depoimento em 16 de dezembro. COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Mais notícias


Publicidade