Aguarde...

ACidadeON Campinas

Campinas
mín. 20ºC máx. 36ºC

Ponte Preta precisa atingir marca inédita no ano para conquistar acesso

Sequência de cinco vitórias consecutivas é a única que interessa à Macaca para voltar à Série A do ano que vem

| Especial para ACidade ON

O técnico Gilson Kleina, em seis jogos no comando da Ponte nesta Série B, conseguiu 5 vitórias e um empate (Foto: PontePress /FábioLeoni) 

Três jogos, contas a fazer e adversários para secar. Na reta final da Série B a Ponte Preta não depende apenas de si, mas já sabe que para buscar o acesso à elite, terá que conquistar algo inédito no ano: chegar a marca de cinco vitórias consecutivas. O máximo que a Macaca conseguiu em 2018 foram três triunfos seguidos em duas oportunidades, ambas na competição nacional. Depois de vencer São Bento e Boa Esporte, chegou a hora de quebrar essa marca e sonhar com a Série A.

A primeira trinca de vitórias foi conquistada pelo mesmo placar: 2 a 0 entre as rodadas 13 e 15. Venceu o Figueirense, fora de casa, depois passou pelo Fortaleza no Moisés Lucarelli, e derrotou o São Bento em Sorocaba naquela que foi a melhor sequência do time na competição. Já a segunda vez em que a Macaca venceu três partidas seguidas foi no segundo turno, entre as rodadas 30 e 32. O time abriu a sequência de vitória contra o CRB, pelo placar mínimo, e depois venceu CSA e Figueirense, ambos por 2 a 1.

Para buscar o acesso, a Ponte terá que vencer novamente mais dois jogos longe de Campinas. O primeiro desafio será nesta sexta-feira (09), contra o Juventude, fora de casa. O time de Caxias do Sul é o 18º colocado e, brigando para não cair, promete dar trabalho à Macaca. Quatro dias depois recebe o Coritiba, que já não disputa mais nada, no Moisés Lucarelli. O jogo que pode definir a última vaga na elite claro, se vencer os outros dois será no dia 24 de novembro. A equipe vai até Florianópolis encarar o Avaí, atual quarto colocado com 57 pontos, quatro a mais que a Ponte.

Pra chegar viva no dia 24, porém, é preciso vencer os dois jogos que o antecedem. Não vai ser fácil, mas o sonho do acesso continua vivo pelos lados do Majestoso.