Publicidade

cotidiano

Sem ar condicionado e autoclave, laboratório municipal suspende mais exames

Além disso, exame de urina tipo 1 continua suspenso; apenas casos urgentes são realizados

| ACidadeON/Campinas -

Hospital Ouro Verde, em Campinas. (Foto: Luciano Claudino/Código19) 

Sem ar condicionado para manter a temperatura ambiente e autoclave para esterilizar os utensílios, o Laboratório Municipal de Campinas suspendeu mais um exame. Desta vez, é o exame de escarro, que detecta a tuberculose, além de outros, como urocultura e hanseníase, que necessitam de esterilização dos equipamentos por autoclave antes de serem descartados. O exame está suspenso desde o dia 25 de abril. 

Além dele, o exame de urina tipo 1 está suspenso desde o dia 19 de março para a rede pública por causa da falta de insumos. Ele está sendo realizado apenas para casos urgentes de grávidas e de pacientes com sondas, há 16 dias.   

Já o motivo desta nova suspensão é que a Prefeitura de Campinas não cumpriu a primeira parte do acordo com o MPT (Ministério Público do Trabalho) de consertar o ar condicionado de vários setores do laboratório. O TAC (Termo de Ajuste de Conduta) foi assinado no dia 13 de abril e o primeiro prazo para consertar o ar condicionado era dia 1º de maio.  

Leia mais: Exames de urina tipo 1 ainda não têm prazo para voltar

Prefeitura retoma exames de urina tipo 1 apenas para emergências

Falta de insumo suspende exames de urina na rede de Campinas  

TAC obriga prefeitura a comprar ar condicionado para Laboratório Municipal

Sem ar condicionado, a temperatura da unidade pode chegar a 40°C em dias quentes, de acordo com medição feita pelo STMC (Sindicato dos Servidores Públicos de Campinas). Foi o sindicato que denunciou o caso para o MPT. Na manhã desta sexta, segundo o sindicato, o exame chegou a ser pedido, mas não foi realizado.

"Isso significa que o material utilizado no exame não poderia ser esterilizado depois, o que gera riscos para os trabalhadores", disse Ricardo Marreti, advogado do STMC. Os funcionários então acionaram o sindicato, que vai notificar o MPT sobre o descumprimento do acordo.

O descumprimento do TAC implica em multa no valor de R$ 150 mil por item ou subitem infringido, reversíveis ao FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador). O MPT informou que ainda não foi notificado pelo STMC. No TAC, ficou delegado ao Sindicato que ele faça a fiscalização do acordo.

O TAC

Pelo TAC, até o dia 1º de maio, a Prefeitura deveria fazer a manutenção nos aparelhos de ar condicionado da sala de triagem; instalação de equipamento com capacidade de 18.000 BTUs na sala de "Preparo Parasitologia"; instalação de aparelho de ar condicionado com capacidade de 21.000 BTUs na sala de "Urinálise"; instalar e manter em funcionamento adequado aparelho de ar condicionado de 36.000 BTUs na sala de "Digitalização"; e consertar os equipamentos hoje instalados na sala de "Bioquímica".

Segundo um trabalhador que pediu para não ser identificado, a Prefeitura não consertou quatro das cinco áreas citadas no acordo. São elas: triagem, parasitologia, urinálise e digitação. No setor de bioquímica, o ar condicionado foi vistoriado, mas não ainda não está com a operação considerada ideal. Já no setor de parasitologia, também foi mexido, mas não arrumado.  A segunda parte do acordo está prevista para o dia 20 de maio, quando estão previstos mais consertos no ar-condicionado.

OUTRO LADO 

A Secretaria de Saúde informou, por meio de nota oficial, que "as adequações firmadas no TAC com o MPT estão sendo cumpridas e grande parte foi concluída".

No entanto, a Administração informou que empresa responsável pela manutenção dos equipamentos e instalações de novos aparelhos de ar condicionado encerrou as atividades comerciais antes da conclusão do trabalho. A pasta disse está providenciando a contratação de uma nova empresa.

Em relação à autoclave, o equipamento do laboratório teve um problema técnico, mas foi consertado e está em fase de testes. Os exames suspensos serão retomados na próxima semana, disse a Prefeitura.




Mais notícias


Publicidade