Aguarde...

ACidadeON Campinas

Campinas
mín. 20ºC máx. 36ºC

Cotidiano

Número de mortes no trânsito volta a crescer após 4 anos

Foram 86 mortes em acidentes de trânsito em Campinas, um aumento de 16,2% em relação a 2016 (74 casos)

| ACidadeON/Campinas

Emdec lançou a campanha Viva no trânsito. (Foto: Denny Césare/Código 19)

O número de vítimas fatais em acidentes de trânsito na área urbana de Campinas voltou a crescer após quatro anos, de acordo com o Caderno de Acidentalidade divulgado pela Emdec (Empresa Municipal de Desenvolvimento de Campinas) nesta terça-feira (26).

O relatório é relativo a 2017. Foram 86 mortes em acidentes de trânsito em Campinas, um aumento de 16,2% em relação a 2016 (74 casos). Foi a primeira vez desde 2013 em que houve aumento nos casos. Desde daquele ano, o índice estava em queda.

O número de acidentes com vítimas, no entanto, diminuiu 12% de 2016 para 2017. Também houve queda, de 22,6%, no número de atropelamentos. "Os acidentes estão diminuindo, mas a gravidade da ocorrência aumentou", disse Carlos José Barreiro, secretário de Transportes e presidente da Emdec, durante a apresentação dos dados, nesta terça.

Apesar do aumento, a Emdec compara os índices de Campinas com os de outros países para dizer que a situação não é tão ruim. Segundo o órgão, o índice de mortes no trânsito a cada 100 mil habitantes na cidade é de 7,27, contra 9,2 em países de alta renda, 18,4 em países de renda média e 24,1 em países de baixa renda.

"Temos duas grandes preocupações: os pedestres e os jovens motociclistas. São nossas principais vítimas de mortalidade no trânsito. Já o álcool e a velocidade são os principais fatores que aumentam os riscos e a gravidade dos acidentes", afirmou o secretário.

Os acidentes fatais ocorrem, principalmente, no fim de semana. A sexta-feira, o sábado e o domingo concentraram 57% das ocorrências. Em 2017, 50% das vítimas faleceram no local do acidente. No ano anterior, 40,5%.

Também tem destaque no balanço da acidentalidade a quantidade de atropelamentos fatais envolvendo ônibus do sistema de transporte público coletivo municipal. Das 31 mortes por atropelamentos, oito foram por ônibus (ou 27% do total).

"Sendo que a frota de ônibus representa 0,6% da frota total licenciada no município", destaca o relatório da Emdec.

"VIVA"

A Emdec também lançou nesta terça a campanha "Viva", que reúne uma série de ações que buscam a redução de, no mínimo, 15% nas mortes por acidentes de trânsito no município.

Estão no projeto, além de vídeo que será veiculado na mídia, ações na área de Educação, Engenharia, Fiscalização e Prevenção. A campanha será realizada até novembro.

Ela também envolve a realização de sete grandes projetos de engenharia de trânsito; pintura em faixas de pedestre, em locais estratégicos, da palavra "VIVA"; e a reativação do Observatório Municipal de Trânsito.

Os recursos, da ordem de R$ 3,2 milhões, são provenientes do Departamento de Trânsito de São Paulo (Detran.SP), por meio do Movimento Paulista de Segurança no Trânsito.

Veja também