Publicidade

brasilemundo

Para conter covid, Itália restringe acesso de não vacinados a locais fechados

Para conter covid, Itália restringe acesso de não vacinados a locais fechados

| Estadao Conteudo -

A Itália vai restringir o acesso de pessoas não vacinadas contra a covid-19 a alguns locais fechados, em um esforço para evitar um aumento nas infecções, no momento em que a Europa enfrenta a quarta onda da pandemia.

Nesta quarta-feira, 24, o governo aprovou um decreto permitindo que apenas aqueles que foram vacinados ou se recuperaram recentemente do coronavírus entrem em locais como cinemas, restaurantes e hotéis a partir de 6 de dezembro.

Além disso, qualquer pessoa que usar transporte público terá que ser vacinada ou apresentar teste negativo. As medidas vão durar até 15 de janeiro.

O país também deve estender a vacinação obrigatória, já em vigor para profissionais de saúde, a professores e policiais a partir de 15 de dezembro. A aplicação da dose de reforço será compulsória para o pessoal sanitário.

A reunião desta quarta foi convocada pelo primeiro-ministro Mario Draghi para discutir o endurecimento das medidas sanitárias contra a pandemia, mas sem punir aqueles que se vacinaram - pouco mais de 84% do público-alvo, de acordo com o Ministério da Saúde.

Apesar de apresentar um índice de imunização de 72,7% da população, acima da média da União Europeia, a Itália tem cerca de 7 milhões de pessoas aptas a se imunizar que não tomaram nem sequer a primeira dose, o que deixa espaço para os casos continuarem subindo.

O país registrou nesta quarta mais 12.448 casos e 85 mortes por covid-19, de acordo com boletim do Ministério da Saúde local. A média móvel de contágios diários em sete dias subiu pela 22ª vez consecutiva e atingiu 10.192, alta de 64% na comparação com duas semanas atrás, enquanto a de mortes subiu de 62 para 64, cifra 38% maior do que há 14 dias. O número de mortes desta terça é o maior desde 10 de junho.

Com as medidas adotadas nesta quinta, 25, o Gabinete de Draghi torna ainda mais rígido o "passe verde", certificado sanitário exigido para o acesso a praticamente todas as atividades no país, inclusive locais de trabalho.

Atualmente, o passaporte pode ser obtido por vacinados, recém-curados ou testados contra a Covid, mas o governo vai restringi-lo às duas primeiras categorias, já que italianos antivacina preferem fazer de dois a três exames por semana a se imunizar.

Apelidado agora de "superpasse verde" pela imprensa italiana, o passaporte que só admite vacinados e curados vai valer para atividades de lazer, como academias, cinemas e eventos esportivos, mas não para locais de trabalho, que ainda admitirão indivíduos que tenham sido apenas testados.

Quarentena na Eslováquia

Nesta quarta, a Eslováquia também endureceu as medidas para conter a pandemia e anunciou um confinamento de 15 dias para conter a explosão nos novos casos, seguindo o modelo adotado pela vizinha Áustria.

De acordo com o ministro da Economia, Richard Sulík, a medida entra em vigor já nesta quinta-feira, apenas três dias depois de o país ter iniciado um confinamento de pessoas não vacinadas contra o novo coronavírus. A Eslováquia tem uma das taxas de vacinação mais baixas da União Europeia, com apenas 42,8% da população totalmente vacinados.

Com o confinamento, restaurantes e lojas de artigos não essenciais serão fechados, medida semelhante àquela implantada pela Áustria no início da semana. O país contabiliza 1,1 milhão de casos e 14,1 mil mortes desde o início da pandemia, mas 224 mil contágios (20%) e 1.050 óbitos (7,5%) ocorreram apenas nos últimos 28 dias, de acordo com o monitoramento da Universidade Johns Hopkins.

Na semana passada, a Holanda se tornou o primeiro país europeu a voltar à quarentena após um aumento de casos de covid-19. A Europa vive uma nova onda, principalmente entre não vacinados, e as infecções bateram recordes em partes do continente nesta quarta-feira. O Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças (ECDC), a agência de saúde pública da União Europeia, recomendou reforços de vacinas para todos os adultos, com prioridade para maiores de 40 anos.

Além da Eslováquia, República Tcheca, Holanda e Hungria relataram novos aumentos de infecções diárias, conforme o inverno atinge a Europa e as pessoas se reúnem em ambientes fechados antes do Natal, terreno fértil para a transmissão da doença.

