Aguarde...

Cotidiano

Campinas terá montagem da ópera "O Guarani" após 34 anos

Apresentações da Orquestra farão homenagem a Beethoven e a Carlos Gomes

| ACidadeON Campinas

Sinfônica de Campinas começa calendário 2020 neste final de semana (Foto: Renan Lopes/ACidade ON Campinas)

A OSMC (Orquestra Sinfônica Municipal de Campinas) inicia a temporada 2020 neste final de semana. Os concertos que abrem o calendário começam neste sábado (7) às 20h, no Teatro Castro Mendes, e no domingo (8), às 18h, na Concha Acústica da Lagoa do Taquaral. Ambos têm entrada gratuita.  

A temporada de 2020 terá mais de 80 apresentações no ano, e presta homenagem aos 250 do nascimento de Beethoven, um dos maiores compositores da história, e aos 150 anos da estreia da ópera "O Guarani", do compositor campineiro Carlos Gomes.  

Para marcar o aniversário será feita uma nova montagem da ópera que não acontece há 34 anos. O maestro Victor Hugo Toro afirmou que a montagem da ópera será apresentada integralmente pela primeira vez, e a apresentação foi pensada como uma forma de levar a obra para a nova geração de moradores que desconhecem a peça.     
 
"Todo mundo sabe o nome de Carlos Gomes, especialmente na cidade, e quase todos sabem que ele escreveu "O Guarani", mas nem todo mundo conhece a peça e essas melodias. Há 34 anos em Campinas não se faz uma montagem da ópera. Há uma geração de campineiros que nunca experimentou uma das maiores peças de arte brasileira da história ao vivo, então a temporada foi pensada especialmente pra isso", afirmou.

Ainda de acordo com o maestro todos os espaços possíveis existentes na cidade foram analisados e o Teatro Castro Mendes foi considerado a melhor opção para a apresentação. A versão está programada para ser levada ao palco entre setembro e outubro.



 
CONCERTOS

"Os concertos deste ano foram pensados com muito carinho, e marcam eventos artísticos importantes. Em nível mundial, levando as peças de um dos maiores compositores da história, tocando o ciclo completo de Beethoven, apresentando pela primeira vez todas as sinfonias, e outro evento que se não é mundial, deveria ser, que é a celebração da ópera O Guarani, que é definitivamente campineira", comentou o maestro.

O calendário mensal da OSMC é divulgado pela Secretaria de Cultura e pelo portal (clique aqui) da Orquestra.

INCLUSIVA

A temporada de 2020 terá o apoio da Secretaria de Assistência Social, Pessoa com Deficiência e Direitos Humanos, com profissionais de libras em algumas apresentações, fazendo os concertos mais inclusivos e acessíveis às pessoas com deficiência auditiva.
"Beethoven, como todo mundo sabe, foi compositor que ficou surdo, então essa homenagem não poderia ser de outra forma de não inclusiva, trazendo esse público para também prestigiar as obras", disse o maestro.



A OSMC

A Orquestra Sinfônica de Campinas é uma das principais Orquestras do país, sendo a principal estrutura cultural do interior paulista. A OSMC comemorou em 2019 os 90 anos do primeiro concerto, realizado em novembro de 1929, ainda sob o nome de "Sociedade Symphonica Campineira". O ano passado foi marcado por apresentações especiais comemorando o aniversário.  

Para o atual maestro, a Sinfônica é primeiramente um serviço aos campineiros. "A Orquestra está no nível de serviços que a Prefeitura oferece aos cidadãos, é a principal referência cultural que Campinas tem".  

PÚBLICO
 
Segundo Toro, a OSMC tem a maioria das apresentações voltadas para chegar à população de Campinas, seja para tornar a Orquestra acessível, e desmistificar o imaginário popular sobre a música erudita.  

"Há uma parcela da população que por desconhecimento acha que a Orquestra é uma coisa bonita, luxosa, tornando também algo  
inacessível. É uma coisa que estamos tentando mudar", disse o maestro.  

Cerca de 60% das apresentações são de graça, com opções de concertos ao ar livre e apresentações em igrejas e bairros. O ingresso mais caro custa R$ 30. Segundo Toro, essas alternativas são feitas para levar o conhecimento da Orquestra para a população.  

FINANCIAMENTO
 

A OSMC é mantida pela Prefeitura, mas recebe ajuda de financiamentos de iniciativas privadas. Atualmente, a Sanasa (Sociedade de Abastecimento de Água e Saneamento) é a principal patrocinadora da Orquestra, que conta também com empresas menores que dão apoio ao calendário de apresentações.  

O maestro aproveitou a entrevista ao ACidade ON, para fazer um apelo às empresas, para mais apoio.

"É uma mesa de três pés, o primeiro é o poder público, que temos a ajuda, o segundo é a qualidade, isso sem dúvida temos de sobra, e por último, é o que nos falta mais, do apoio de patrocinadores, porque sem isso a mesa cai". Segundo o maestro, o financiamento de empresas com a Sinfônica é uma mostra de envolvimento, de responsabilidade social e cultural.

Mais do ACidade ON