Publicidade

cotidiano

Fase vermelha estadual começa hoje no Estado; veja regras

Todas as regiões paulistas estão na fase mais restritiva do Plano São Paulo, incluindo Campinas, a partir deste sábado (6); medida vale até dia 19 de março

| ACidadeON Campinas -

Na fase vermelha, comércio fica proibido de atender presencialmente (Foto: Denny Cesare/Código19) 

A fase vermelha estadual começou neste sábado (6) em todas as regiões paulistas. Na fase mais restritiva do Plano São Paulo, somente serviços essenciais podem funcionar. A medida, anunciada na quarta-feira (3), tem validade de duas semanas, indo até o dia 19 de março. Junto com ela, o Estado decretou um toque de restrição das 20h às 5h.

Além da fase vermelha estadual, Campinas já estava sob a restrição severa desde o dia 3 de março, por determinação municipal. Por dois dias seguidos, na quarta e na quinta, a rede municipal de saúde da cidade entrou em colapso ao atingir 100% de ocupação no SUS tanto para covid como para outras doenças. Por conta disso, o município tem aberto mais leitos de UTI (Unidade de Tratamento Intensivo), inclusive no Hospital Metropolitano - que foi requisitado judicialmente.

No Estado, o governador João Doria (PSDB) afirmou que a medida ocorre devido ao agravamento da pandemia, com alta de óbitos e internações por covid-19. Segundo ele, São Paulo internou um paciente de covid-19 a cada dois minutos.

"Vamos enfrentar as duas piores semanas da pandemia desde o primeiro caso de covid-19 no país". disse o governador. Na fase vermelha, somente poderão funcionar supermercados, farmácias e outros serviços considerados essenciais. O comércio, restaurantes e bares só poderão funcionar com delivery, retirada ou drive-thru.

Já as escolas serão mantidas abertas, segundo o governo de São Paulo. Essa é a primeira vez durante a pandemia que isso ocorre na fase mais restritiva e a medida foi anunciada com a justificava de acolher alunos que não tem condições de estudar remotamente. Em Campinas, no entanto, as aulas presenciais estão suspensas por determinação municipal. Isso afeta além das escolas particulares.  

 Na região outras cidades também anteciparam a medida como Hortolândia, Valinhos e Paulínia.  
 
O QUE PODE FUNCIONAR NA FASE VERMELHA

De acordo com o Plano SP, a fase vermelha só permite funcionamento normal de serviços essenciais como indústrias, escolas, bancos, lotéricas, serviços de saúde e de segurança públicos e privados, construção civil, farmácias, mercados, padarias, lojas de conveniência, feiras livres, bancas de jornal, postos de combustíveis, lavanderias, hotelaria e transporte público ou por aplicativo, entre outros.

Já os comércios e serviços não essenciais só podem atender em esquema de retirada na porta, drive-thru e pedidos por telefone ou internet. Academias, salões de beleza, restaurantes, cinemas, teatros, shoppings, lojas de rua, concessionárias, escritórios e parques deverão ficar totalmente fechados ao público.

Os serviços essenciais precisam cumprir protocolos sanitários rígidos, como fornecimento de álcool em gel, aferição de temperatura, ventilação de ambientes, controle de fluxo de público e horário diferenciado para abertura e fechamento. O toque de restrição estará em vigor a partir das 20h em todas as regiões do estado, com recomendação para circulação restrita em vias públicas e fiscalização ampliada até as 5h.

Saúde: hospitais, clínicas, farmácias, clínicas odontológicas, lavanderias e estabelecimentos de saúde animal.

Alimentação: supermercados, hipermercados, açougues e padarias, lojas de suplemento, feiras livres. É vedado o consumo no local. Bares, lanchonetes e restaurantes: permitido serviços de entrega (delivery) e que permitem a compra sem sair do carro (drive thru). Válido também para estabelecimentos em postos de combustíveis.

Abastecimento: cadeia de abastecimento e logística, produção agropecuária e agroindústria, transportadoras, armazéns, postos de combustíveis e lojas de materiais de construção.

Logística: estabelecimentos e empresas de locação de veículos, oficinas de veículos automotores, transporte público coletivo, táxis, aplicativos de transporte, serviços de entrega e estacionamentos.

Serviços gerais:
lavanderias, serviços de limpeza, hotéis, manutenção e zeladoria, serviços bancários (incluindo lotéricas), serviços de call center, assistência técnica de produtos eletroeletrônicos e bancas de jornais.

Segurança: serviços de segurança pública e privada.

Comunicação social: meios de comunicação social, inclusive eletrônica, executada por empresas jornalísticas e de radiodifusão sonora e de sons e imagens.

Construção civil, agronegócios e indústria: sem restrições. 
 
Escolas: o Estado  permite o funcionamento das escolas com a presença de até 35% da capacidade tanto na rede privada quanto pública. Mas isso não ocorre em Campinas já que um decreto municipal suspendeu as aulas até o dia 16.

Mais notícias


Publicidade