Conta de luz: CPFL busca clientes para Tarifa Social em Campinas Conta de luz: CPFL busca clientes para Tarifa Social em Campinas

Conta de luz: CPFL busca clientes para Tarifa Social em Campinas

Benefício dá descontos de até 65% na conta de energia; consumidores de Campinas e região devem atualizar dados

CPFL Paulista busca clientes para cadastro na Tarifa Social (Foto: Denny Cesare/ Código 19)
 

A CPFL Paulista busca clientes de Campinas para pagar contas de luz mais baratas através da Tarifa Social. O mesmo acontece em outras cidades da região que são atendidas pela empresa. Os descontos podem chegar a 65%.

A intenção do trabalho feito pela concessionária é identificar beneficiários que, por algum motivo, ainda não estejam cadastrados. Em Campinas, segundo um levantamento, mais de 22 mil usuários poderiam ser incluídos nos cadastros.

Atualmente, 30% dos clientes que se enquadram no perfil do programa ainda não procuraram o benefício na área de concessão da CPFL Paulista no estado.   

LEIA MAIS

IBGE tem 604 vagas para recenseador em Campinas

Mistério: cofre de 150 kg é encontrado no Viaduto Cury, em Campinas

Trabalho: empresa de Campinas abre 100 vagas; veja detalhes

OS NÚMEROS

Para identificar pessoas com dificuldades financeiras, a empresa fez parcerias com unidades do Cras (Centro de Referência de Assistência Social). Veja os dados da cidade e de outros municípios da região que são atendidos pela CPFL:

Campinas

- Clientes cadastrados atualmente: 37.915

- Consumidores que podem se beneficiar: 22.455

- Total estimado na cidade: 60.370


Sumaré

- Clientes cadastrados atualmente: 12.549

- Consumidores que podem se beneficiar: 15.470

- Total estimado na cidade: 2.921


Hortolândia

- Clientes cadastrados atualmente: 11.713

- Consumidores que podem se beneficiar: 12.788

- Total estimado na cidade: 1.075


COMO SE CADASTRAR

O consultor de relacionamento da CPFL, Juliano Garcia Campos, diz que o programa beneficia famílias com renda per capita de meio salário mínimo - R$ 606 - e que estejam no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais).

'Também têm direitos famílias indígenas ou quilombolas que estão cadastradas no CadÚnico, famílias que tenham uma renda de até três salários mínimos, mas que tenham pessoas que dependem de equipamentos de saúde que utilizem energia, assim como idosos e pessoas com deficiência', enumera Campos.

Por esse motivo, ele explica que é necessário que os responsáveis por essas famílias procurem os Cras para atualizar ou fazer os cadastros, já que a empresa determina a inclusão do cliente através do cruzamento dos dados sociais.

Para mais informações, os interessados podem acessar o site cpfl.com.br.

LEIA TAMBÉM
Adoção tardia: 6 curiosidades sobre meu filho Tendai, nascido no Malawi


Mais Notícias

Mais Notícias