Publicidade

brasilemundo

China enfrenta severa desaceleração econômica com tolerância zero contra covid-19

Medidas fazem situação parecer com uma recessão, problema que não assola o país há décadas

| Estadao Conteudo -

Bandeira da China
 

Atravancada pela política de tolerância zero de Pequim contra a covid-19, a China está enfrentando um período de crescimento mais fraco. De forma jocosa, economistas já estão até usando o termo "recessão" para descrever essa fase. Uma recessão normalmente significa dois trimestres seguidos de contração, e isso continua sendo improvável na China, segundo muitos analistas. O país dispõe de muitas formas para garantir expansão econômica mais forte do que os EUA e a Europa este ano, incluindo a capacidade de deflagrar pesados gastos do governo.

Economistas dizem, porém, que as condições subjacentes, agravadas pelos lockdowns motivados por surtos de covid-19 em Xangai e em outras cidades, estão começando a se parecer mais com uma recessão, problema que não assola a China há décadas.

Milhões de recém-formados estão com dificuldades de encontrar emprego. Empresas estão menos confiantes. As importações despencaram e, preocupados, os chineses estão poupando mais.

No fim de semana, PMIs oficiais mostraram contrações nos setores manufatureiro e de serviços pelo segundo mês consecutivo em abril, atingindo os menores níveis desde o início da pandemia em 2020.

Em meados do mês passado, a produção de cimento estava em menos de 40% da capacidade total. Os embarques de smartphones tiveram uma queda anual de 18% no primeiro trimestre. As vendas de escavadores na China foram 61% menores em abril do que no mesmo mês do ano passado.

Os desafios da China vão além dos últimos lockdowns. O impacto da guerra na Ucrânia impulsionou os custos das empresas chinesas e contribuiu para o enfraquecimento da demanda por suas exportações. Incursões regulatórias atingiram setores em franca expansão, como tecnologia e educação. A indústria imobiliária, importante catalisador da economia doméstica, entrou em queda livre no ano passado, à medida que as incorporadoras acumularam dívidas e as vendas de moradias sofreram um tombo.

Qualquer desaceleração sustentada da China será sentida em âmbito global, privando a economia de um de seus motores mais confiáveis num momento em que pressões inflacionárias e ligadas à guerra russo-ucraniana alimentam temores de recessão nos EUA e Europa este ano. No primeiro trimestre, o PIB americano encolheu a uma taxa anualizada de 1,4%, de acordo com números divulgados na semana passada.

A expectativa era que a China respondesse por um quarto do crescimento econômico mundial no período de cinco anos até 2026, conforme projeção anunciada pelo FMI (Fundo Monetário Internacional) no ano passado.

Países exportadores de commodities como o Brasil, que dependem da demanda chinesa por produtos como minério de ferro e outros metais, podem enfrentar um declínio na demanda. Já exportadores de componentes e máquinas para a China, caso de Taiwan, Coreia do Sul e Japão, viram suas vendas se enfraquecer após os lockdowns fecharem fábricas chinesas.

Autoridades chinesas vêm prometendo que farão a economia se recuperar, sem abandonar sua rígidas medidas de controle da covid-19.

O presidente Xi Jinping, que pretende garantir um terceiro mandato num importante encontro político que ainda ocorrerá este ano, defendeu uma abrangente campanha para impulsionar o crescimento por meio de mais investimentos em infraestrutura. Nos últimos anos, Pequim vinha mostrando relutância em usar esse tipo de estratégia por temer uma piora da questão do endividamento na China.

Outros planos incluem a distribuição de cupons de consumo e ações para conter campanhas regulatórias que comprometeram a expansão dos setores de tecnologia e imobiliário.

Muitos economistas, porém, estão decepcionados com o comportamento do governo chinês até agora. O Banco do Povo da China (PBoC, pela sigla em inglês) reduziu compulsórios bancários recentemente, mas vem mantendo os juros estáveis desde janeiro, receosos de que os investidores busquem retornos mais robustos em outras partes. Fonte: Dow Jones Newswires.

Publicidade

Últimas Notícias

Covid-19: em 24 horas, país teve 17.355 mil novos casos e 92 mortes
Inmet prevê frio em todo o país a partir de domingo
Urso-de-óculos do zoológico de Piracicaba será transferido para santuário
Anvisa autoriza serviço de bordo e mantém uso de máscaras em voos
Comprovante de vacinação agora pode ser acessado offline
Anvisa prorroga por 1 ano uso emergencial de vacinas contra a covid-19
Ubatuba cobrará taxa de turistas a partir de junho; carros vão pagar R$ 13
Paraquedista morto em queda de avião era de Piracicaba
Avião com 9 pessoas cai em estrada de Boituva
Polícia investiga morte de sete cães por suspeita de envenenamento
Ronnie Lessa, suspeito de matar Marielle, é alvo de Operação Calígula no Rio
Veja os 7 questionamentos das Forças Armadas e as respostas do TSE
Processo para Ucrânia entrar na UE poderia levar várias décadas, afirma Macron
Zelensky expressa confiança em vitória da Ucrânia na guerra contra a Rússia
Crianças ucranianas que vieram ao Brasil tentam recompor suas vidas
Estudo identifica substância que pode conter avanço de Parkinson
Acidente com ônibus de dupla sertaneja deixa ao menos seis mortos
Bandidos invadem fazenda e esquartejam vacas em Limeira
Hepatite infantil misteriosa: Saúde investiga 7 casos suspeitos no País
Espera de entrevista para visto norte-americano chega a 354 dias em SP

Publicidade

Viu Essa?

Confira o resumo das novelas: Além da Ilusão, Quanto Mais Vida Melhor e Um Lugar ao Sol
Juliette estreia nos palcos de São Paulo: Ansiedade por esse momento
Cauã Reymond fala da importância da terapia e que precisou para se achar mais bonito

Mais notícias


Publicidade