Estiagem severa deve atingir região até julho, prevê Daee Estiagem severa deve atingir região até julho, prevê Daee

Estiagem severa deve atingir região até julho, prevê Daee

Expectativa de seca preocupa diante de baixa vazão do Rio Atibaia na região de Campinas

Ponto de captação de Valinhos no Rio Atibaia (Foto: Divulgação)
 

Após atingir 65% do volume de chuva esperado para abril, a região de Campinas deve ter pela frente um período severo de seca em maio, junho e julho, conforme a previsão do Consórcio das Bacias dos rios Piracicaba, Capivari e Jundiaí.

Conforme o coordenador de projetos do consórcio, José Cesar Saad, choveu até o momento 37 milímetros dos 57 milímetros da média histórica, o que preocupa por conta dos níveis dos reservatórios que abastecem a região e o estado.

'No Sistema Cantareira, que é nossa grande reserva, a chuva está em 16% da média histórica. Os institutos de meteorologia indicam que maio, junho e julho terão chuvas abaixo da média histórica, o que indica uma estiagem severa', diz.

Com a vazão 45% abaixo do esperado no ponto de captação de Paulínia e de 33% no ponto da cidade de Valinhos, o Rio Atibaia comprova os reflexos da estiagem em baixa, já que a vazão registrada este mês é de 12,49 metros cúbicos por segundo.

Os dados foram registrados durante o monitoramento do Daee (Departamento de Águas e Energia Elétrica). No ponto de captação de Valinhos, por exemplo, a vazão é de 18,87 metros cúbicos por segundo, índice 33% abaixo da média para o mês.

Em Paulínia, o dado é 45% menor que os 26,39 m³/s esperados para este mês.

MONITORAMENTO

Responsável pelo monitoramento do panorama hídrico em todo o estado de São Paulo, a sala de situação do Daee aponta que os últimos anos têm sido críticos.

A coordenadora do departamento, Ísis da Silva Franco explica que a piora foi indicada após observação em 50 estações espalhadas pelo território paulista.

'Monitoramos chuva, nível e vazão. Essas informações nos auxiliam no monitoramento das inundações e da estiagem na bacia. O que a gente tem verificado nos últimos tempos, nos últimos anos, é que tem se agravado', conclui.

Mais Notícias

Mais Notícias