Publicidade

brasilemundo

Em SP: empresa que intermediou contrato de vacina é alvo de operação da PF

Busca e apreensão envolvem endereços da Precisa em SP

| ACidadeON Campinas -

Ainda segundo a cúpula da CPI, a operação tem como objetivo a busca e apreensão de informações relativas ao contrato entre a Precisa Medicamentos e a empresa indiana Bharat Biotech. (Foto: Fábio Rodrigues-Pozzebom/Agência Brasil)
 

A Polícia Federal realiza, hoje (17), operação de busca e apreensão na sede da Precisa Medicamentos, nas cidades de Barueri e Itapevi, no estado de São Paulo. 
 
LEIA TAMBÉM 
Campinas sedia 1ª edição do programa Retoma SP; veja serviços oferecidos 
Voo de Campinas a Boa Vista será o mais longo do Brasil


"A operação é cumprimento de solicitação realizada pela Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado Federal para apurar ações e omissões no enfrentamento da pandemia da covid-19 no Brasil (CPI da Pandemia), sob decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal, através de sua Excelência, o Ministro Dias Toffoli", diz nota divulgada pelo presidente, vice-presidente e relator da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), Randolfe Rodrigues ( Rede- AP) e Renan Calheiros (MDB-AL), respectivamente.

Ainda segundo a cúpula da CPI, a operação tem como objetivo a busca e apreensão de informações relativas ao contrato entre a Precisa Medicamentos e a empresa indiana Bharat Biotech, assim como todos os documentos relacionados ao contrato.

"A CPI buscou de todas as formas obtenção dessas informações junto à empresa e ao Ministério da Saúde, não obtendo êxito. Devido a isso, se fez necessária a utilização deste instrumento judicial", justificaram os senadores.

Histórico 

A Precisa foi a empresa que intermediou o contrato entre o Ministério da Saúde e a farmacêutica Bharat Biotech para a compra de 20 milhões de doses da vacina Covaxin ao custo de R$1,6 bilhão. A empresa entrou na mira da CPI após a comissão ter recebido denúncias de irregularidades no contrato. O acordo foi cancelado em agosto pelo Ministério da Saúde.

Por meio de nota assinada pelos advogados Ticiano Figueiredo e Pedro Ivo Velloso, a Precisa Medicamentos classificou como "inadmissível, num estado que se diz democrático de direito, uma operação como essa de hoje". Ao contrário do que diz a cúpula da comissão de inquérito, a empresa ressalta que entregou "todos os documentos à CPI", além de três representantes da empresa terem prestado depoimento ao colegiado.

Segundo os advogados, sempre que intimados, os representantes da Precisa prestaram depoimentos à PF, à Controladoria-Geral da União (CGU), além de ter entregue toda documentação ao Ministério Público Federal (MPF) e ao Tribunal de Contas da União (TCU).

"A operação de hoje é a prova mais clara dos abusos que a CPI vem cometendo, ao quebrar sigilo de testemunhas, ameaçar com prisões arbitrárias quem não responder às perguntas conforme os interesses de alguns senadores com ambições eleitorais e, agora, até ocupa o Judiciário com questões claramente políticas para provocar operações espalhafatosas e desnecessárias", argumentam os advogados. A defesa diz ainda que a "CPI, assim, repete o modus operandi da Lava Jato, com ações agressivas e midiáticas". "E essa busca e apreensão deixará claro que a Precisa Medicamentos jamais ocultou qualquer documento", afirmam.

Publicidade

Últimas Notícias

Santa Catarina passa a adotar número de RG igual ao do CPF em novembro
MSD amplia fabricação de versão genérica de antiviral contra covid-19
Alerj aprova liberação do uso de máscaras ao ar livre no estado do Rio
Covid-19: mais de 18 milhões estão com segunda dose da vacina atrasada
Aumento de temperatura pode chegar a 2,7 graus no século, alerta ONU
Álcool demais entre idosos já desafia a saúde pública
Pesquisadores da USP planejam testes para usar rim suíno em humanos
São Silvestre terá apenas atletas vacinados e não permitirá público na Paulista
Jogos de Inverno de Pequim 2022 terá testes diários de covid-19 e restrição de circulação
Correios instalam terminal de autoatendimento locker na Paulista
Rússia bate novo recorde de mortes por covid-19
Vacina da Pfizer-BioNTech em crianças de 5 a 11 anos atende a critérios, diz FDA
Semana Lixo Zero quer incentivar práticas sustentáveis no país
Morte violenta atinge 6,97 mil crianças e adolescentes por ano no país
Municípios investem 34% a mais em saúde, mas quadro fiscal preocupa
Rio pode liberar máscaras em locais abertos na próxima semana
Moscou adotará medidas de lockdown para conter alta da covid-19
Polícia Federal investiga crimes de corrupção contra Petrobras
Dez anos após morte de Kadafi, Líbia é criticada por crise humanitária
Covid-19: nova mutação da delta foi identificada nos EUA, mas não provocou surtos

Publicidade

Viu Essa?

Entenda por quê Zé Vaqueiro não convidou a mãe para o seu casamento
Zé Neto entra com processo contra Luisa Mell após ser acusado de maus-tratos a animais
Atriz diz que não acredita no celibato do Padre Fábio de Melo e recebe críticas

Mais notícias


Publicidade