Papa Francisco demite padre acusado de abuso sexual em Americana Papa Francisco demite padre acusado de abuso sexual em Americana

Papa Francisco demite padre acusado de abuso sexual em Americana

Ex-pároco estava afastado das funções desde janeiro de 2019; relembre o caso

Padre Pedro Leandro Ricardo, de Americana (Foto: Reprodução/Facebook)
 

*Matéria atualizada às 17h17 do dia 11 de março de 2022 

Afastado por denúncias de abuso sexual há mais de três anos, o padre Pedro Leandro Ricardo, ex-reitor e pároco da Igreja Santo Antônio de Pádua, em Americana, foi demitido do estado clerical nesta sexta-feira (11). 

A decisão do Papa Francisco foi anunciada pela Diocese de Limeira, responsável basílica de Americana. Em nota, o bispo Dom José Roberto Fortes Palau diz que a decisão impede de maneira imediata o exercício das atividades. 

'A partir da data de hoje, após a devida notificação, o senhor Pedro Leandro Ricardo não poderá mais exercer, válida e licitamente, o ministério sacerdotal', afirma um trecho do texto, que foi divulgado na manhã de hoje. 

A ordem diz ainda que a pena foi definida pelo Papa 'para o bem da Igreja' após solicitação e procedimento canônico próprio da Congregação para a Doutrina da Fé. O ex-padre já foi comunicado sobre a definição e alega que pretende recorrer. 

O CASO 

O ex-pároco foi afastado em janeiro de 2019, quando a investigação foi enviada ao Vaticano. A acusação, aceita pela Justiça, é de quando ele atuava em Araras, e cometeu os crimes de atentado violento ao pudor com abuso de autoridade. 

Foram incluídas nas denúncias quatro vítimas, sendo que outros dois casos não foram considerados. Entre as denúncias, um homem, que não quis ser identificado, disse que foi obrigado a fazer sexo oral no então líder religioso. 

Pedro Leandro ainda é investigado por casos de abusos sexuais cometidos em Americana. O escândalo veio à tona quando vítimas procuraram a polícia. 

Depois de afastado, ele chegou a anunciar uma missa virtual em julho de 2020.Na gravação, chamava os fiéis para acompanharem uma transmissão. Na época, a Diocese se manifestou e reforçou que ele não poderia realizar cerimônias. 

A DEFESA 

O advogado que representa o ex-padre não foi encontrado até o fechamento desta reportagem. O ex-pároco, por sua vez, informou à produção da EPTV Campinas que já foi notificado e que pretende recorrer da decisão.

Mais Notícias

Mais Notícias