700 mil mortos a mais

A Europa pode registrar 700 mil mortes adicionais por coronavírus nos próximos meses, chegando à marca de 2,2 milhões de vidas perdidas para a doença em março do próximo ano, informou nesta terça-feira, 23, a Organização Mundial da Saúde.

De acordo com a previsão, os leitos hospitalares de 25 países deverão estar sob alta ou extrema pressão no dia 1º de março de 2022. O mesmo deve acontecer com as unidades de terapia intensiva em 49 dos 53 países que fazem parte da zona europeia da OMS (que inclui Rússia e outras ex-repúblicas soviéticas, além da Turquia).

"A região europeia ainda está sob os efeitos da covid-19. Na última semana, as mortes registradas aumentaram para quase 4.200 por dia, o que é o dobro das 2.100 mortes diárias registradas no final de setembro", destacou a OMS em comunicado. "A situação é muito grave", afirmou o diretor regional da agência na Europa, Hans Kluge, apelando à reintrodução de medidas de distanciamento, higiene e uso de máscaras.

A Europa enfrenta a variante Delta, prevalente em seu território e altamente contagiosa. Apesar disso, há um afrouxamento de restrições sanitárias em diversos países.

A vacinação também vem sendo um problema. Na União Europeia, 67,7% da população está totalmente imunizada, embora os países do continente tenham há muito tempo doses suficientes para imunizar toda a sua população.

Há uma verdadeira divisão leste-oeste, segundo dados do Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças (ECDC). Na Europa Oriental, as taxas de imunização são extremamente baixas: 53% na Polônia, 45% na Eslováquia, 35% na Romênia e 24% na Bulgária. A Europa Ocidental tem melhores taxas de vacinação, embora os dados dentro dela não sejam homogêneos. Irlanda, Portugal, Dinamarca e Espanha, por exemplo, vacinaram cerca de ¾ de suas populações; Holanda, 68%; Alemanha, 67%; Grécia, 61% e Áustria, 58%.

Enquanto isso, a incidência cumulativa está avançando rapidamente e ultrapassa mil casos em países como Bélgica, Holanda, Irlanda, Áustria, República Tcheca, República Tcheca, Eslovênia e Croácia, de acordo com dados de segunda-feira, 22, do observatório britânico Our World in Data. As infecções avançam rapidamente e alguns hospitais estão começando a ficar sob pressão. "Um inverno difícil nos espera", disse Kluge. (COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS)

Publicidade

Últimas Notícias

Ministério Público de MG recorre de decisão que transfere julgamento de Brumadinho
Anvisa recomenda restrigir voos da África do Sul e mais 5 países por variante
Com variante do coronavírus, Europa e Ásia reforçam fronteiras
Reino Unido proíbe voos da África do Sul devido a novas variantes
TJSP decreta despejo de Naji Nahas de casa de 5 mil metros quadrados nos jardins
João de Deus é condenado a mais 44 anos de prisão por estupro de quatro mulheres
Fazendeiro recebe nova multa de R$ 1,45 milhão por maus-tratos a búfalos
Conass: Brasil registra 303 mortes e 12.126 casos de covid-19 em 24h
Portugal volta a exigir o uso de máscara e teste de covid-19 para viajantes
Reino Unido e França prometem aumentar cooperação após naufrágio de imigrantes
No segundo turno das eleições no Chile, um embate de radicais
Reino Unido e França prometem aumentar cooperação após naufrágio de imigrantes
África do Sul identifica nova variante do coronavírus com alto número de mutações
Por mim, não teria carnaval, diz Bolsonaro; cidades avaliam realização da festa
Justiça Federal em SE vai julgar ações sobre derramamento de óleo em águas do NE
Alemanha supera 100 mil mortes por covid-19 e tem recorde diário de casos
Delegado da PF é eleito vice-presidente da Interpol nas Américas
Mourão: ação de garimpeiros no Rio Madeira pode ter apoio do narcotráfico
IBGE diz que mortes por covid ainda serão incorporadas em próxima pesquisa
25% dos adultos da UE ainda não estão vacinados, diz Ursula von der Leyen

Publicidade

Viu Essa?

Juliette namorando o ex de Anitta? Entenda o caso
Confira o resumo das novelas: Malhação, Nos Tempos do Imperador, Quanto Mais Vida Melhor e Um Lugar ao Sol
Leonardo explica motivo de usar regata no casamento de Zé Felipe e Virgínia

Mais notícias


Publicidade